Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Indianos rolam em restos de comida para curar doenças

Enviado por Gilberto Godoy

     Um ritual secular indiano determina que castas hindus consideradas inferiores devem rolar nos restos de alimentos consumidos por membros de uma casta superior. Mas nem é o próprio ritual que é estranho. A parte mais esquisita é que, enquanto ativistas sociais estão realmente buscando proibir a prática, os hindus de "baixa casta" não admitem parar de rolar nas sobras.

     O ritual, chamado Madey Snana (Banho de Cuspe) é específico para o estado de Karnataka, durante um evento anual no famoso templo de 4.000 anos de idade, Kukke Subramanya, no distrito costeiro de Mangalore. Ele também é seguido no templo Sri Krishna na cidade de Udupi. Como parte do ritual Snana, os dalits (membros de uma casta inferior) devem rolar sobre restos de comida dos brâmanes (casta superior) a cada ano, na crença de que todos os seus problemas vão desaparecer e que doenças serão curadas. Isto é praticado todos os anos no festival de Champa Shasti. Só no ano passado, 25 mil pessoas rolaram nos restos dos brâmanes. Isso aconteceu mesmo com a proibição da administração do distrito que assistiu a tudo impotente.

     De acordo com organizações de assistência social, o ritual Snana é desumano e inaceitável.  - "Se ele pode curar doenças de forma eficaz, o governo do estado deve fechar todas as faculdades de medicina e hospitais", comentou sarcasticamente Panditaradhya Shivacharya Swami, porta-voz de uma dessas ONGs. - "Esse mal não é menor do que a tradição de Sati (a prática proibida de queimar viúvas nas piras funerárias dos maridos) e do casamento infantil, e o governo deve agir severamente contra isso", disse ele.

     O ministro da Previdência Social A. Narayanaswamy, também um dalit, está furioso com a prática: - "Ela promove a intocabilidade", disse ele. - "Eu não me importo qual casta rola sobre os restos da outra. Independentemente se são brâmanes ou castas inferiores que fazem o rolamento, a prática é nojenta e passa longe da ciência. O departamento de bem-estar social vai formalmente recomendar aos muzrai (templos), que proibam esta coisa sem sentido", disse ele no ano passado.

     Apesar de todos os esforços e da proibição anunciada pelo comissário do distrito, Chennappa Gowda, um dia antes do Madey Snana, as coisas tomaram um rumo para o pior. O comissário foi forçado a suspender a proibição depois de forte pressão dos próprios dalits e do governo. Uma seção especial dos dalits, chamada de Malekudiyas, insistiu que eles sejam autorizados a praticar a sua tradição ancestral. Eles ameaçaram que, se não fossem, não tomariam parte em qualquer um dos eventos programados no templo durante o festival. Logo depois que um ativista social foi espancado por protestar contra a prática, a proibição teve que ser retirada e os devotos autorizados a exercer o seu ritual.

     Uma explicação para a o bizarro Snana é dada por um dos seus crentes, um astrólogo famoso na índia chamado Kabyadi Jayarama Acharya. Segundo ele, o Snana não tem nada a ver com distinção de castas.

     - "Os brâmanes que comem lá são considerados os representantes do próprio Subramanya, e sua saliva é a do Senhor. Quando eu tinha 16 anos, eu rolei no alimento e minha doença de pele foi curada para sempre. De acordo com a lenda, Samba, o filho de Krishna foi curado da lepra depois de rolar sobre as sobras, como indicado no Skanda Purana (um texto antigo). Todas as castas rolam em comida e acreditam que seus problemas serão resolvidos. É uma solução psico-terapêutica, que também tem as suas raízes no Ayurveda. Não deve ser banido sem alguma base científica", disse ele.

     Ativistas, no entanto, são rápidos em descartar esta teoria que associa o Snana ao Ayurveda, lhe dando uma falsa conotação científica. Rolar em resto de comida não é nada mais que uma afronta à dignidade da vida humana. Enquanto isso continua o debate sobre a necessidade de um ritual escabroso como esse. A única maneira de que seja banido de uma vez por todas é que as pessoas que o praticam sejam convencidas que o ritual não resolve problemas e nem cura doenças para além do efeito placebo. Mas para matar esta fé é preciso esclarecimento e cultura, de forma que essa gente deve continuar rolando no resto de comida dos outros por muito tempo.

     Fonte: India Today. via MetamorfoseDigital 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    "Mesmo que não possamos adivinhar o tempo que virá, temos ao menos o direito de imaginar o que queremos que seja.  As Nações Unidas tem proclamado extensas listas de Direitos Humanos, mas a imensa maioria da humanidade não tem mais que os direitos de: ver, ouvir, calar.   (continua)

  •    Um relatório elaborado por Cynthia Quiroga, psicóloga colombiana (o cantor Carlos Gardel morreu em 1935 na colombiana Medellín), integrante da Universidade de Frankfurt (Alemanha, terra onde foi inventado o bandonenón) afirma que o tango eleva o desejo sexual. A Universidade recomenda o tango para casais com problemas de baixa testosterona.   (continua)


  •    "Pina", documentário de Wim Wenders sobre a dançarina e coreógrafa alemã Pina Bausch (1940-2009), causou comoção em Berlim. Segundo filme em 3D exibido no festival neste domingoi(13), foi considerado por muitos jornalistas e críticos uma experiência emocionante e profunda. Exibido na seleção oficial sem concorrer ao Urso de Ouro, é um...   (continua)


  •    Moscow City Symphony "Russian Philharmonic", Phonograph Jazz Band. Conductor: Honoured Artist of Russia Sergey Zhilin, Soloists: Yuri Medyanik (bandoneon), Rodion Petrov (violin), Pair of dancers: Inna Svechnikova, Dmitry Chernysh.


  •    Ao longo de toda a existência, o homem sempre buscou formas de perpetuar o seu conhecimento e transmiti-lo a gerações futuras. O que seria da história ou do conhecimento se os episódios e vicissitudes da humanidade não estivessem escritos e armazenados em algum lugar? Simplesmente seriam fatos que...   (continua)


  •    Eu sou uma contadora de histórias e gostaria de contar a vocês algumas histórias pessoais sobre o que eu gosto de chamar "o perigo de uma história única". Eu cresci num campus universitário no leste da Nigéria. Minha mãe diz que eu comecei a ler com dois anos, mas eu acho que quatro é provavelmente mais próximo da verdade. Então...   (continua)


  •    O crash da bolsa em 1929, que resultou na Grande Depressão, tornou-se o maior desastre econômico no mundo industrial. Em 1931, as ações valiam apenas 20% do valor nominal de 1929, a produção industrial caiu pela metade, um em cada quatro estava desempregado. Em 1935, metade dos bancos...   (continua)


  •    Ex libris é uma expressão latina que significa literalmente "dos livros", empregada para determinar a propriedade de um livro. Portanto, ex libris é um complemento circunstancial de origem (ex + caso ablativo) que indica que tal livro é "propriedade de" ou "da biblioteca de". A inscrição pode estar...   (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília