Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Não é relativo?! E agora Einstein?

Enviado por Gilberto Godoy
nao-e-relativo---e-agora-einstein-


     Resultados da experiência OPERA, no CERN surpreendem cientistas ao indicarem que neutrinos podem viajar mais rápido que a luz. Resultados que podem pôr em causa Teoria da Relatividade de Einstein.

     Caso o evento seja confirmado por outros cientistas, a física terá, praticamente, de ser reinventada.

     Os novos resultados surgem da experiência OPERA, onde os cientistas têm vindo a estudar neutrinos – partículas elementares da matéria – e a partir dos quais verificaram que estas partículas viajaram a uma velocidade superior à velocidade da luz.

     Os investigadores indicam que observaram quase 15 mil eventos de neutrinos que viajaram entre o CERN, em Genebra, e o Laboratório Gran Sasso, em Itália – um percurso de 730 quilómetros de distância.

     Inesperadamente para os cientistas, os resultados revelaram que os neutrinos viajaram a uma velocidade de 300.006 quilómetros/segundo, ou seja, 6 quilómetros/segundo a mais do que a velocidade da luz.

     Um resultado que constitui agora um problema para os cientistas, já que pode por em causa a Teoria da Relatividade de Albert Einstein. Recorde-se que Einstein defendia o princípio de que nenhuma partícula é mais rápida do que a luz. Um princípio que é agora contradito pelos novos resultados da experiência OPERA, do CERN.

     "Este resultado surge como uma completa surpresa", afirma Antonio Ereditato da Universidade de Berna e porta-voz da experiência OPERA, citado em comunicado do CERN e acrescenta que «o potencial impacto na ciência é demasiado grande para tirar conclusões imediatas ou tentar fazer interpretações físicas».

     O especialista explica que «após muitos meses de estudos e cruzamento de dados não encontrámos nenhum efeito instrumental que possa explicar o resultado das medições. Enquanto os investigadores da OPERA vão continuar os seus estudos, nós também continuamos a procurar medições independentes para avaliar a natureza desta observação».

     Os cientistas colocaram agora os resultados à disposição da grande comunidade de físicos de partículas mundial, na expectativa de encontrar uma explicação para o fenómeno.

     "Quando uma experiência descobre um resultado aparentemente inacreditável e não se encontra nenhum artefacto da medição que contribua para isso, o procedimento normal é convidar bons especialistas científicos", refere Sergio Bertolucci, Diretor de Investigação do CERN.

     "Se estas medições se confirmarem, pode alterar a nossa visão da física, mas temos de ter certeza que não existe qualquer outra explicação, mais mundana" e "isso exige medições independentes", acrescenta.

     Antes dos resultados serem anunciados, os investigadores realizaram uma série de medições de alta precisão e indicam que a distância entre a origem do neutrino e a OPERA foi medida com uma incerteza de 20 centímetros ao longo de 730 quilómetros de caminho e o tempo de voo dos neutrinos foi determinado com uma precisão de menos de 10 nanosegundos, ao utilizarem instrumentos sofisticados incluindo os sistemas GPS e relógios atómicos.

     Dario Autiero, investigador do Centro Nacional de Investigação Científica francês e um dos investigadores da experiência OPERA explica que "apesar das nossas medições terem uma incerteza sistemática baixa e grande precisão estatística, colocamos uma grande confiança nos nossos resultados», mas «estamos a tentar compará-los com os de outras experiências".

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •      Stephen Hawking fala sobre questões do universo. Mistérios...


  •      Até agora as ecografias nos proporcionavam uma informação limitada sobre o sexo do feto, pois nas primeiras semanas de gravidez os órgãos sexuais do feto ainda não estão desenvolvidos. Isto pode mudar graças a um teste desenvolvido por uma equipe de cientistas da empresa espanhola MyGEN.   (continua)


  •      Buscar a possibilidade no impossível é apenas uma questão de tempo, de acordo com Dmitry Itskov e as pessoas envolvidas em seu projeto chamado Rússia 2045. Ainda que pareça uma coisa megalomaníaca, eles esperam recriar toda uma civilização nova com a ajuda da transferência de personalidades dos seres humanos depois que seus corpos morrem para avatares androides.  (continua)


  •    Editora do "British Medical Journal" sugere maior transparência nos estudos científicos. Fiona Godlee é, desde 2005, editora-chefe do British Medical Journal (BMJ), uma das mais antigas e respeitadas publicações científicas do mundo, fundada em 1840.   (continua)


  •    Ciência realmente exige criatividade e pesquisadores dispostos a quase tudo! O professor Thomas Parnell iniciou em 1927 um experimento científico que ainda está em curso quase 90 anos depois, 'a experiência da gota de piche'. Seu objetivo era demonstrar que o piche, ainda que nos pareça um sólido, é em realidade um líquido extremamente viscoso.  (continua)


  •    Desde que foi possível à humanidade saber mais sobre a existência de outros planetas e galáxias, sempre quisemos responder a esta questão. Sabemos que há muitos planetas no Universo, mas poucos com propriedades similares às que temos na Terra.   (continua)


  •    Uma amostra de DNA encontrada em Sima de los Huesos, uma sítio geológico localizado na serra de Atapuerca, no norte de Espanha, foi analisada por pesquisadores que determinaram que se trata do material genético mais antigo desta classe ao que tivemos acesso, pois data de 430.000 anos.   (continua)


  •    Algumas descobertas científicas da humanidade são feitas sem que o descobridor tenha tido a ideia ou objetivo inicial de fazê-las. Em post completo veja 10 exemplos interessantes.


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília