Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Descoberto poema inédito de Fernando Pessoa

Enviado por Gilberto Godoy
descoberto-poema-inedito-de-fernando-pessoa

   Um poema inédito de Fernando Pessoa foi encontrado em um  "livro de autógrafos" com um manuscrito de do poeta na última página.

   A escritores como Fernando Pessoa, tem-se sempre a ideia de que já não há mais nada a descobrir sobre eles. Afinal, no caso do poeta português, já se passaram mais de 80 anos da morte. Depois de tantas pesquisas e achados, parecia que não haveria mais nenhuma obra do poeta  ainda oculta. Tal premissa foi derrubada duas vezes em um ano. Em julho do ano passado, uma caixa contendo  documentos e textos inéditos ou referentes ao poeta português foi encontrado em uma garagem  de uma casa  onde o poeta morou na infância na  África do Sul. Nela, além de inúmeras cartas, havia um livro inédito de Pessoa, intitulado “The poet of many faces”, contendo poemas em inglês escrito pelo poeta, organizados na década de 60  — e nunca publicado —  por um dos maiores biógrafos de Pessoa, o britânico Hubert Jennings, autor de “Os dois exílios: Fernando Pessoa na África do Sul” pulicado em 1984.

   Na caixa, contendo mais de 2000 documentos, havia  cartas de pessoas íntimas a Fernando Pessoa dentre elas uma escrita pela meia-irmã dele, Henriqueta Madalena Dias, enviada ao biógrafo   Jennings descrevendo a infância do poeta. Tais documentos, que estão na Universidade de Brown, em Prividence, nos Estados Unidos, são objetos de estudo.

   Nesta semana, o feito do poema inédito coube ao pesquisador brasileiro, o biógrafo brasileiro José Paulo Cavalcanti Filho,  autor de “ Fernando Pessoa, quase uma biografia” pulicado em  2011 pela Editora  Record. A  informação foi divulgada neste sábado (11) pelo jornal Folha de São Paulo. Cavalcanti havia comparado no ano passado um caderno de autógrafos contendo um manuscrito  de Fernando Pessoa cujo poema começava com o verso “Cada palavra dita é a voz de um morto”  — Verso já conhecido em rascunho e de uma publicação de   2015 em Portugal.

   A novidade é que o rascunho encontrado pelo biógrafo  brasileiro, além de ser uma versão na íntegra do poema  é anterior às versões já existentes, constituindo, assim,  uma obra inédita. Para verificar a veracidade do poema em questão, a Folha de São Paulo pediu a Jerónimo Pizarro, renomado pesquisador da obra  Fernando Pessoa de uma universidade colombiana  que  analisasse o documento. O pesquisador confirmou ser autêntica a caligrafia do poeta.


O poema

"Cada palavra dita é a voz de um morto.
Aniquilou-se quem se não velou
Quem na voz, não em si, viveu absorto.
Se ser Homem é pouco, e grande só
Em dar voz ao valor das nossas penas
E ao que de sonho e nosso fica em nós
Do universo que por nós roçou
Se é maior ser um Deus, que diz apenas
Com a vida o que o Homem com a voz:
Maior ainda é ser como o Destino
Que tem o silêncio por seu hino
E cuja face nunca se mostrou."

     Fonte: blog Palavras!

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •              Poema do período abolicionista feito por Castro Alves e reproduzido, parte musicalmente, por Caetano Veloso e Maria Bethânia.

    'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
    Brinca o luar — dourada borboleta;
    E as vagas após ele correm... cansam
    Como turba de infantes inquieta.
    (continua)


  • Sophia de Mello Breyner Andresen
    "Para enfrentarmos juntos o terror da morte
    Para ver a verdade para perder o medo
    Ao lado dos teus passos caminhei
    (continua)


  •    Nesse vídeo, a cantora diz o "Poema do menino Jesus", de Fernando Pessoa e, em seguida, canta "O doce mistério da vida". Post em homenagem a data de nascimento do grande poeta português. A dela foi ontem, 18 de junho.   "... a mim ensinou-me tudo. Ensinou-me a olhar para as coisas..."   (continua)


  • "Manhã de outono, noite de inverno:
    duas estações repartem ao meio, o dia.
    O fôlego renovado do vento faz dançar folhas órfãs.
    A força retocada do frio faz tremer nuas árvores.
    E, enquanto a noite suspira neblinas,
    estrelas pendem de cansaço e sono.
    (continua)


  •      Por Assis Ribeiro do site da Revista Bula via blog Luis Nassif Online
       Pedimos a 50 convidados — escritores, críticos, professores, jornalistas — que escolhessem os poemas mais significativos de autores brasileiros em todos os tempos. Cada participante poderia indicar entre um e dez poemas...   (continua)


  • "Os sapatos envelheceram depois de usados
    mas fui por mim mesmo aos mesmos descampados
    E as borboletas pousavam nos dedos de meus pés.
    As coisas estavam mortas, muito mortas,
    Mas a vida tem outras portas, muitas portas..."
    (continua)


  • “Não te amo como se fosse rosa de sal, topázio
    ou flecha de cravos que propagam o fogo:
    Te amo secretamente, entre a sombra e a alma...
    (continua)


  • "A criança que fui chora na estrada.
    Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
    Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
    Quero ir buscar quem fui onde ficou...
    Olá, minha criança! Vim buscar quem fui, onde ficou.
    Que bom te reencontrar... (continua)


Copyright 2011-2017
Todos os direitos reservados

Até o momento,  15374734 visitas.
Desenvolvimento: iDev Web