Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Ativos e passivos financeiros - Fábio Almeida

Enviado por Gilberto Godoy
ativos-e-passivos-financeiros---fabio-almeida

   O livro “Pai Rico, Pai Pobre”, de Robert Kiyosaki e Sharon Lechter, é um sucesso de vendas no mundo todo. Muitos o classificam como um livro de “auto-ajuda” e, embora eu mesmo considere desnecessários muitos dos ensinamentos  (e muitos dos outros livros de Kiyosaki, que basicamente repetem o conteúdo do primeiro livro), acredito que há duas lições importantíssimas na obra.

   A primeira delas é: fuja da corrida dos ratos! A corrida dos ratos, ilustrada pela foto acima, caracteriza bem a vida da maioria de nós, mortais: somos criados e educados para conseguir uma qualificação acadêmica mínima para entrar no mercado de trabalho e seguir uma carreira, com o objetivo de ganhar um bom salário, suficiente para um bom padrão de consumo. Mal ganhamos o primeiro salário e as despesas começam: comprar roupas melhores, adquirir um carro, ir aos melhores restaurantes, às melhores boites, e alguns começam a pensar em comprar uma casa ou um apartamento.

   Os filhos chegam e, para compensar o aumento nas despesas, os pais passam a trabalhar mais, seja cumprindo horas extras, seja arrumando um outro trabalho. De repente, o casal se toma conta de que, embora ganhem um bom salário, eles não vêem o destino daquele dinheiro todo. Pior ainda, percebem que não têm um único tostão poupado para a velhice. Em outras palavras, trabalham para todo mundo, menos para si mesmos. Trabalham para a empresa, com seu suor; para o governo, com o pagamento de impostos; para o banco, pagando eventualmente juros de cheque especial ou no cartão de crédito; para a construtora, pagando o financiamento da casa. Forma-se, assim, um ciclo vicioso, bastante parecido com a roda em que os hamsters brincam, na qual eles correm, correm, correm e não saem do lugar. Quanto mais ganhamos, mais gastamos; e como gastamos mais, precisamos ganhar mais. Como sair desse ciclo?

   A resposta de Kiyosaki e Lechter a essa pergunta é o outro conceito a que me referi: a distinção entre ativo e passivo. Muitas pessoas compram uma casa pensando que estão adquirindo um ativo, mas na verdade estão adquirindo um passivo. Basicamente, para os autores, um ativo é todo bem adquirido que gera uma renda passiva para o comprador – uma renda que será auferida sem a necessidade de trabalho. Um passivo, por outro lado, é todo bem ou gasto que gera apenas despesa, sem retornar na forma de uma renda. Como eles bem resumem: “Um ativo é algo que põe dinheiro no meu bolso. Um passivo é algo que tira dinheiro do meu bolso”.

   Muitas pessoas adquirem um automóvel ou uma casa achando que têm um bom patrimônio. Mas o automóvel só gera despesas com a manutenção e se desvaloriza a cada mês. Uma casa pode se valorizar (ou não, dependendo do imóvel), demanda despesas para manutenção e, se é utilizada pela própria pessoa, não gera renda alguma – apenas impede que se gaste dinheiro com aluguel. Mas, como vimos em outro post, dadas certas circunstâncias, pagar o aluguel por um tempo pode não ser tão ruim. Se a casa ou o apartamento são alugados, podem gerar uma renda passiva – e aí são considerados ativos. Os próprios automóveis podem ser considerados como ativos, se geram renda passiva: um dono de uma empresa de táxis ganha seu dinheiro a partir dos automóveis adquiridos, por exemplo.

   Como se pode observar pelos exemplos acima, é difícil dizer, sem maiores considerações, se um bem é ativo ou passivo. Um carro ou uma casa podem ser ativos ou passivos. Mas, para fugir da corrida dos ratos, é importante adquirir mais ativos que passivos: se, com o tempo, o investidor tiver sucesso na aquisição de bons ativos (ações, títulos do governo, imóveis, etc), é possível que a renda passiva gerada por eles seja mais do que suficiente para pagar o passivo do investidor. Ou seja, o objetivo principal da aquisição de ativos é gerar um fluxo de caixa suficiente para pagar as despesas mensais: alcançado esse objetivo, é perfeitamente possível dizer que o investidor é uma pessoa rica, alguém que não precisa trabalhar para viver. Claro, dependendo dos objetivos do investidor, o fluxo de caixa pode ser aproveitado para gerar ainda mais fluxo de caixa: ao receber dividendos ou aluguéis, o investidor pode reinvesti-los na aquisição de mais ativos. Com o tempo, a renda gerada pelos ativos pode ser tão superior ao salário mensal que as despesas podem ser aumentadas também, sem maiores preocupações.

