Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Novac Djokovic, um fenômeno do tênis

Enviado por Gilberto Godoy
novac-djokovic--um-fenomeno-do-tenis


     Novak Djokovic, (Belgrado, 22 de maio de 1987) é um tenista profissional sérvio. Seus apelidos são Nole e Djoker. Começou a jogar tênis aos quatro anos de idade, e fez sua estreia profissional aos 16. Seus pais, Srđan e Dijana, têm uma pizzaria-creperia nas montanhas da Sérvia há quinze anos. Seu tio, seu pai e sua tia foram esquiadores profissionais e seu pai também foi um excelente jogador de futebol. A paixão da família pelo esporte sempre lhe deu muito apoio e ânimo na hora de escolher a carreira esportiva. Seus irmãos mais novos, Marko e Đorđe, estão ainda na escola, e ambos jogam tênis. Seu ídolo sempre foi Pete Sampras.
 
     Com doze anos, treinou na escola de Niki Pilic em Munique, na qual permaneceu até aos catorze. Fala sérvio, alemão, inglês e italiano. Seu treinador é o eslovaco Marián Vajda. Sua superfície favorita é o cimento, mas se considera como um jogador polivalente em todos os tipos de quadras. Sua jogada de mestre é o forehand paralelo.
 
     Djokovic também é conhecido no circuito pelas suas inúmeras imitações de tenistas famosos, como Maria Sharapova, Roger Federer e Rafael Nadal.

     Em 2003, Đoković ganhou seu primeiro título como promessa do tênis na Sérvia e Montenegro ao derrotar Ferrer-Victoria. Também chegou a duas semifinais nesses torneios e obteve um registro de dez vitórias e cinco derrotas. No ano seguinte, disputou dois torneios de promessas em fevereiro, chegando às semifinais em um deles.
 
     Estreou na Copa Davis contra a Letônia e derrotou Skroderis. Ganhou o torneio de promessas de Szolnol na Hungria, após vencer Tkalec. Seu primeiro título de Challenger foi conquistado em Budapeste, ao vencer Bracciali. Perdeu na primeira etapa no torneio da ATP de Umag, enfrentando Volandri. Ganhou outro torneio de promessas em Belgrado, após vencer Cipolla. Sua primeira vitória em uma partida da ATP foi em Bucareste, contra Clement. Também ganhou o Challenger de Aachen contra Burgsmüller. Em duplas, ganhou um título de jovens promessas e chegou às semifinais em um Challenger. Terminou a temporada de 2005 entre os cem primeiros.
 
     Estreou no Aberto da Austrália com derrota para Marat Safin. Em março desse ano, ganhou algumas partidas na Copa Davis contra o Zimbábue, enfrentando Chidzikwe e Mahefu. Um mês depois, perdeu outras duas partidas da Copa Davis para a Bélgica, enfrentando C. Rochus e Vliegen. Ganhou sua primeira partida de um Grand Slam em Roland-Garros contra Robby Ginepri, mas abandonou na segunda etapa quando jogava contra Guillermo Coria, por problemas respiratórios.
 
     Em Wimbledon, chegou à terceira etapa, após derrotar Juan Mónaco e García-López, e perdeu para Sébastien Grosjean. Estreou no Masters Series de Cincinnati, perdendo para Fernando González. No Aberto dos Estados Unidos, ganhou de Gaël Monfils e de Mario Ančić, mas perdeu na terceira etapa para Fernando Verdasco em cinco sets. No Masters de Paris, também chegou à terceira etapa, ganhando de Victor Hănescu e Mariano Puerta e perdendo para o espanhol Tommy Robredo.
 
     No US Open 2007, chegou às finais, perdendo por 3 sets a 0, com parciais de 7-6 (7-4), 7-6 (7-2) e 6-4 para o suíço Roger Federer. Em 2007 conquistou os seguintes títulos: Master Series de Montreal, ATP Estoril e Viena, Master Series de Miami e ATP Viena, este também é o seu ano de estréia na Tennis Masters Cup (torneio que reúne os oito melhores da temporada).Foi no ATP Estoril que Novak recebeu o prémiu das maus de Eusebio Ferreira, e logo a seguir foi a correr buscar a camisola do Sport Lisboa e Benfica para o "Pantera Negra" assinar. Sendo Novak um fã do Benfica.D

     Djokovic venceu seu primeiro torneio do Grand Slam no Aberto da Austrália de 2008, vencendo o francês Jo-Wilfried Tsonga na final por 4-6, 6-4, 6-3, 7-6[2]. No primeiro semestre de 2008, também ganhou o Masters Series de Indian Wells, derrotando Rafael Nadal na semifinal, e o Masters Series de Roma, além de ter sido semifinalista nos Masters de Monte Carlo e Hamburgo e em Roland Garros. Já no segundo semestre, foi vice-campeão do Masters de Cincinnati, ganhou o bronze olímpico em Pequim, chegou à semifinal do US Open e obteve o título da Masters Cup.
 
     Em 2009, foi às quartas-de-final do Aberto da Austrália, ganhou o ATP 500 de Dubai, foi finalista do Masters de Miami, Monte Carlo e Roma em sequência, campeão do ATP de Belgrado, quadrifinalista de Wimbledon, finalista do Masters de Cincinnati, semifinalista do US Open, campeão do ATP de Pequim, chegou à semifinal do Masters de Shanghai, ganhou o ATP de Basel e o Masters de Paris.
 
     Em 2010, Djokovic foi às quartas-de-final do Aberto da Austrália e de Roland Garros; foi à semifinal de Wimbledon, do Masters 1000 do Canadá, de Monte Carlo e de Shanghai, e do ATP 500 de Rotterdam; foi à final do Open dos Estados Unidos e do ATP 500 de Basel; além de ganhar o ATP 500 de Dubai e o ATP 500 de Pequim. No final do ano, levou seu país, a Sérvia ao título da Copa Davis junto com Viktor Troicki, Janko Tipsarevic e Nenad Zimonjic ao derrotar a França por 3 a 2.
 
     Em 2011, Djokovic mostrou grande evolução e crescimento. Em janeiro de 2011, venceu o Open da Austrália de forma contundente, ao perder apenas 1 set em 7 jogos, eliminando Roger Federer na semifinal e Andy Murray na final. O sérvio também foi campeão dos Masters 1000 de Indian Wells e Miami seguidamente: no primeiro, derrotando Roger Federer e Rafael Nadal, no segundo, derrotando novamente o nº1 do mundo, Nadal, na final. Ganhou o ATP 250 de Belgrado, sua terra natal, e depois venceu em seguida os Masters 1000 de Madrid e Roma, ambos disputados em saibro, derrotando Rafael Nadal nas duas finais. Perdeu a primeira partida do ano somente em Roland Garros, na semifinal contra Roger Federer, acabando assim sua invencibilidade de 41 vitórias seguidas no ano (e 43 no total, considerando as duas últimas de 2010).
 
     Em 1 de julho de 2011, Novak Djokovic assegurou os pontos necessários para tornar-se o número 1 do mundo no ranking divulgado em 4 de julho de 2011, ao vencer Jo-Wilfried Tsonga na semifinal de Wimbledon. Derrotando Rafael Nadal na final, tornou-se o primeiro sérvio a vencer o torneio e liderar o ranking. É o 25º tenista a tornar-se número 1 na Era Profissional.
 
     Após Wimbledon 2011, venceu também o Masters 1000 do Canadá, e em agosto chegou à final do Masters 1000 do Cincinnati, abandonando o jogo devido ao cansaço físico acumulado na temporada. Foi apenas a 2ª derrota de Djokovic no ano, tendo obtido 9 títulos.

     Hoje sagrou-se pela primeira vez campeão do US Open vendendo Rafael Nadal em um jogo histórico. E o caminho não vai parar por aí. O cara é um "monstro". Viva Djoker.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •      Para quem gosta de corridas automobilísticas. Uma última volta pra ficar na história do automobilismo. Realmente incrível!


  •    A promessa se chama Kwe'shaun Parker, e não é por acaso que ele vem sendo comparado a Michael Jordan. Ele tem 1,88 metros, relativamente baixo para o esporte, praticamente voa no campeonato colegial de basquete e deve logo estrear no universitário. Ainda que uma bandeja renda...   (continua)


  •    Quando ganhou um game no terceiro set contra Roger Federer na final do US Open em 2017, Novak Djokovic comemorou com o dedo na cabeça, apontando para sua principal aliada: a "força mental". Essa força, segundo ele, começou a crescer ainda na infância.   (continua)


  •    A capacidade de realização que o norte-americano tem é algo que outros países só conseguem imitar. Não sei se os inglêses atingem o mesmo nível, mas neste país, há clubes e encontros para tudo. Qualquer interesse, hobby ou paixão ganha um grupo, uma associação...   (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília