Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Sobre a ingratidão e a natureza das coisas - Theófilo Silva

Enviado por Theófilo SIlva
sobre-a-ingratidao-e-a-natureza-das-coisas---theofilo-silva

   Alguém já disse que o homem é o mais ingrato dos animais, e Shakespeare nos diz que “Monstruoso é o homem quando assume a forma da ingratidão”. Ele chama a ingratidão de “Demônio do coração de mármore”. Acho que todos nós concordamos com essas afirmações, até porque “Nenhum homem vai para o túmulo sem levar no corpo a marca de um ponta pé dado por um amigo”.

   Shakespeare vasculhou e dissecou os muitos segredos e mistérios da alma humana, e a ingratidão está presente em muitas de suas peças, sendo vários os personagens que foram vítimas dessa destruidora de corações, que ele chama de “mordida” que tem o “hálito do furacão”. Estas palavras estão na letra dessa curta canção que Amiens canta para o duque de Milão, que se encontra em desgraça, morando na fria floresta, traído pelo próprio irmão que lhe tomou o trono: “Sopra, sopra vento hibernal. Não és assim tão infernal como a humana ingratidão. Teu dente não é tão agudo porque não és visto, mas é rude teu hálito de furacão”. Não é interessante saber que a ingratidão tem dentes, embora não sejam vistos! Que os ingratos saibam disso.

   Shakespeare nos fala de promessa – já que é por intermédio da promessa não cumprida que a ingratidão toma forma – em Tímon de Atenas, pela boca de um pintor “puxa-saco” que bajula Tímon, rico general ateniense. Diz ele: “Prometer é exatamente do melhor tom; abre os olhos da esperança, enquanto que uma esperança posta em prática deixa sem emoção alguma aquele para quem foi executada e salvo entre as pessoas mais ingênuas e mais simples, manter a palavra está completamente fora de moda. Prometer é o que existe de mais elegante e ultrapassa os melhores modos da corte”. É bom saber que a promessa “abre os olhos da esperança”, que “manter a palavra está fora de moda”, que “é elegante” e é praticada nas altas esferas sociais.

   Continuando com nossa saga shakespeariana pelo mundo da ingratidão, chegamos a Tróilo e Créssida, uma de suas maiores peças políticas, dominada por homens públicos vaidosos e arrogantes, habitantes da esfera das relações de poder. Se existe uma área em que a ingratidão é mais presente, tomando uma forma ainda mais cruel, que é a da traição – quando o ingrato se junta aos inimigos da vítima para destruí-lo. E Ulisses é quem adverte o orgulhoso Aquiles: “O tempo, meu senhor, tem nas costas um saco, dentro do qual coloca as esmolas para o esquecimento, esse monstro enorme da ingratidão”. É interessante saber que o tempo carrega nas costas um saco cheio de ingratidão. Agradeço a Shakespeare por nos dar esse consolo.

   Provavelmente a maior vítima da ingratidão em todo o Shakespeare seja o velho Rei Lear, da Bretanha, que, após dividir o trono entre suas três filhas é rejeitado por duas delas, Goneril e Rejane, levando-o á loucura e à morte. A ingratidão filial é, com certeza, a mais violenta entre todas as formas de ingratidão, e filhos ingratos com suas ações podem levar a morte pais e mães. Não há quem não conheça a história de um filho ingrato. Diz o velho Rei Lear sobre a ingratidão de suas filhas: “Oh! Levíssima falta… Tu que a exemplo de uma roda de tortura, deslocaste a armação de minha natureza do lugar onde se encontrava, arrancaste todo o amor de meu coração e o encheste de fel”. “Ter um filho ingrato é mais doloroso que a mordida de uma serpente”. Sim, a ingratidão “desloca o eixo da natureza”.

   Júlio César, o mítico general e estadista romano, é provavelmente uma das maiores vítimas da ingratidão. Foi assassinado em um complô em que um dos líderes era Marcus Brutus, seu filho adotivo. A morte de César é um fato marcante, e os historiadores são quase unânimes em dizer que a morte de César foi um golpe que alterou o destino do mundo. Shakespeare sabia disso, e nos deu de presente a Tragédia de Júlio César, romanceando de forma magnífica a morte do grande romano.

   Vejamos o que diz Marco Antônio, leal a César até o fim, para a multidão diante do cadáver de César: “Se vocês tiverem lágrimas, preparem-se para derramá-las agora”. Mostrando as facadas de Brutus no corpo de César, diz que: “Ao retirar o maldito aço, observem como o sangue de César parece que se lançou atrás dele… Esse foi o mais cruel de todos os golpes, pois, quando o nobre César viu que ele o feria, a ingratidão mais poderosa que os braços dos traidores venceu-o completamente”. Ou seja, não foram os golpes de Brutus que mataram Júlio César, mas sua ingratidão.

   Bom, chega de tanta ingratidão! Por fim, deixo a todos o conselho de Machado de Assis “A ingratidão é um direito do qual não se deve fazer uso”. É isso!

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •        "Acontece que o Conde Matarazzo estava passeando pelo parque. O Conde Matarazzo é um Conde muito velho, que tem muitas fábricas. Tem também muitas honras. Uma delas consiste em uma preciosa medalhinha de ouro que o Conde exibia à lapela, amarrada a uma fitinha. Era uma condecoração (sem trocadilho).   (continua)


  •    Existem coisas que nunca esquecemos, os cheiros é uma delas. Inúmeras vezes nos deparamos com um cheiro e ele nos remete a lembranças remotas ou não. No início de 2010 li “Os Cheiros” escrito por Danuza Leão, tirei a página da revista e sempre voltava a lê-lo.   (continua)


  •    O título parece complicado, mas não é. Metáforas são figuras de linguagem que substituem uma coisa por outra. São indispensáveis na expressão da vida. Por exemplo: o coração, que é um órgão do corpo humano passível de cirurgia, palpitação e substituição, é uma metáfora do amor...   (continua)


  •    Uma mulher espalhou uma fofoca sobre uma certa pessoa que ela não conhecia bem, mas a invejava. Alguns dias depois, o bairro inteiro sabia a história. A pessoa que foi alvo da fofoca ficou indignada e muito ofendida. Mais tarde, a mulher que espalhou o boato descobriu que era...   (continua).


  •    Endureçamos a bondade, amigos. Ela também é bondosa, a cutilada que faz saltar a roedura e os bichos: também é bondosa a chama nas selvas incendiadas para que os arados bondosos fendam a terra. Endureçamos a nossa bondade, amigos. Já não há pusilânime de...   (continua)


  •    Assisti a uma reportagem no programa Fantástico, da TV Globo, que além de ter me emocionado bastante, mostrou uma experiência insólita, rara e belíssima. Um garoto de oito anos, de uma cidade dos Estados Unidos, ganhou um prêmio em sua escola, de mil dólares. Poderia ter...   (continua)


  •    Mexo em textos antigos, e encontro um que me dá sentimentos dúbios, uma espécie de alegria melancólica, como se fosse um reencontro fugaz com uma pessoa querida. Você quer segurá-la, mas ela tem que partir. O tema era papai, e mamãe ainda vivia. Engraçado como...   (continua)


  •    Que se passa para nós no domínio musical? Devemos em primeiro lugar aprender a ouvir um motivo, uma ária, de uma maneira geral, a percebê-lo, a distingui-lo, a limitá-lo e isolá-lo na sua vida própria; devemos em seguida fazer um esforço de boa vontade —   (continua)
     


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília