Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Descoberto poema inédito de Fernando Pessoa

Enviado por Gilberto Godoy
descoberto-poema-inedito-de-fernando-pessoa

   Um poema inédito de Fernando Pessoa foi encontrado em um  "livro de autógrafos" com um manuscrito de do poeta na última página.

   A escritores como Fernando Pessoa, tem-se sempre a ideia de que já não há mais nada a descobrir sobre eles. Afinal, no caso do poeta português, já se passaram mais de 80 anos da morte. Depois de tantas pesquisas e achados, parecia que não haveria mais nenhuma obra do poeta  ainda oculta. Tal premissa foi derrubada duas vezes em um ano. Em julho do ano passado, uma caixa contendo  documentos e textos inéditos ou referentes ao poeta português foi encontrado em uma garagem  de uma casa  onde o poeta morou na infância na  África do Sul. Nela, além de inúmeras cartas, havia um livro inédito de Pessoa, intitulado “The poet of many faces”, contendo poemas em inglês escrito pelo poeta, organizados na década de 60  — e nunca publicado —  por um dos maiores biógrafos de Pessoa, o britânico Hubert Jennings, autor de “Os dois exílios: Fernando Pessoa na África do Sul” pulicado em 1984.

   Na caixa, contendo mais de 2000 documentos, havia  cartas de pessoas íntimas a Fernando Pessoa dentre elas uma escrita pela meia-irmã dele, Henriqueta Madalena Dias, enviada ao biógrafo   Jennings descrevendo a infância do poeta. Tais documentos, que estão na Universidade de Brown, em Prividence, nos Estados Unidos, são objetos de estudo.

   Nesta semana, o feito do poema inédito coube ao pesquisador brasileiro, o biógrafo brasileiro José Paulo Cavalcanti Filho,  autor de “ Fernando Pessoa, quase uma biografia” pulicado em  2011 pela Editora  Record. A  informação foi divulgada neste sábado (11) pelo jornal Folha de São Paulo. Cavalcanti havia comparado no ano passado um caderno de autógrafos contendo um manuscrito  de Fernando Pessoa cujo poema começava com o verso “Cada palavra dita é a voz de um morto”  — Verso já conhecido em rascunho e de uma publicação de   2015 em Portugal.

   A novidade é que o rascunho encontrado pelo biógrafo  brasileiro, além de ser uma versão na íntegra do poema  é anterior às versões já existentes, constituindo, assim,  uma obra inédita. Para verificar a veracidade do poema em questão, a Folha de São Paulo pediu a Jerónimo Pizarro, renomado pesquisador da obra  Fernando Pessoa de uma universidade colombiana  que  analisasse o documento. O pesquisador confirmou ser autêntica a caligrafia do poeta.


O poema

"Cada palavra dita é a voz de um morto.
Aniquilou-se quem se não velou
Quem na voz, não em si, viveu absorto.
Se ser Homem é pouco, e grande só
Em dar voz ao valor das nossas penas
E ao que de sonho e nosso fica em nós
Do universo que por nós roçou
Se é maior ser um Deus, que diz apenas
Com a vida o que o Homem com a voz:
Maior ainda é ser como o Destino
Que tem o silêncio por seu hino
E cuja face nunca se mostrou."

     Fonte: blog Palavras!

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O dia 31 de outubro, data em que Carlos Drummond de Andrade completaria mais um ano, o Instituto Moreira Salles propõe a criação do “Dia D”, dedicado ao poeta. Assim como o Bloomsday, que comemora em 16 de junho a vida e obra de James Joyce na Irlanda, este  seria dedicado a Drummond.   (continua)


  •    Segundo poema da série “Poemas musicados”, Circuladô de Fulô é um dos 15 textos que compõem Galáxias, de Haroldo de Campos. Foi o resultado de uma viagem que fez por várias cidades do Nordeste na volta de uns tempos na Europa. É o seu olhar sobre as…   (continua)


  •    O mundo inteiro é um palco, e todos os homens simples atores, com as suas saídas e entradas, com múltiplos papéis em atos que abrangem sete idades. Primeiro, temos a criancinha, choramingando e vomitando nos braços da ama. Segue-se o estudante resmungão, com a...   (continua)


  • Tem coisa mais boba na vida
    que chamar-se Pablo Neruda?
    Que vim fazer neste planeta?
    A quem dirijo esta pergunta?

    (continua)


  • "Todas as funções da alma estão perfeitas neste domingo.
    O tempo inunda a sala, os quadros, a fruteira.
    Não há um crédito desmedido de esperança
    Nem a verdade dos supremos desconsolos -
    (continua)


  • “A sombra azul da tarde nos confrange.
    Baixa, severa, a luz crepuscular.
    Um sino toca, e não saber quem tange
    é como se este som nascesse do ar.

    (continua)


  • O que nós vemos das cousas são as cousas.
    Por que veríamos nós uma cousa se houvesse outra?
    Por que é que ver e ouvir seria iludirmo-nos
    Se ver e ouvir são ver e ouvir?

    (continua)


  • Aqui está minha vida — esta areia tão clara
    com desenhos de andar dedicados ao vento.

    Aqui está minha voz — esta concha vazia,
    sombra de som curtindo o seu próprio lamento.

    (continua)


Copyright 2011-2017
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: iDev Web