   De acordo com Kiyosaki e Lechter, o que diferencia o perfil do fluxo de caixa de uma pessoa pobre, de classe média e rica é o modo como se dá a relação entre ativos e passivos. Alguém pobre, que mal consegue ganhar para viver, simplesmente não tem dinheiro para obter ativos e passivos: toda sua renda salarial se esvai no pagamento das despesas diárias. Uma pessoa padrão da classe média, por sua vez, utiliza sua renda salarial (renda ativa) para o pagamento das despesas diárias e para o pagamento de passivos (financiamento imobiliário, empréstimos e cartão de crédito). Já as pessoas ricas utilizam sua renda ativa (fruto de seu trabalho) e sua renda passiva para adquirir mais ativos. Claro que nem toda a sua renda é utilizada para adquirir mais ativos; é razoável que alguém financeiramente independente possa se dar ao luxo de adquirir passivos (casas, iates, bons automóveis, etc). Mas o ponto é que a proporção dos passivos será muito menor do que a dos seus ativos.

      Fonte: blog O Pequeno Investidor
     Sobre o autor - Fábio Portela é investidor desde 2006 e disponibiliza neste site seus conhecimentos adquiridos ao longo do tempo, seja com sua experiência, seja por meio das leituras que fez ao longo dos anos. O autor é mestre em Direito Constitucional e em Filosofia pela UnB, e atualmente cursa doutorado em Direito Constitucional na mesma instituição.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Por Webster Franklin Da Carta Maior via blog Luis Nassif Online
      Para Samir Amin, estamos entrando em uma nova fase do capitalismo, uma etapa qualitativamente nova, caracterizada pela extraordinária centralização do capital, chegando a tal ponto que, hoje em dia, o capital monopólico controla absolutamente tudo.   (continua)


  •    Caso o consumidor decida adquirir algum produto pela internet, alguns cuidados devem ser observados: 1. Preços muito baixos. Todos conhecemos o ditado, “que quando a esmola é grande, o santo desconfie”. A internet está cheia de casos em que o ditado popular é útil...   (continua)


  •    Digamos que você queira diminuir seus gastos mensais, seja para estancar um desequilíbrio financeiro, seja simplesmente para aumentar a poupança em busca de um desejado objetivo de consumo.   (continua)


  •    Segundo especialista, brasileiros geralmente não entendem a diferença entre poupar e investir, o que é essencial para quem quer ter as finanças saudáveis. Você sabe qual é a diferença entre poupar e investir? Para o planejador financeiro certificado (CFP) Janser Rojo, da Soma Invest, o brasileiro usa esses dois conceitos como se fossem sinônimos, e com isso acaba cometendo grandes erros na sua vida financeira.   (continua)


  •    A concentração no setor bancário americano chegou a níveis extremos. Há hoje 33% mais grandes bancos do que em 2000. De acordo com a Federal Deposit Insurance Corporation, foram 182 fusões e 107 consolidações por ano de 2001 a 2011. O resultado é que os cerca de 37 bancos importantes que existiam em 1990 hoje se resumem a quatro grandes: ...   (continua)


  •    Direitos sociais e trabalhistas duramente conquistados desde o início do século XX, especialmente depois do final do salazarismo e da ditadura militar grega estão sendo tragados a canetada. Estamos assistindo uma gigantesca regressão social. E agora na Espanha também. Seria cômico se não fosse trágico: o chamado "bom senso dos mercados financeiros"...   (continua)


  •    Chegar ao fim do ano com dívidas pode gerar angústia com a aproximação das festas e das pesadas despesas de início de ano. Veja a seguir o que fazer para se livrar das dívidas ou melhorar suas economias.   1. Forme uma reserva financeira se você é um “endividado controlado” - Ter dívida não é um problema. O crédito possibilita a ...   (continua)


  •    O grito “Ocupem Wall Street”, antes de ser um protesto contra a economia de mercado, exprime o profundo sentimento de injustiça social derivado da incapacidade dos governos que permitiram a destruição do emprego e do patrimônio de milhões de honestos cidadãos assaltados, de forma...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília