Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Quem ama educa! - Içami Tiba

Enviado por Gilberto Godoy
quem-ama-educa----icami-tiba

   Por que será que cada vez mais mãe e pai têm dificuldades de educar os filhos? Cada vez mais os consultórios de terapeutas são procurados por eles, bem intencionados mas desconhecendo o que fazem de errado na educação de seus filhos. Esses mesmos consultórios também se enchem de filhos para resolver seus problemas de inadequação à sociedade. E tantos outros pais que se sentem impotentes perante filhos que quebraram seus sonhos...

   Essas são algumas das conseqüências de uma constatação a ser feita também pelos pais: somente cuidar dos filhos não é mais suficiente para garantir-lhes um bom futuro. Educar é muito diferente de criar. Vários adolescentes estão muito bem criados: simpáticos, fortes, saudáveis e bonitos, mas não educados. Mãe e pai querem que seu filho seja feliz. São, porém, poucas as crianças que se sentem plenamente felizes. Porque ninguém pode dar felicidade a outras pessoas, nem os pais aos próprios filhos. O que os pais conseguem é dar alegria, prazer, saciedade, condições básicas de saúde, educação, ajudar na construção da auto-estima... Mas são os filhos que devem aprender a ser felizes.

   Este livro tem o objetivo de devolver para a família a responsabilidade de educar os filhos, hoje atribuída à escola, dada a nova dinâmica familiar e profissional da sociedade ocidental. O autor se propõe a ajudar os pais nessa empreitada reforçando a importância de valores e atitudes como limites e diálogo.

   * Nota: Içami Tiba faleceu hoje, aos 74 anos. Médico, Psiquiatra, realizou mais de 72 mil atendimentos psicoterápicos a adolescentes e suas famílias, é autor de diversos livros sobre educação (mais de 850 mil livros vendidos) e ministrou milhares de palestras em escolas e programas de TV. Quem Ama, Educa! foi o livro campeão absoluto de vendas de 2003 segundo a Revista Veja.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "E foi então que apareceu a raposa:
    - Bom dia, disse a raposa.
    - Bom dia, respondeu o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
    - Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
    - Quem és tu? perguntou o principezinho. Tu és bem bonita...
    (continua)

  •    O blog Mundo de K resgatou uma publicação do Times Literatury Suplement sobre os 100 libros mais influentes da história, com direito a indicação de leitura extra como entrevistas ou resenhas sobre as obras elencadas. O autor do blog faz uma ressalva...   (continua)


  •    Aniversário de 115 anos do poeta maior, Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). Imagino nesse momento, no Paraíso, Drummond, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Antônio Carlos Jobim, Manuel Bandeira e Vinícius de Moraes.   (continua)


  •    Eloá Heise, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, conversa com Rodrigo Simon sobre Fausto, obra do escritor alemão Johann Goethe. Eloá fala sobre a figura histórica de Fausto e a busca do homem pelo sentido da vida.


  •    Liesel Meminger enfrenta a morte cara a cara três vezes. Sobrevive de cara lavada. De tão impressionada, a Dona Morte, ela mesma, decide contar a história da menina, que se habituou, desde cedo, a roubar livros, como forma de prosseguir a viver e a sonhar em meio a mil palavras perdidas.   (continua)


  •    Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu, em 1940. Mais que o Galeano conhecido por qualquer um que já tenha ouvido falar de "uma américa latina de veias abertas", ele é o autor das palavras que andam, do mundo que vaga, dos mais de 30 títulos traduzidos em mais de 20 idiomas.   (continua)


  • Trecho do livro 'Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra', Mia Couto.

       "A vantagem de ser pobre é saber esperar. Esperar sem dor. Porque é espera sem esperança. Mariano sofria sem pressa. Isso, ele me ensinara: o segredo é demorar o sofrimento, cozinhá-lo em lentíssimo fogo, até que ele se espalhe, diluto, no infinito do tempo."   (continua)


  •      O livro Freakonomics - O lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta - é uma coletânea de estudos do economista Steven Levitt, Ph.D. pelo MIT, em parceria com o jornalista Stephen J. Dubner. A obra defende teses polêmicas, entre elas a de que a legalização do aborto seria a grande responsável pela redução das taxas de criminalidade nos Estados Unidos.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília