Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Pescador captura peixe com enorme mordida cicatrizada

Enviado por Gilberto Godoy
pescador-captura-peixe-com-enorme-mordida-cicatrizada

   A sobrevivência na natureza é um tema complicado. No mundo animal há predadores e presas, e pertencer ao segundo grupo pode ser muito estressante. Se aos predadores naturais de cada espécie acrescentarmos os seres humanos, algumas espécies podem ser realmente ameaçadas. É que nós podemos ser o caçador mais perigoso e implacável. Ou o mais piedoso.

   Edward Grant é um homem de 45 anos, residente no estado americano de New Jersey, fanático por pescaria. Isto o converteria em um predador impiedoso da fauna marinha, mas Edward tem lá seu coraçãozinho e demonstrou isso faz poucos dias.

   Na semana passada ele estava pescando na baía de Raritan Middleton quando um peixe mordeu a isca. Ao retirá-lo da água ficou surpreso totalmente pelo que estava a frente de seus olhos. Tratava-se de um linguado de 47 cm. Conquanto o tamanho não era nada excepcional, nem a espécie era estranha, as condições em que se encontrava sim eram.

   Em algum momento de sua vida, o peixe sofreu o ataque de um predador, perdendo assim grande parte de seu corpo. Na contramão do que dita a natureza este animal conseguiu sobreviver.

   Com quase um quarto de seu corpo cerceado, Edward viu neste peixe um sobrevivente nato. Não podia fazer outra coisa do que devolvê-lo ao mar. Um animal que foi capaz de sobrepor-se a um trauma físico tão importante não merecia acabar seus dias em uma frigideira.

   Edward seguiu com seu dia de pesca e o linguado nadando feliz pelas águas da baía de Raritan nadando de lado -à medida que se desenvolve, um dos olhos do linguado migra para o lado oposto da cabeça (por isso ele tem colorações diferentes nas partes opostas do corpo)-. Esperemos que não volte a beliscar outro anzol, quem sabe se seu futuro pescador pensará igual Edward.

     Fonte: Imgur. via Metamorfose Digital

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Stanley Coren em seu livro A Inteligência dos Cães, elaborou uma tabela através de um questionário elaborado por ele e preenchidos por juízes americanos, especializados em provas de obediência.   (continua)


  •    Este invento é digno daquelas ideias "como não pensei nisso antes". Consiste em um comando de ducha circular que envia os jatos para o centro. Coloca-se o cão dentro e pronto! A abria a água o jato de água lava o cão por inteiro.   (continua)


  •    O mundo animal sempre nos surpreende. As possibilidades de aprendizagem são muitas, variadas e complexas. O cão deste vídeo demonstra isto. Seu dono o levou para dar um passeio quando percebeu que tinha uma loja de música próxima.   (continua)


  •    Com um equipamento de som ultra sensível, uma equipe do BBC Earth demonstrou como uma coruja voa tão silenciosamente em comparação com outras aves. Neste clipe da nova série Super Powered Owls podemos ver uma experiência fascinante que mostra o voo eficiente e silencioso de uma coruja-das-torres.   (continua)


  •    Pense em todos os cães por aí: labradores, poodles e labradoodles; huskies, westies e dogues de Bordeaux; pit bulls, spaniels e vira-latas adoráveis que vão a pet shops. Some todos os cães de estimação no planeta e você chegará a cerca de 250 milhões.   (continua)


  •    Enquanto passeava de caiaque junto a sua esposa pelas águas de Sardina do Norte nas Grandes Canárias, Sergio Rodriguez viu uma bela tartaruga marinha em apuros se aproximando da embarcação. O pobre animal deve ter topado com um banco de lixo e ficou enredado em um saco de ráfia.   (continua)


  •    Praticamente todos os dias nos deparamos com cães e gatos andando nas ruas abandonados. Com a crise aconômica este problema social aumenta. Filhotes, animais doentes, animais velhos ou simplesmente aquele vira lata que nasceu na rua e que poderia viver e morrer nas ruas correndo todos os riscos.   (continua)


  •      Basenji é uma das poucas raças caninas desenvolvidas na África. Há registros de cães semelhantes a esta raça que datam de mais de 4 000 anos, encontrados em desenhos em tumbas egípcias da quarta dinastia. Todavia, é difícil traçar uma relação entre eles, já que o basenji descende de cães saídos do Zaire durante a década de 1830.   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília