Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Descoberto poema inédito de Fernando Pessoa

Enviado por Gilberto Godoy
descoberto-poema-inedito-de-fernando-pessoa

   Um poema inédito de Fernando Pessoa foi encontrado em um  "livro de autógrafos" com um manuscrito de do poeta na última página.

   A escritores como Fernando Pessoa, tem-se sempre a ideia de que já não há mais nada a descobrir sobre eles. Afinal, no caso do poeta português, já se passaram mais de 80 anos da morte. Depois de tantas pesquisas e achados, parecia que não haveria mais nenhuma obra do poeta  ainda oculta. Tal premissa foi derrubada duas vezes em um ano. Em julho do ano passado, uma caixa contendo  documentos e textos inéditos ou referentes ao poeta português foi encontrado em uma garagem  de uma casa  onde o poeta morou na infância na  África do Sul. Nela, além de inúmeras cartas, havia um livro inédito de Pessoa, intitulado “The poet of many faces”, contendo poemas em inglês escrito pelo poeta, organizados na década de 60  — e nunca publicado —  por um dos maiores biógrafos de Pessoa, o britânico Hubert Jennings, autor de “Os dois exílios: Fernando Pessoa na África do Sul” pulicado em 1984.

   Na caixa, contendo mais de 2000 documentos, havia  cartas de pessoas íntimas a Fernando Pessoa dentre elas uma escrita pela meia-irmã dele, Henriqueta Madalena Dias, enviada ao biógrafo   Jennings descrevendo a infância do poeta. Tais documentos, que estão na Universidade de Brown, em Prividence, nos Estados Unidos, são objetos de estudo.

   Nesta semana, o feito do poema inédito coube ao pesquisador brasileiro, o biógrafo brasileiro José Paulo Cavalcanti Filho,  autor de “ Fernando Pessoa, quase uma biografia” pulicado em  2011 pela Editora  Record. A  informação foi divulgada neste sábado (11) pelo jornal Folha de São Paulo. Cavalcanti havia comparado no ano passado um caderno de autógrafos contendo um manuscrito  de Fernando Pessoa cujo poema começava com o verso “Cada palavra dita é a voz de um morto”  — Verso já conhecido em rascunho e de uma publicação de   2015 em Portugal.

   A novidade é que o rascunho encontrado pelo biógrafo  brasileiro, além de ser uma versão na íntegra do poema  é anterior às versões já existentes, constituindo, assim,  uma obra inédita. Para verificar a veracidade do poema em questão, a Folha de São Paulo pediu a Jerónimo Pizarro, renomado pesquisador da obra  Fernando Pessoa de uma universidade colombiana  que  analisasse o documento. O pesquisador confirmou ser autêntica a caligrafia do poeta.


O poema

"Cada palavra dita é a voz de um morto.
Aniquilou-se quem se não velou
Quem na voz, não em si, viveu absorto.
Se ser Homem é pouco, e grande só
Em dar voz ao valor das nossas penas
E ao que de sonho e nosso fica em nós
Do universo que por nós roçou
Se é maior ser um Deus, que diz apenas
Com a vida o que o Homem com a voz:
Maior ainda é ser como o Destino
Que tem o silêncio por seu hino
E cuja face nunca se mostrou."

     Fonte: blog Palavras!

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "O tempo presente e o tempo passado
    Estão ambos talvez presentes no tempo futuro
    E o tempo futuro contido no tempo passado
    Se todo o tempo é eternamente presente
    Todo o tempo é irredimível
    O que podia ter sido é uma abstração
    Permanecendo possibilidade perpétua
    Apenas num mundo de especulação..."
    (continua)


  • “Como imperfeito ator que em meio à cena
    O seu papel na indecisão recita,
    Ou como o ser violento em fúria plena
    A que o excesso de forças debilita;
    Também eu, sem confiança em mim, me esqueço
    No amor de os ritos próprios recitar...
    (continua)


  • "Se alguém bater um dia à tua porta,
    Dizendo que é um emissário meu,
    Não acredites, nem que seja eu;
    Que o meu vaidoso orgulho não comporta
    Bater sequer à porta irreal do céu... (continua)


  • "O que esperamos na ágora reunidos?
    É que os bárbaros chegam hoje.
    Por que tanta apatia no senado?
    Os senadores não legislam mais?
    É que os bárbaros chegam hoje...
    (continua)


  •    "Eu te peço perdão por te amar de repente
       Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos
       Das horas que passei à sombra dos teus gestos
       Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos...
       (continua)


  •     "Meu Senhor, tende piedade dos que andam de bonde
         E sonham no longo percurso com automóveis, apartamentos…
         Mas tende piedade também dos que andam de automóvel
         Quantos enfrentam a cidade movediça de sonâmbulos, na direção.
    ​     (continua)


  • "Desde os tempos distantes de criança
    Numa força sem par do pensamento,
    Tem sentido infinito e resultante
    Do que sempre será meu sentimento;
    Todo teu, todo amor e encantamento,
    Vertente, resplendor e firmamento...
    (continua)


  • "Porque entre o sim e o não é só um sopro,
    entre o bom e o mau apenas um pensamento,
    entre a vida e a morte só um leve sacudir de panos -
    e a poeira do tempo, com todo o tempo que eu perdi,
    tudo recobre, tudo apaga, tudo torna simples
    e tão indiferente."


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília