Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Crise faz Brasil cair no ranking de desenvolvimento humano

Enviado por Gilberto Godoy
crise-faz-brasil-cair-no-ranking-de-desenvolvimento-humano

   Por Gabriela Valente, Cássia Almeida e Efrém Ribeiro, O Globo

   A crise econômica bateu em cheio na renda dos brasileiros e, pela primeira vez desde 2010, fez o país cair no ranking de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas (ONU). ... O Brasil passou da 74ª posição para 75ª numa lista de 188 nações que são classificadas com base em três indicadores: saúde, educação e renda. Juntos, esses três fatores são combinados para compor o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que varia de zero a 1. Quanto mais próximo de 1, maior é a qualidade de vida da população. A renda per capita brasileira anual baixou de US$ 15.288 em 2013 para US$ 15.175 em 2014, recuo de 0,73%.

   Em seu último relatório, referente a 2014, o IDH brasileiro foi calculado em 0,755, o que mantém o país no grupo de nações com alto desenvolvimento humano, onde também estão Uruguai, México, Venezuela, Colômbia e Turquia. O número é levemente maior que o registrado em 2013, de 0,752, mas não evitou que o Brasil caísse no ranking. Em 2013, Brasil e Sri-Lanka estavam empatados na 74ª colocação, mas em 2014, o Sri Lanka avançou uma posição e passou à frente do Brasil.

   Entre os países do Brics, o Brasil foi o único que perdeu posição. A Rússia permaneceu na 50ª colocação, a Índia, que está no grupo de médio desenvolvimento humano, subiu de 131º para o 130º. A África do Sul, que está no mesmo grupo da Índia, também avançou uma posição: de 117ª para 116ª. A China teve o melhor desempenho, subiu três posições: de 93ª para 90ª.

   ‘QUEDA TEM A VER COM RITMO DE CRESCIMENTO’

   Os números do Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH), onde está o novo ranking do IDH, ainda não refletem o agravamento da crise econômica brasileira este ano. A Renda Nacional Bruta (RNB) per capita usada na composição do IDH foi calculada com base em dados de 2014, quando a economia ficou estagnada. Como a retração esperada da atividade este ano é de 3,5%, a tendência é que o índice piore daqui para frente, alertam os técnicos do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), responsável pelo IDH.

   — A queda no ranking tem a ver com o ritmo de crescimento do país — explica a coordenadora do relatório no Brasil, Andréa Bolzon, que avalia que a crise econômica vai afetar os indicadores do Brasil no ano que vem. — É possível que tenhamos impacto já que a gente tem um PIB de menos 3% aí. Isso terá um reflexo na renda e, claro, pode puxar os outros indicadores lá para baixo.

   Jornada dobrada. A sorveteira Gorete Lima vende sorvetes das 17h às 2h do dia seguinte e vai dormir às 3h, mas precisa acorda às 7h. Ela lembra que, em 2014, a situação econômica do país era bem melhor. No ano passado, o PIB avançou 0,1% e a inflação foi de 6,41%. A deterioração foi acelerada de lá para cá. E o Brasil encerrará este ano numa forte recessão entre 3,5% e 4% e com alta média de preços acima de 10%.

   Em Teresina, no Piauí, o tratador de animais Fernando José viu seus ganhos minguarem de R$ 1.100 para R$ 724 de um ano para cá. As horas extras foram cortadas juntamente com o salário. Ele conseguiu terminar de pagar o financiamento da moto antes de o salário cair e não tem mais condições de comprar qualquer bem durável por enquanto. O dinheiro agora só dá para alimentação e para ajudar os pais que moram em outra cidade:

   — As fazendas estão reduzindo pessoal. Tudo hoje é cortado, não tem mais horas extras ou ajuda para viagens. Com a virada do ano, a situação piorou muito. Triste foi cortar a ajuda para meus pais. Conseguia dar a eles R$ 600 por mês, agora só dou R$ 400. Neste Natal nem pensei em comprar nada de presente para eles.

   Mesmo com a queda na renda, dificilmente o Brasil deixará de ser considerado um país de alto desenvolvimento humano. Dos 188 países do ranking, os que ocupam as posições 50 a 105 — com índices entre 0,7 e 0,8 — têm essa classificação. Os melhores do ranking ocupam o grupo de muito alto desenvolvimento, com a Noruega figurando na primeira posição.

   MELHORA EM EXPECTATIVA DE VIDA E ANOS DE ESTUDO

   Além da renda, o IDH também leva em conta a expectativa de vida — como indicador de saúde — e média de anos de estudo e anos de escolaridade esperada como indicadores de educação. Nesses campos, o Brasil avançou.

   A expectativa de vida subiu de 74,2 para 74,5 anos: número de vários países da elite do IDH, o grupo de desenvolvimento humano muito alto. Na Noruega — o primeiro do ranking — a perspectiva é viver 81,6 anos. Realidade bem distante do pequeno país africano Lesoto, de baixo desenvolvimento humano, onde vive-se menos de 50 anos.

   A média de anos de estudo cresceu de 7,4 para 7,7 anos. Já a estimativa de escolaridade brasileira permaneceu em 15,2 anos pelo quinta edição seguida do ranking. O número está bem abaixo dos 20,2 anos de estudo da Austrália, o país com a maior previsão, mas igual à do Chile, que se encontra na lista dos países com desenvolvimento humano muito alto. No Níger, último do ranking do IDH, os estudantes têm a perspectiva de ficar apenas 5,4 anos na sala de aula.

   O IDH brasileiro está acima da média de 0,744 correspondente aos países do grupo de alto desenvolvimento e acima da média de 0,748 dos países da América Latina e do Caribe.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •       “O poder político é um jogo social. Neste jogo, nunca é demais repetir, não se julgam os atos pelas intenções mas pelos efeitos. Você deve aprender a julgar todas as coisas pelo preço que terá que pagar por elas. Use este critério para tudo, inclusive para saber se deve colaborar com outras pessoas ou correr em seu auxílio. Afinal, a vida é curta, as oportunidades são poucas, e sua energia tem limite. Neste sentido, o tempo é tão importante quanto qualquer outro fator. Não desperdice tempo valioso ou paz de espírito..."   (continua)


  •    Excelente fala do Mia Couto. "A guerra fria esfriou, mas o maniqueísmo que a sustentava não acabou, inventando rapidamente outras geografias do medo à oriente e ocidente. E porque se trata de entidades demoníacas, não basta mais intervenções com a moral de uma nação. Precisamos de intervenção com legitimidade divina...   (continua)


  •    Como os “donos do poder” procedem a manipulação e o controle da opinião pública? A chamada Psicologia Política sabe bem sobre estas estratégias muito utilizadas atualmente. Algumas publicações atribuem este texto a Chomsky. Um tema polêmico. Estejamos atentos! Aqui vai um resumo:   (continua)


  •    Colbert foi ministro de Estado e da economia do rei Luiz XIV. Mazarino era cardeal e estadista italiano que serviu como primeiro ministro na França. Notável coleccionador de arte e jóias, particularmente diamantes, deixou por herança os "diamantes Mazarino" para...   (continua)


  •    Impunidade. Esse é um dos maiores traços de união entre o Brasil de ontem e o Brasil de hoje. Em 1549, o velho Tomé de Souza, ao instalar o governo geral, deu forte demonstração de sua autoridade.   (continua)


  •     Bruno Lima Rocha via blog do Noblat
       O noticiário brasileiro é uma aula de economia política. Se analisarmos o modus operandi dos líderes de oligopólios (como telecomunicações, construção civil, serviços públicos terceirizados, dentre outros), veremos conceitos...   (continua)


  •  'Esta eleição tem sido dominada por medo e raiva', diz o psicólogo Gilberto Godoy, presidente da comissão de ética do Conselho Regional de Psicologia do DF; leia entrevista completa no link abaixo. Faltando poucos dias para o segundo turno das eleições de 2018, sentimentos negativos se acumulam na vida dos eleitores – qualquer que seja a posição ideológica. A pesquisa Datafolha do último dia 2 de outubro confirmou, em números, a impressão gerada pelas redes sociais, pelas conversas de bar e até pelos já temidos "grupos da família".   (continua)
    Link do G1:
    https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2018/10/14/eleicao-tem-sido-dominada-por-medo-e-raiva-diz-psicologo-leia-entrevista.ghtml


  • "Ainda que tenhamos aprendido com Maquiavel a ver a política como ela é, não podemos não nos indignar."
       Em 1992, quando George Bush, considerado imbatível pelo sucesso na política externa, foi derrotado por Bill Clinton, que teria se mostrado mais apto a gerir uma economia estagnada, James Carville, assessor-chefe de marketing do democrata, sentenciou: “É a economia, estúpido!” A partir daí...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília