Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Ex libris

Enviado por Gilberto Godoy
ex-libris

    Ex libris é uma expressão latina que significa literalmente "dos livros", empregada para determinar a propriedade de um livro. Portanto, ex libris é um complemento circunstancial de origem (ex + caso ablativo) que indica que tal livro é "propriedade de" ou "da biblioteca de".

      A inscrição pode estar numa vinheta colada em geral na contra capa ou página de rosto de um livro para indicar quem é seu proprietário. A vinheta em geral contém um logotipo, brasão ou desenho e a expressão "Ex libris" seguida do nome do proprietário. É possível que contenha um lema, ou citação.
 
     Inscrições de propriedade em livros não eram comuns na Europa até ao século XIII, quando outras formas de biblioteconomia se tornaram comuns. No Brasil, o "ex-líbris" da Biblioteca Nacional foi criado em 1903 pelo artista Eliseu Visconti, responsável pela introdução do art-nouveau nas artes gráficas do País.
  
      A origem do ex libris é um pouco controversa: existem duas correntes. Uma diz que o primeiro a usar o ex libris foi Hildebrand Brandenburg de Biberach, com uma gravura em madeira representando um anjo a segurar um brasão de armas, por volta de 1480. Já a outra, afirma ser o mais antigo o do rei da Boemia, Georgis de Podebrady, falecido em 1471. No Brasil, no entanto, provavelmente o primeiro ex Libris pertenceu a Manuel de Abreu Guimaraens, que vivia na cidade de Sabará no século XVIII.

     Os ex libris podem ser: etiquetas sem desenhos, apenas com o nome do proprietário e algum ornamento; armoriados ou heráldicos, quando o motivo principal do desenho consiste em brasões ou insígnias de indivíduos, cidades, associações etc.; simbólicos, quando trazem imagens que traduzem idéias, lemas de vida, ocupações etc.; paisagísticos, quando reproduzem cenas rurais, urbanas, marinhas etc. ligadas afetivamente ao possuidor dos livros ou, ainda, mistos, que podem ser enquadrados em mais de uma das categorias anteriores.

     Existem registros que mostram um hábito curioso das bibliotecas monásticas do século XIV, em relação aos seus Ex libris:

     “Até o século XIV, usavam-se armários fechados com portas, e as obras costumavam ter ex-libris com inscrições em que se ameaçava com a pena de excomunhão, não só aos que furtavam ou encobriam o furto, como àqueles que raspavam ou faziam desaparecer o ex-libris da obra roubada. Quanto mais preciosa a obra, mais rigorosa a punição. Um livro do século XII, da abadia parisiense de Santa Genoveva, trazia por baixo do título a seguinte etiqueta: ‘Este livro é de Santa Genoveva. Quem quer que o furte, ou acoite, ou esta marca apague, excomungado seja!’. Em certo código do mosteiro de Marbaque, Alsácia, a fórmula de excomunhão enchia meia página. O ladrão era votado, sucessivamente, a todos os tormentos do inferno, condenado a mergulhar em lagos ardentes de alcatrão e enxofre e a ter a sorte de Judas, o traidor, para dar mais peso à punição fulminada.”

          Quando a marca de propriedade de um livro é gravada na encadernação, recebe o nome de super libris. Hoje em dia existem associações de colecionadores de Ex libris.

     Confira abaixo alguns ex libris de famosos e perceba que eles falam muito de seu proprietário:


 

  • Ex libris de Charles Chaplin
  • Ex libris de Walt Disney
  • Ex libris de Einstein
  • Ex libris de Freud

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •   Uma fantástica recordação dos anos 80. Músicas, desenhos, filmes, seriados, novelas, programas de TV, brinquedos, doces e muito mais. Muito bom, sobretudo pra quem viveu esta década de ouro, relembrar isto tudo.


  •    Imagens de 1976 que mostram o primeiro contato de um homem branco com uma tribo da Papúa Nova Guiné. A tribo chama-se Toulambi e as reações ao ver um homem branco são emocionantes. Coloquem-se na situação deles, pensando como seria ver...   (continua)


  •    Cada língua possui expressões próprias que, orgulhosamente, se apresentam como intraduzíveis em outros idiomas, recipientes de práticas culturais, hábitos, costumes perseguidos em anos e anos de história que...   (contnua)


  •    "Mesmo que não possamos adivinhar o tempo que virá, temos ao menos o direito de imaginar o que queremos que seja.  As Nações Unidas tem proclamado extensas listas de Direitos Humanos, mas a imensa maioria da humanidade não tem mais que os direitos de: ver, ouvir, calar.   (continua)

  •    Um relatório elaborado por Cynthia Quiroga, psicóloga colombiana (o cantor Carlos Gardel morreu em 1935 na colombiana Medellín), integrante da Universidade de Frankfurt (Alemanha, terra onde foi inventado o bandonenón) afirma que o tango eleva o desejo sexual. A Universidade recomenda o tango para casais com problemas de baixa testosterona.   (continua)


  •      Um ritual secular indiano determina que castas hindus consideradas inferiores devem rolar nos restos de alimentos consumidos por membros de uma casta superior. Mas nem é o próprio ritual que é estranho. A parte mais esquisita é que, enquanto ativistas sociais estão realmente buscando proibir a prática, os hindus de "baixa casta" não admitem parar de rolar nas sobras.   (continua)


  •    "Pina", documentário de Wim Wenders sobre a dançarina e coreógrafa alemã Pina Bausch (1940-2009), causou comoção em Berlim. Segundo filme em 3D exibido no festival neste domingoi(13), foi considerado por muitos jornalistas e críticos uma experiência emocionante e profunda. Exibido na seleção oficial sem concorrer ao Urso de Ouro, é um...   (continua)


  •    Moscow City Symphony "Russian Philharmonic", Phonograph Jazz Band. Conductor: Honoured Artist of Russia Sergey Zhilin, Soloists: Yuri Medyanik (bandoneon), Rodion Petrov (violin), Pair of dancers: Inna Svechnikova, Dmitry Chernysh.


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília