Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O varejo atual está para morrer, diz Warren Buffett - Felipe Moreno

Enviado por Gilberto Godoy
o-varejo-atual-esta-para-morrer--diz-warren-buffett---felipe-moreno

   Embora os Estados Unidos não estejam em crise econômica, mais de 3.200 lojas físicas já fecharam neste ano. Muitas outras deverão fechar até o fim do ano – o Credit Suisse estima que serão 8.600 no total, batendo o recorde de 6.163 lojas fechadas em 2008, o auge da crise econômica por lá.

   Isso sinaliza, para muita gente, que a morte da loja física está para acontecer. Uma dessas pessoas é o megainvestidor Warren Buffett, que disse que em 10 anos o varejo vai estar completamente diferente. “A loja de departamento agora é online”, avisou o bilionário durante o encontro anual da Berkshire Hathaway.

   “Eu não tenho ilusão de que daqui 10 anos o mundo vai ser igual o de hoje, e algumas coisas nesse caminho vão nos surpreender. O mundo evoluiu, continua evoluindo e a velocidade está aumentando”, destacou. Uma das coisas que ele tem feito é sair de empresas de varejo tradicional.

   Em fevereiro a Berskshire Hathaway já havia vendido US$ 900 milhões em ações do Walmart, o principal afetado por essa mudança. A companhia foi ultrapassada pela Amazon no posto de principal varejista do mundo nos últimos anos e está tentando combater a rival online. Sem inovação, a empresa deverá morrer.

   Por isso, investidores espertos (como Buffett) estão optando por ficar de fora do setor de varejo neste momento. “Eu acho que o setor varejista é muito duro para mim, geralmente”, afirmou. Ele já não tem praticamente ações da Walmart, um dos símbolos do capitalismo norte-americano por décadas. 

   E esse sentimento fez com que o Walmart corresse para não morrer: buscou startups e conseguiu voltar a crescer, com crescimento de 63% nas operações online. Isso pode ser o suficiente para atrair os investidores novamente, mas não se engane, se ela não mostrar que está reagindo ao que ocorre ao seu redor, também morrerá eventualmente. 

   As lojas físicas fecham conforme o número de e-commerces crescem e as pessoas passam a acreditar mais neles, além das mudanças no comportamento dos consumidores. Uma tendência nos últimos anos foi o aumento dos gastos com entretenimento e tecnologia contra roupas e acessórios.

   Enquanto o varejo físico vai morrendo, a Amazon vai florescendo. A companhia inclusive pretende juntar o varejo online com o varejo offline, criando novas formas dos consumidores fazerem compras através da internet e buscarem seus produtos fisicamente sem terem que pagar frete por isso e esperar chegar. É a revolução em curso.


 O mundo como você conhece está mudando


   O mundo está mudando completamente, não há dúvidas. E grandes empresas estão passando por essa mudança também e precisam se adaptar para não morrerem. 

   Uma das mudanças mais chamativas é a queda do varejo físico e crescimento do varejo online. Muitos shoppings centers estão fechando nos Estados Unidos por conta disso, em conjunto com lojas. 

   O que as companhias com presença no mundo físico precisam fazer é entender esse mundo online que esta surgindo. E para isso, precisam buscar startups. 

   Um exemplo é o que o Walmart, o maior varejista do mundo, fez: comprou dezenas de startups para crescer suas operações online e combater a Amazon, sua maior rival e dominante. E conseguiu crescer 63% de um ano para outro, injetando novo ânimo na equipe que cuidava do online por lá. 

   Mas se sua empresa não tem dinheiro para comprar startups (qual tem?), existem outras formas de buscar inovação e trabalhar com startups: desafios, parcerias, relações comerciais... 

     Fonte: StarteSe

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •     Você olha para seu celular e vê dezenas ou centenas de mensagens não lidas no WhatsApp... Certamente você está em mais grupos do que deveria ou gostaria. Não entre em pânico! Você não está só. Tem sido comum no atual momento...   (continua)


  •    A Google publicou uma trabalho de pesquisa a respeito da inteligência artificial no qual um avançado bot de chat aprendia com um conjunto predeterminado de conversas, para poder oferecer respostas "mais inteligentes". Um aspecto interessante deste bot, é... (continua)


  •    Nesta era tecnológica, as redes sociais se tornaram uma forma fundamental de interagir com nossos amigos e com o mundo, até se converter em um dos rituais cotidianos para alguns. No entanto, o que normalmente começa como um inofensivo hábito virtual...   (continua)


  •    Uma pesquisa do Ibope revelou que, de maneira inédita, a maioria dos brasileiros recebeu informações sobre política via Facebook, Twitter ou WhatsApp. Em um ano, triplicou a parcela da população que escolhe seus comportamentos a partir das informações compartilhadas nesses serviços, registrou o Estadão.   (continua)


  •      A teoria dos seis graus de separação originou-se a partir de um estudo científico, que criou a teoria de que, no mundo, são necessárias no máximo seis laços de amizade para que duas pessoas quaisquer estejam ligadas. No estudo, feito nos Estados Unidos, buscou-se, através do envio de cartas, identificar o números de laços de conhecimento pessoal existente entre duas pessoas quaisquer.   (continua)


  •    Ricardo Guimarães fala sobre transição e revolução da sociedade, das empresas e do trabalho. 


  •    Uma escola de economia e gestão, em Paris, irá brevemente começar a utilizar um software de inteligência artificial para rodar um programa de reconhecimento facial, de modo a determinar se os seus estudantes estão prestando atenção às aulas. Está planejado que o software, denominado...   (continua)


  •    Existem muitas formas de adquirir conhecimento sobre diferentes temas, como por exemplo, vídeos no YouTube, livros, cursos, séries e documentários. Pensando nisso, o Brasil Econômico listou 5 documentários disponíveis no Netflix  para ajudar os interessados em empreendedorismo a se inspirarem ao mesmo tempo que se informam sobre assuntos presentes em diferentes setores de produção.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília