Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Consumidor moderno e suas escolhas - Marcelo Coelho

Enviado por Gilberto Godoy
consumidor-moderno-e-suas-escolhas---marcelo-coelho

   Crédito ou débito? À vista ou parcelado? Inclui o CPF? Faz parte do programa vale-ponto? Vai levar sacolinha? Quantas vai precisar?

   Se para prevenir o Alzheimer o cérebro precisar mesmo de exercício (algo de que duvido, uma vez que não é músculo), acho que a simples compra de duas garrafas de água e de uma barra de cereais no supermercado já seria suficiente para me livrar dessa ameaça.

   Tenho algumas respostas prontas –sei de cor o CPF e até o número do cartão de crédito. Mas sempre paro para pensar quando se trata de número de sacolas ou da nota fiscal paulista.

   Pessoas mais racionais do que eu planejam a data de vencimento do cartão e jogam com quatro ou cinco "bandeiras" como se fosse com uma mão de truco. De minha parte, se encontrar o cartão de crédito dentro da carteira já me considero uma pessoa de sorte.

   O fato é que querem complicar demais a vida do consumidor, e uma teoria alternativa sobre o Alzheimer –a de que você deve economizar espaço na cabeça– pode ser sem dúvida invocada contra o mundo moderno.

   Não tenho nada contra a livre concorrência, mas gostaria de não ter de fazer tantas escolhas ao mesmo tempo.

   Antes, você ligava para o ponto de táxi e ele vinha. Agora, depois de baixar o aplicativo (qual? Há uns quatro ou cinco), devo decidir se quero o modelo pop, o preto, o de preço reduzido ou o de tarifa cheia.

O critério do preço não é decisivo, como sabemos. Nunca é. O mais barato demora mais para chegar, a não ser que aconteça o contrário e, por algum mistério, o carro mais caro não chegue nunca.

Tudo foi parar em alguma nuvem, cujo fiapo a nosso alcance é o sinal do celular (qual a sua operadora? Mas essa não é boa). De resto, qual a minha operadora? Era uma, que se fundiu com uma terceira, e a segunda, essa eu mudei de plano quando instalei a fibra ótica, que não é a mesma do telefone fixo...

Estou perdido, com cada coisa a um simples toque do dedo.

O café costumava aclarar meu pensamento, mas tornou-se outro motivo para me deixar com a cabeça quente. Ristretto ou Arpeggio? Borneo ou Surabaya? Porcelanato ou Vittelone? Resolvi ignorar as sutilezas do Nespresso, uma vez que, por razões gástricas, passei a misturar tudo com uma talagada de leite.

Semi-integral ou desnatado? Sem lactose ou com mais cálcio? Soja ou arroz? Piracanjuba ou Piracaia?

Melhor evitar complicação. Feliz com minha máquina de Nespresso, comprei cápsulas de café com leite pronto. Ou latte, como se diz agora.

Poverino! Não sabia que as cápsulas de latte e cappuccino só funcionam em outra máquina. A de Nespresso só "trabalha" com "blends" de "grãos". Cápsulas de chocolate quente, cappuccino ou mesmo chá só entram em dispositivos de outro tipo.

Compro outra máquina, que vem com instruções precisas. Há uma capsuleta especial que deve ser usada após você ter "degustado" o seu "machiatto". Serve para limpar os dutos do aparelho, sob pena de restos de leite impregnarem de toques rançosos o aroma geral do ambiente.

Foi o que aconteceu comigo, obrigando-me a tentar desmontar a geringonça para o trabalho de higienização interna. Sim, mas com que chave de fenda? Os parafusinhos eram de três tipos diferentes, cada qual exigindo ferramenta própria.

O mundo vai ficando mais esperto do que eu. A marca de minha incapacidade veio quando adicionaram um 9 ao número do celular. Até oito algarismos, eu sabia em que ritmo falar o número que eu tinha. Com o novo prefixo, perdi o ritmo, perdi o pé, perdi a paciência.

"Mas você não precisa falar o seu número! Mande pelo WhatsApp!" Hã? Hein? Como é que faz?

Fico aliviado quando me deparo com uma máquina mais simples, como o elevador. Sempre teve um ou dois botões que ninguém sabe para que serviam: a diferença entre "PO" e "Parar" ("Stop") nunca foi das mais claras, e poucos são os que se arriscaram a resolver esse problema.

Mas os elevadores já se complicam também. Em alguns estabelecimentos comerciais, você só entra se digitar o código da sala ou do escritório que pretende visitar. Ué, não te deram? Esqueceu? Tente o celular do recepcionista...

Para resumir, há opções demais, teclas demais, escolhas demais a fazer. Talvez eu esteja errado em reclamar, entretanto. Para o segundo turno, os favoritos são Lula e Bolsonaro. Quer com leite ou vai puro mesmo?

     Fonte: Blog do Murilo - Título original: 'Vida do consumidor moderno se complica com escolhas demais a fazer.'

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •     Você olha para seu celular e vê dezenas ou centenas de mensagens não lidas no WhatsApp... Certamente você está em mais grupos do que deveria ou gostaria. Não entre em pânico! Você não está só. Tem sido comum no atual momento...   (continua)


  •    A Google publicou uma trabalho de pesquisa a respeito da inteligência artificial no qual um avançado bot de chat aprendia com um conjunto predeterminado de conversas, para poder oferecer respostas "mais inteligentes". Um aspecto interessante deste bot, é... (continua)


  •    Nesta era tecnológica, as redes sociais se tornaram uma forma fundamental de interagir com nossos amigos e com o mundo, até se converter em um dos rituais cotidianos para alguns. No entanto, o que normalmente começa como um inofensivo hábito virtual...   (continua)


  •    Uma pesquisa do Ibope revelou que, de maneira inédita, a maioria dos brasileiros recebeu informações sobre política via Facebook, Twitter ou WhatsApp. Em um ano, triplicou a parcela da população que escolhe seus comportamentos a partir das informações compartilhadas nesses serviços, registrou o Estadão.   (continua)


  •      A teoria dos seis graus de separação originou-se a partir de um estudo científico, que criou a teoria de que, no mundo, são necessárias no máximo seis laços de amizade para que duas pessoas quaisquer estejam ligadas. No estudo, feito nos Estados Unidos, buscou-se, através do envio de cartas, identificar o números de laços de conhecimento pessoal existente entre duas pessoas quaisquer.   (continua)


  •    Ricardo Guimarães fala sobre transição e revolução da sociedade, das empresas e do trabalho. 


  •    Uma escola de economia e gestão, em Paris, irá brevemente começar a utilizar um software de inteligência artificial para rodar um programa de reconhecimento facial, de modo a determinar se os seus estudantes estão prestando atenção às aulas. Está planejado que o software, denominado...   (continua)


  •    Existem muitas formas de adquirir conhecimento sobre diferentes temas, como por exemplo, vídeos no YouTube, livros, cursos, séries e documentários. Pensando nisso, o Brasil Econômico listou 5 documentários disponíveis no Netflix  para ajudar os interessados em empreendedorismo a se inspirarem ao mesmo tempo que se informam sobre assuntos presentes em diferentes setores de produção.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília