Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Leonardo Boff - Sangue da libertação

Enviado por Gilberto Godoy

     Leonardo Boff, pseudônimo de Genézio Darci Boff (Concórdia, 14 de dezembro de 1938), é um teólogo brasileiro, escritor e professor universitário, expoente da Teologia da Libertação no Brasil. Foi membro da Ordem dos Frades Menores, mais conhecidos como Franciscanos. É respeitado pela sua história de defesa pelas causas sociais e atualmente debate também questões ambientais.
 
     Leonardo Boff ingressou na Ordem dos Frades Menores em 1959 e foi ordenado sacerdote em 1964. Em 1970, doutorou-se em Filosofia e Teologia na Universidade de Munique, Alemanha. Ao retornar ao Brasil, ajudou a consolidar a Teologia da Libertação no país. Lecionou Teologia Sistemática e Ecumênica no Instituto Teológico Franciscano em Petrópolis (RJ) durante 22 anos. Foi editor das revistas Concilium (1970-1995) (Revista Internacional de Teologia), Revista de Cultura Vozes (1984-1992) e Revista Eclesiástica Brasileira (1970-1984).
 
     Seus questionamentos a respeito da hierarquia da Igreja, expressos no livro Igreja, Carisma e Poder, renderam-lhe um processo junto à Congregação para a Doutrina da Fé, então sob a direção de Joseph Ratzinger, hoje Papa Bento XVI. Em 1985, foi condenado a um ano de "silêncio obsequioso", perdendo sua cátedra e suas funções editoriais no interior da Igreja Católica. Em 1986, recuperou algumas funções, mas sempre sob severa vigilância. Em 1992, ante nova ameaça de punição, desligou-se da Ordem Franciscana e pediu dispensa do sacerdócio. Sem que esta dispensa lhe fosse concedida, uniu-se, então, à educadora popular[1] e militante dos direitos humanos Márcia Monteiro da Silva Miranda, divorciada e mãe de seis filhos. Boff afirma que nunca deixou a Igreja: "Continuei e continuo dentro da Igreja e fazendo teologia como antes", mas deixou de exercer a função de padre dentro da Igreja,.[2][3]
 
     Sua reflexão teológica abrange os campos da Ética, Ecologia e da Espiritualidade, além de assessorar as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e movimentos sociais como o MST. Trabalha também no campo do ecumenismo. Em 1993 foi aprovado em concurso público como professor de Ética, Filosofia da Religião e Ecologia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde é atualmente professor emérito.
 
     Foi professor de Teologia e Espiritualidade em vários institutos do Brasil e exterior. Como professor visitante, lecionou nas seguintes instituições: de Universidade de Lisboa (Portugal), Universidade de Salamanca (Espanha), Universidade Harvard (EUA), Universidade de Basel (Suíça) e Universidade de Heidelberg (Alemanha). É doutor honoris causa em Política pela universidade de Turim, na Itália, em Teologia pela universidade de Lund na Suécia e nas Faculdades EST – Escola Superior de Teologia em São Leopoldo (Rio Grande do Sul). Boff fala fluentemente alemão.
 
     Sua produção literária e teológica é superior a 60 livros, entre eles o best-seller A Águia e a Galinha. A maioria de suas obras foram publicadas no exterior. Atualmente, viaja pelo Brasil dando palestras sobre os temas abordados em seus livros e também em encontros da Agenda 21. Vive em Petrópolis (RJ) com a educadora popular Márcia Miranda.

     Em 2010 a Casa da Cultura Brasília teve o privilégio de viabilizar sua vinda a Brasília para uma palestra. Pude conviver e discutir filosofia e ética durante um final de semana, o que foi muito engrandecedor. Agradeço a minha amiga Bárbara Bastos esta realização, ao Frei Leonardo Boff e sua Márcia.

 

Comentários

  • por: joão carmelino dos santos filho em segunda-feira, 5 de setembro de 2011
    Caro Gilberto, ouso discorrer e até mesmo discordar de parte do sentido das palavras do Boff, mesmo porque o seu curriculum não o imuniza de algumas críticas. Preliminarmente, entendo que não está restrito aos bons teólogos momentos de ateismo, quando comparam o significado de Deus com a realidade miserável da populção, incluindo catástrofes humanas. Todos nós passamos e vivemos essas indagãções. Desconfio, também, do conceito de fé como uma aposta na prórpia existência de Deus, penso que não somos miseravelmente tão convenientes. A fé, para mim, é uma construção no âmbito da existência de Deus que nos faz transcender a existência humana. Fora, penso, não há fé, e esta se fortalece quando deixamos de duvidar, e assim não creio seja ela mesma uma aposta. Como poderia imaginar a vida eterna, enquanto uma aposta. Não creio seja possível, sem a cicatriz do acreditar sempre: fé, então, meu caro Gil, chama-se isso. Por último, quando morrer, ou quando quase morrer, não quero dúvidas, desejaria o exercício de minha fé na existência da vida eterna. Jõão.

Também recomendo

  •    Entrevista concedida ao escritor e professor Augusto Sérgio Bastos, em 6 de junho de 1871, no Palacete do Sodré, em Salvador, Bahia. Castro Alves morreria um mês depois. Augusto Sérgio Bastos - Antônio Frederico de Castro Alves foi um dos maiores poetas brasileiros. Nasceu em...   (continua)



  •      Trechos da entrevista com Marcelo Gleiser, no documentário EU MAIOR. Ele fala sobre autoconhecimento, ciência, fé, Deus, liberdade, busca da felicidade etc.


  •      Isabel "Bebel" Gilberto de Oliveira (Nova Iorque, 12 de maio de 1966) é uma cantora brasileira nascida nos Estados Unidos. Muitas vezes associada à bossa nova, Bebel Gilberto é filha de João Gilberto e da cantora Miúcha, e sobrinha de Chico Buarque. Isto por si só já bastaria pra ela nascer encantando! Não é à toa que a moça é um fenômeno no exterior. Recomendo assistirem o vídeo do post.  (continua)


  •    Antônio Cicero Correia Lima nasceu no Rio de Janeiro em 1945. É um compositor, poeta, crítico literário, filósofo e escritor brasileiro. É filho dos piauienses Amélia Correia Lima e Ewaldo Correia Lima. Seu pai foi um dos intelectuais fundadores do Instituto Superior de Estudos Brasileiros. Antonio Cicero escreve poesia desde jovem...   (continua)


  •    Autor de obras que indagam as fontes de frustração do homem atual, filósofo e romancista Pascal Bruckner vem ao Brasil para palestras. Ele fala à Folha não só de como paixões são antídoto para a angústia diante do inatingível, como a felicidade e o amor perfeito, mas também de política, outro tema de seu interesse.   (continua)


  •    Milton Nascimento (Rio de Janeiro, 26 de outubro de 1942) é um cantor e compositor brasileiro, reconhecido mundialmente como um dos mais influentes e talentosos cantores e compositores da MPB. (Um dos meus preferidos). Conhecido também pelo apelido de Bituca, filho de...   (continua)


  •    Allen Frances, diz entre outras coisas que: "Não soubemos nos antecipar ao poder dos laboratórios de criar novas doenças." ... graças àqueles que lhes permitiram fazer publicidade de seus produtos, os laboratórios estão enganando o público, fazendo acreditar que os problemas se resolvem com comprimidos. Mas não é simples assim."   (continua)


  •    Uma entrevista que emocionou o Jô Soares e fez a plateia aplaudir de pé. Clóvis de Barros Filho, professor de ética na USP, conta como descobriu sua paixão profissional, aos 13 anos de idade, em uma aula na escola. Clóvis explica esse sentimento de realização quando fazemos o que amamos.   (Veja vídeo em Post Completo)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília