Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Como fazer alguém mudar de opinião

Enviado por Gilberto Godoy
como-fazer-alguem-mudar-de-opiniao

   O filósofo e matemático do século XVII, Blaise Pascal, atualmente tem certa popularidade na Internet, particularmente na era do Twitter onde algumas de suas frases são muito retuitadas. Uma que é muito citada por escritores e filósofos como sintoma do horror ao vazio do homem moderno é: "O silêncio eterno dos espaços infinitos me aterroriza."

   Por isso não demorou para que alguém tenha notado que Pascal voltou a ser notícia, ao menos nos círculos da psicologia, depois de que seu argumento para fazer que uma pessoa mude de parecer foi retomado pelo professor Arthur Markman, da Universidade do Texas, em Austin, que reforça a ideia do que Pascal observou há 350 anos é a melhor forma de persuadir alguém.

   Pascal escreveu que quando queremos corrigir alguém e fazê-lo mudar de opinião devemos primeiro notar de qual perspectiva essa pessoa olha o tema e entender como ela enxerga esta "verdade", de modo que devemos admitir primeiro que ele está certo e depois revelar o outro lado desde o qual as coisas são diferentes tentando argumentos como:

   - "Veja bem, você está certíssimo no seu ponto de vista, mas será que não deixou de considerar todas as possibilidades." Acontece que ninguém realmente se ofende por não ver todas as particularidades; mas ninguém gosta de estar equivocado. As pessoas são geralmente melhor persuadidas por razões que elas mesmas descobrem que por aquelas que alguém tenta inculcar de forma direta. Isto é realmente um truque um tanto sofista, mas funciona.

   Segundo Arthur Markman é importante que primeiro façamos as outras pessoas pensarem que de certa forma estão corretos, porque isto parece abrir e baixar suas defesas, como uma matreira diplomacia, e depois argumentar que um ponto contrário também pode ser verdade. A artimanha é completada magistralmente fazendo com que o interlocutor creia que foi ele que descobriu por sua própria conta o contraponto e que continua tendo a razão e sendo o "dono da verdade".

   Se imediatamente você começa a dizer tudo o que está errado e que seu colocutor tem que estudar mais, a discussão só vai ficar mais acalorada e não chegará nunca ao fim e a um ponto comum, porque não existe um incentivo para cooperar. Mas se você começar dizendo:

   - "Ah sim, lógico cara, o que você diz faz muito sentido!", [mesmo que não tenha] dará à outra pessoa uma razão para querer cooperar no intercâmbio.

   Temos aqui uma espécie de massagem para o ego, para amolecê-lo e deixar que entre a razão. O problema é que os sofistas usam este truque para persuadir sem necessidade de que impere a razão, só fazem pela habilidade da mente de deleitar-se em seus próprios discursos para manipular às demais pessoas. Isto é algo que certamente Pascal, considerado como um precursor da psicologia, não estaria de acordo.

     Fonte: Quartz. via Negócio Digital

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •      René Girard, nascido em Avignon, França (25 de dezembro de 1923). Formou-se em Filosofia,(1941), conclui sua pós-graduação em História (1947) como arquivista paleógrafo, com tese “ vida privada de Avignon na segunda metade do século XIX”, na École Nationale des Chartes, Paris. Conseguira seu PHD na Indiana University (1950), com a tese “A opinião americana sobre a França, 1940-1943”.   (continua)


  •    Em nosso mundo, não há natureza das coisas, entende-se que tudo seja uma construção social. Delírio puro. Prefiro os antigos, justamente por perceberem que são os limites que nos humanizam, e não o desejo sem limites. Os inteligentinhos dirão coisas como "conservador!". Mas a vida segue, o mundo se acabará um dia, e os inteligentinhos dirão, em seu último grito de agonia, "opressão!".   (continua)


  •    O cientista estadunidense Robert Lanza afirma que tem provas definitivas para confirmar que a vida após a morte existe e que de fato a morte, por sua vez, não existe da maneira em a que a percebemos. Após a morte de seu velho amigo Michele Besso, Albert Einstein disse: - "Agora Besso se foi deste estranho mundo um pouco adiante de mim. Isso não significa nada. Gente como nós...   (continua)


  •    Um excelente documentário sobre autoconhecimento, busca da felicidade e o sentido da vida. Foram entrevistadas trinta pessoas, incluindo líderes espirituais, filósofos, intelectuais, artistas, esportistas etc. Traz uma reflexão contemporânea sobre estas questões tão importantes para a consciência de quem somos nós nesse universo extraordinário. O depoimento dessas pessoas, a experiência deles pode ser útil para alguns.   (continua)


  •    A vida em sociedade e as consequentes inter-relações pessoais exigem a formulação de regras de conduta que disciplinem a interação entre as pessoas, tem o objetivo de alcançar o bem comum, a paz e a organização social. Tais regras, chamadas normas éticas ou de conduta, podem ser de natureza moral, religiosa e jurídica.   (continua)


  •    Punir os excessos do mal, mas não eliminar a causa. Esse é o destino da Ética no discurso pós-moderno repleto de palavras mágicas como "responsabilidade", "transparência", "sinceridade" etc. De ciência da moral que buscava as bases racionais da Verdade e do Bem, hoje a Ética é absorvida pelo subjetivismo, relativismo e fragmentação.   (continua)


  •    E se Deus tivesse falado: “Para de ficar rezando e batendo o peito! O que eu quero que faças é que saias pelo mundo e desfrutes de tua vida. Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti. Para de ir a esses templos lúgubres, obscuros e...   (continua)


  •    O tema da redenção me encanta há muitos anos. Sou um descrente encantado com a tradição bíblica. Para almas apressadas, pode parecer uma contradição. Prefiro ver como uma espécie de pequena modéstia diante de tamanha beleza contida nas temáticas bíblicas.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília