Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Frases revelam essência de Pablo Neruda

Enviado por Gilberto Godoy
frases-revelam-essencia-de-pablo-neruda

"Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, amo-te simplesmente sem problemas nem orgulho: amo-te assim porque não sei amar de outra maneira." 

"A pessoa certa é a que está ao seu lado nos momentos incertos." 

"A poesia tem comunicação secreta com o sofrimento do homem."
 
"A sombra é sempre negra, nem que seja de um cisne branco."
 
"A timidez é uma condição alheia ao coração, uma categoria, uma dimensão que desemboca na solidão."
 
"A verdade é que não há verdade."
 
"Ainda que esta seja a última dor que ela me causa, e estes sejam os últimos versos que eu lhe escrevo."
 
"Algum dia, em qualquer parte, em qualquer lugar indefectivelmente te encontrarás a ti mesmo, e essa, só essa, pode ser a mais feliz ou a mais amarga de tuas horas."
 
"Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, amo-te simplesmente sem problemas nem orgulho: amo-te assim porque não sei amar de outra maneira."
 
"Como para acercá-la minha alma a procura. Meu coração a procura, e ela não está comigo."
 
"Conhecer o amor dos que amamos é o fogo que alimenta a vida."
 
"É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar, esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque seus caminhos se desencontraram."
 
"É tão curto o amor, tão longo o esquecimento."
 
"É tão difícil as pessoas razoáveis se tornarem poetas, quanto os poetas se tornarem razoáveis."
 
"Ela me quis, as vezes eu também a queria: como não ter amado seus grandes olhos fixos."
 
"Em minha casa reuni brinquedos pequenos e grandes, sem os quais não poderia viver. O menino que não brinca não é menino, mas o homem que não brinca perdeu para sempre o menino que vivia nele e que lhe fará muita falta."
 
"Escrever é fácil. Você começa com uma letra maiúscula e termina com um ponto final. No meio você coloca idéias."

"Eu acreditava que o caminho passava pelo homem, e que dali tivesse que sair o destino."

"Já não se encantarão meus olhos nos teus olhos, já não se adoçará junto a ti a minha dor."

"Morre lentamente quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece."

"Nós, os de então, já não somos os mesmos."

"Num beijo, saberás tudo o que calei."

"O fogo para o grande ladrão, o cárcere para o que rouba um pão."

"O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido."

"O meu único personagem inesquecível foi a chuva."

"Os poetas odeiam o ódio e fazem guerra à guerra."

"Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela."

"Para que nada nos separe que nada nos una."

"Podem cortar todas as flores, mas não podem deter a primavera."

"Por que se me virá todo o amor inesperadamente quando me sinto triste e te sinto longínqua."

"Porque em noites como esta a tive entre meus braços, minha alma não se contenta com tê-la perdido."

"Posso escrever os versos mais tristes esta noite. Pensar que não a tenho. Senti que a perdi."

"Que importa que meu amor não pudesse aguardá-la. A noite está despedaçada, e ela não está comigo."

"Refugiei-me na poesia com ferocidade de tímido."

"Se me perguntam o que é minha poesia devo dizer-lhes não sei; mas se perguntam à minha poesia, ela lhes dirá quem sou eu."

"Semeemos a planície antes de arar a terra."

"Sentir o carinho dos que não conhecemos, dos desconhecidos que estão velando nosso sonho e nossa solidão, nossos perigos ou nossos desfalecimentos, é uma sensação ainda maior e mais bela, porque estende nosso ser e abarca todas as vidas."

"Só com uma ardente paciência conquistaremos a esplêndida cidade que dará luz, justiça e dignidade a todos os homens. Assim a poesia não terá cantado em vão."

"Só um louco pode desejar guerras. A guerra destrói a própria lógica da existência humana."

"Sofre mais aquele que espera sempre do que aquele que nunca esperou a ninguém?"

"Um homem só encontra a mulher ideal quando olhar no seu rosto e ver um anjo e, tendo-a nos braços, ter as tentações que só os demônios provocam..."

* Pablo Neruda (Parral, 12 de Julho de 1904 — Santiago, 23 de Setembro de 1973) foi um poeta chileno, bem como um dos mais importantes poetas da língua castelhana do século XX.


     Fonte: Por Marcia No Brasil Wiki via blog Luis Nassif Online

Comentários

  • por: Regina soto em sábado, 5 de maio de 2012
    "Estou faminto de teu riso resvalado" "e faminto venho e vou olfateando o crepúsculo buscando-te, buscando teu coração ardente"

Também recomendo

  •    Como é rico o nosso país em cultura. As poesias regionais são magniíficas. Vejam o lindo vídeo do gaúcho Jayme Caetano Braun. Ele mostra o querido Rio Grande.  Jayme sonhava em ser médico mas se tornou um autodidata nos assuntos da cultura sulina.   (continua)


  • “Não acabarão nunca com o amor,
    nem as rusgas,
    nem a distância.
    Está provado,
    pensado,
    verificado...
    (continua)


  • "Até agora, a maior metade atravessei
    desta vida flutuante – eis a palavra mágica:
    pois nos veda provar alegrias além
    do que podemos ter! A metade da vida...
    (continua)


  • Escrevo cartas, bilhetes, lista de compras,
    composição escolar narrando o belo passeio
    à fazenda da vovó que nunca existiu
    porque ela era pobre como Jó.
    Mas escrevo também coisas inexplicáveis:
    quero ser feliz, isto é amarelo.
    E não consigo, isto é dor.
    (continua)


  •    Poeta, contista e romancista Henry Charles Bukowski Jr. é considerado o último escritor maldito da literatura norte-americana. Nasceu na Alemanha, mas se mudou para os Estados Unidos aos 3 anos. Bukowski começou a escrever poesias aos 15 anos mas seu primeiro livro...   (continua)


  •              Poema do período abolicionista feito por Castro Alves e reproduzido, parte musicalmente, por Caetano Veloso e Maria Bethânia.

    'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
    Brinca o luar — dourada borboleta;
    E as vagas após ele correm... cansam
    Como turba de infantes inquieta.
    (continua)


  • Sophia de Mello Breyner Andresen
    "Para enfrentarmos juntos o terror da morte
    Para ver a verdade para perder o medo
    Ao lado dos teus passos caminhei
    (continua)


  •     Poema do "poeta dos escravos" Antonio Frederico de Castro Alves (1847-1871), declamado pelo ator Paulo Paquet Autran (1922-2007)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília