Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O assassinato de reputações - Carlos Castilho

Enviado por Gilberto Godoy
o-assassinato-de-reputacoes---carlos-castilho

     O jornalismo está sendo colocado diante de um novo e pra lá de complexo dilema. Trata-se do delicado problema da gestão de reputações pessoais e institucionais na internet, uma área da comunicação pública que passou a ser considerada estratégica pelos principais organismos de segurança de nações, como os Estados Unidos, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e Inglaterra. [Estes países formam a Five Eyes Alliance (Aliança dos Cinco Olhos).

     Documentos confidenciais do ultrasecreto JTRIG (Joint Threat Research Intelligence Group – Grupo Conjunto de Pesquisas e Inteligência sobre Ameaças) revelam como já está desenvolvida a estratégia de desmoralizar pessoas e organizações por meio da “fabricação” de informações para veiculação em redes sociais – e daí para a imprensa. O documento foi publicado pelo site Intercept e integra o material entregue por Edward Snowden ao jornalista Glenn Greenwald.

     Trata-se de mais um front da guerra cibernética onde os objetivos estratégicos são cada vez mais de natureza imaterial, ou seja, a eliminação física está sendo substituída pelo chamado “assassinato” de reputações graças à manipulação de dados e informações. A nova estratégia, embora incruenta, não é menos letal, já que destrói a imagem e a credibilidade pública de pessoas e instituições sem a necessidade de processo criminal prévio.

     A imprensa, consciente ou inconscientemente, é parte essencial nesse processo porque é ela que leva até as pessoas as notícias sobre as quais serão construídas decisões e opiniões. Esta não é uma função nova, só que na era da internet a forma como fatos, dados e eventos passam a circular em redes sociais, por exemplo, é muito menos transparente do que antes, e a mídia acaba pescando matéria-prima informativa em ambientes muitas vezes nebulosos.

     Isso torna extremamente difícil a identificação da origem e reais objetivos de uma informação que é inserida num blog irrelevante, de onde vai para o Twitter ou Facebook, e daí para o correio eletrônico de algum repórter, editor ou de um jornalista blogueiro. Este processo pode ser instantâneo, dependendo da natureza e formatação do material veiculado. 

     É quase impossível fazer uma distinção clara e efetiva do material voltado para o assassinato de reputações das informações de genuíno interesse social. O certo é que ambos passam pela imprensa, apesar de atualmente eles estarem cada vez mais circulando sem mediação jornalística. Muitos lamentam o fato de a imprensa ter perdido o monopólio da certificação de origem de notícias, mas isdo já não é mais materialmente possível diante da superoferta informativa gerada pela internet.

     A reputação e imagem pessoais passaram a ser o alvo mais estratégico na política cibernética depois que grupos de crackers [programadores que destroem senhas para invadir ilegalmente bancos de dados; não confundir com hackers, que são pesquisadores em computação, geralmente jovens] passaram a usar seus conhecimentos em computação e telemática para invadir bancos de dados, extrair informações comprometedoras e publicá-las nas redes sociais de forma anônima. Foram eles os responsáveis pelo surgimento do Anonymous, um grupo sobre o qual se tem muito pouca informação e que pode ser considerado uma síntese das contradições da política na internet: visibilidade e anonimato ao mesmo tempo.

     O Anonymous , objeto de uma pesquisa da antropóloga norte-americana Gabriela Coleman, professora da Universidade McGill, ganhou o status de um fantasma cibernético – perfil que, paradoxalmente, acabou sendo adotado também pelos serviços de inteligência da Aliança dos Cinco Olhos. Ambos procuram visibilidade para seus atos porque estão interessados no efeito midiático dos mesmos, já que usam intensamente um elemento que a imprensa supervaloriza: o segredo. Mas mostram uma preocupação obsessiva com o anonimato porque estão conscientes de que seus métodos são socialmente condenáveis.

     Tanto um quanto outro busca a destruição de reputações. O Anonymous revelando os segredos sujos de governos, empresas e personalidades, enquanto organizações como a JTRIG criam perfis falsos, dados incorretos, versões adulteradas e notícias inverídicas para confundir o público e neutralizar adversários por meio do descrédito. Matar implica um alto custo social, ao passo que o descrédito rende juros altos.

     O problema é que tudo isso acaba se transformando em matéria-prima para o jornalista, que se torna corresponsável por crimes de imagem e reputação, sobre os quais ele, na maioria dos casos, não tem a menor consciência.


    Fonte: Observatório da Imprensa

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Onde surgiram os jornais? E por quê? E como nós, jornalistas, ficamos tão malafamados? O crédito da inovação é geralmente concedido aos italianos de Veneza, no século XVI. O governo local decidiu publicar um jornal para manter os cidadãos a par dos...   (continua)


  •    “O sapo não pula por boniteza, mas por precisão.” (Dito popular)
       Não existe redação de jornal ou revista em que não haja jornalistas que lá chegaram porque, tendo “jeito para escrever”, em algum momento sonharam tornar-se escritores.   (continua)


  •    WK via Luis Nassif Online

       Tem no Brasil 247 um artigo de Laurez Cerqueira bem interessante sobre o que anda acontecendo com os jornalões pelo Brasil e pelo mundo. Ele comenta sobre a queda de audiência e de tiragens das diversas formas de imprensa existentes no Brasil e onde o cidadão se informa. O que me chama a atenção é que esses grandes veículos até hoje não aprenderam nadica de nada e insistem em não querer aprender, apesar de inúmeros cavalos selados passarem à sua frente. Vejamos:   (continua)


  •       Leandro Fortes da Carta Capital

         Taí um estudo de caso interessantíssimo sobre o atual jornalismo brasileiro: um artigo censurado por não ter obedecido regras básicas de apuração (?) ao comentar o que todo mundo sabia, as 200 ligações telefônicas entre Policarpo Junior, da Veja, e o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Mais curioso é o pedido de desculpas matreiro do jornalista Jorge Moreno, titular da Rádio Moreno. Raposa velha, Moreno resigna-se à censura, mortifica-se em um mea culpa teatral, mas não deixa de nomear o censor, o jornalista Ascânio Selene, diretor de redação de O Globo.   (continua)


  •       O jornalista Ivan Lessa, articulista da BBC Brasil afirmou que a capa do diário carioca O Dia em homenagem póstuma ao humorista Chico Anysio entrou para a história do jornalismo. De acordo com o colunista, a edição do jornal que foi para as bancas no último sábado, 24, um dia após a morte do artista, está no ranking das dez melhores “primeiras páginas” de uma publicação impressa.
         A afirmação de Lessa foi ao ar na tarde desta terça-feira, 27, no site da BBC Brasil. No texto, o jornalista avalia que Chico merecia a homenagem e que a redação do jornal foi simples, porém muito criativa, para colocar a manchete “Morreram Chico Anysio”, com diversas fotos do humorista caratecterizado pelos seus principais personagens. O colunista publicou que O Dia foi “genial”.  (continua)


  •      Cleyton Carlos Torres do Observatório de Imprensa

         No impresso, ainda há quem afirme que a capa do jornal é para quem o compra; já seu interior é para quem o lê. E o digital? A “capa” dos jornais digitais já parece não ter tanta importância. A home principal de grandes veículos e portais talvez perca um pouco de sentido em um mundo tão conectado, com ligações nos mais diferentes ambientes. Ao mesmo tempo em que estamos em um único lugar, estamos em todos.   (continua)


  •       Leandro Fortes - Carta Capital

         As relações arcaicas que ainda prevalecem nas redações brasileiras, sobretudo naquelas ancoradas nos oligopólios familiares de mídia, revelam um terrível processo de adaptação às novas tecnologias no qual, embora as empresas usufruam largamente de suas interfaces comerciais, estabeleceu-se um padrão de interdição ideológica dos jornalistas. Isso significa que a adequação de rotinas e produtos da mídia ao que há de mais moderno e inovador no mercado de informática tem, simplesmente, servido para coibir e neutralizar a natureza política da atividade jornalística no Brasil.


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília