Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Clássicos da literatura mundial: O Mahabharata

Enviado por Gilberto Godoy
classicos-da-literatura-mundial--o-mahabharata

     É um dos dois maiores épicos clássicos da Índia, juntamente com o Ramáiana. Já foi traduzido em vários Idiomas.Transformou-se em livros, peças teatrais e em filme . Sua fantástica história ainda é, contudo, pouco conhecida . Trazemos aqui um   resumo dos seus principais acontecimentos -  um tanto bizarros e estranhos   para a nossa visão ocidental - porém repleto de simbologias , e feito para o entendimento das mentes místicas orientais.

     Erudito e popular, o Mahabharata que em Sânscrito significa " a grande história da humanidade ", corporifica a essência cultural da Índia . Trata-se do relato da disputa dinástica entre dois grupos de primos que culmina numa apocalíptica batalha , pondo em risco toda a sorte do mundo. A narração da guerra é realçada por histórias secundárias que fornecem uma base social , moral e cosmológica aos combates . Todos os eventos do conflito decorrem sempre da obediência ou desobediência do darma - lei que rege a ordem secreta e pessoal que cada um traz em sí e se desrespeitado  resulta em desastre .

     A narrativa é feita por Vyasa , um velho eremita com trajes de mendigo , que às vezes participa da história . Outro protagonista é um menino e Ganesha ( o Deus com cabeça de elefante ) que escreve os relatos em um livro .

     O Início da História se dá na idade do ouro , quando , sob o reinado de Santanu , no qual a terra vivi em paz e sem misérias . Perdidamente apaixonado ; por  Satyavata, mãe de Vyasa ( o eremita ) , o rei foi pedi-la em casamento ao pescador que a criara  . No entando o velho pescador impôs uma condição : que o filho resultante do casamento fosse o sucessor do reino . Porém o direito natural pertencia a Bhishma, o filho perfeito , invencível e sábio que tivera com Ganga, a divindade do rio .

     Voltando a Hastinapura, a capital do reino , o rei Santanu caiu em profunda tristeza . Então Bhisma foi procura o velho pescador , e prometeu-lhe em troca da felicidade de seu pai , renunciar a seus direitos e jamais conhecer o amor de uma mulher para evitar que seus descendentes reclamassem o reino .Foi feito o acordo .

     Santanu e Savtyavati tiveram dois filhos . Um morreu na guerra , o outro morreu em  sua noite de núpcias , deixando duas viúvas . Nesta época , Santanu também já havia morrido ; ficando assim o reino sem sucessor , pois Bhisma se recusava a quebrar o seu voto ( e juramento ) .

     Então Savtyavati recorreu a vyasa ( o eremita maltrapilho) para que fecundasse as suas filhas, perpetuando assim a dinastia . A primeira princesa ao ver o eremita , repugnada pelo seu aspecto , fechou os olhos , e seu filho , Djrotarasjra nasceu cego . A segunda princesa , entorpecida pelo mau cheiro de Vyasa , perdeu as cores , e seu filho , Pandu , nasceu branco da cor do leite . Como Dhritarashtra não podia assumir   o trono por ser cego , Pandu foi coroado , e casou-se com duas mulheres . Kunti e Madri .

     A primeira mulher ,  Kunti , possuía o poder mágico de invocar qualquer Deus para ter dele um filho . Quando recebeu o mantra de um poderoso eremita  , tinha apenas 15 anos de idade e , por curiosidade, chamou o Sol . Sem o seu consentimento , o Sol lhe deu um filho , Karna , que ela abandonou num cesto na correnteza do rio . Um cocheiro o recolheu e criou . Pandu , durante uma caçada , na floresta no dia de suas núpcias , ao abater duas gazelas que se acasalavam , foi amaldiçoado por uma delas : "se um dia tomares uma de tuas esposas em teus braços, morrerás como eu morro agora ". Amargurado , Pandu decidiu perder-se nas florestas e nos desertos , sendo seguido , contra a  vontade pelas  duas esposas . Porém antes de partir , entregou as insignias reais a Dhritarashtra ( o filho cego ) , que logo se casou  com Gandhari, um princesa do Norte .

     Bem no alto do Himalaia , Pandu chorava sua sina de não poder amar e ter filhos . Para alegrá-lo , Kunti decidiu usar seu mantra . Nasceram então Yudishsthira, filho de Darma ( Deus da Justiça ) , que seria o melhor dos reis , Bhima, filho de Vayu ( Deus do vento ) , de força sem limites e Arjuna , filho de Indra ( Rei dos Deuses ) - este se tornaria um guerreiro invencível . Madri, a outra esposa de Pandu , tomando o mantra emprestado , invocou de uma só vez os Aswins, os gêmeos dourados , dado à luz os belos Nakula e Shadeva, que ficariam conhecidos por sua abnegação e prudência . Os cinco irmãos , filhos dos deuses seriam chamados Pandavas.

     Enquanto isso, em Hastinapura, Gandhari ( esposa de Dhritarashtra - o rei cego) , grávida há dois anos , fez sair de seu ventre, com golpes de uma barra de ferro, uma bola de carne dura e fria . Queria jogá-la num poço , mas Vyasa (o velho eremita ) impediu tal gesto , mandando que cortasse a bola em cem pedaços e os cultivassem em jarros de barro .Daí nasceram os cem filhos de Dhritarashtra , os portadores da violência , que seriam conhecidos por Kauravas ; o primeiro deles chamava-se Duryodhana ( o duro de vencer ) .

     Bhisma procurou dar a mesma educação exemplar aos Kauravas e aos filhos de Pandu , que morrera nos braços de Madri no Himalaia . Mas sua infância foi marcada por rivalidades e lutas . Duryodhana várias vezes tentou matar os Pandavas, que considerava inimigos . Bhima, por seu turno, não cessava de atormentar os primos . Uma das incontáveis brigas entre ambos foi certa vez interrompida por um desconhecido, um homem forte que se ofereceu a Bhishma para educar os jovens . Tratava-se de Drona, o mais célebre mestre de armas que jamais existira sobre a terra .Submetendo os jovens a um teste , logo percebeu qualidades excepcionais de Arjuna e prometeu fazer dele o melhor arqueiro do mundo . Muitos anos se passaram . Os Pandavas e sua mãe Kunti viviam fora do palácio real, numa casa modesta. Duryodhana, que começava a exercer o poder de fato, mantinha-os distantes e quase sem recursos .

     Num dos muitos torneios em que dominava sem esforço todos os seus adversários , Arjuna , já mestre do arco e das outras armas, foi desafiado por um arqueiro, cujas proezas acabavam de impressionar a todos . Era Karna, filho secreto de Kunti e do Sol , que imediatamente nomeado rei do país de Anga por Duryodhana. O combate acabou por não se realizar, mas, antes de sair da praça de armas , ao lado de Duryodhana, de quem se tornaria grande aliado , Karna prometeu a Arjuna abatê-lo um dia .

     Os cinco irmãos já estavam casados com a bela princesa Draupadi , que Arjuna conquistara num torneio em um reino vizinho, quando Krishna , a encarnação de Vishnu, os convocou ao seu palácio , em Dvaraka. Homem generoso e brilhante , portador de um tesouro de sabedoria , disse-lhes que a terra clamava por um rei legítimo e que Yudishsthira, filho de Darma , amado por todos, deveria ser este rei. Para evitar uma guerra, seu tio Dhitarashtra concedeu-lhes as terras de Khandavas-Prastha .

     Em pouco tempo, os irmãos transformaram pântanos fétidos e florestas lúgubres num grande e excepcional reino . Após seis anos de prosperidade , Yudishshira convidou todos os reis, inclusive seu tio e primos, para conhecerem seu novo palácio . Segundo a lenda , era um palácio mágico , construído pela própria deusa Maya , onde os pensamentos podiam tomar corpo.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O homem nasce para atingir a vida, mas tudo depende dele. Ele pode perdê-la. Ele pode seguir respirando, ele pode seguir comendo, ele pode seguir envelhecendo, ele pode seguir se movendo em direção ao túmulo - mas isso não é vida. Isso é...   (continua)


  •    Incivilizado, bárbaro, órfão de sensibilidade e pobre de palavra, ignorante e grave, alheio à paixão e ao erotismo - um mundo sem literatura teria como traço principal o conformismo, a submissão dos seres humanos ao estabelecido. Seria um mundo animal. Muitas vezes me ocorre...   (continua)


  •    "Na vida de cada homem existem duas faces: a vida pessoal, que é tanto mais livre quanto mais abstratos forem seus interesses, e a vida geral, social, na qual o homem obedece, inevitavelmente, as leis que lhe são prescritas. Por si próprio, o homem...   (continua)


  •    "Sentia-me à vontade em tudo, isso é verdade, mas ao mesmo tempo nada me satisfazia. Cada alegria fazia-me desejar outra. Ia de festa em festa. Acontecia-me dançar noites a fio, cada vez mais louco com os seres e com a vida. Por vezes, já bastante tarde, nessas noites...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília