Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Um Trecho da Peça “Como Você Quiser” - Shakespeare

Enviado por Gilberto Godoy
um-trecho-da-peca-“como-voce-quiser”---shakespeare

   O trecho a seguir, da comédia “As You Like It” (“Como Você Quiser”), é um exercício irônico de meditação sobre a passagem da vida humana. Pertence à Cena Sete do Ato II. Poucas falas antes, um personagem da comédia afirma: “Agora são dez horas e você pode ver como o mundo oscila; há uma hora eram nove, dentro de uma hora serão onze; a cada hora que passa nós amadurecemos; a cada hora apodrecemos; nisso há toda uma história.”

"O mundo inteiro é um palco,

E todos os homens e mulheres são meros atores:

Eles têm suas saídas e suas entradas;

E um homem cumpre em seu tempo muitos papéis.

Seus atos se distribuem por sete idades. No início a criança

Choraminga e regurgita nos braços da mãe.

E mais tarde o garoto se queixa com sua mochila,

E seu rosto iluminado pela manhã, arrastando-se como uma lesma

Sem vontade de ir à escola. E então o apaixonado,

Suspirando como um forno, com uma balada aflita,

Feita para os olhos da sua amada. Depois o soldado,

Cheio de juramentos estranhos, com a barba de um leopardo,

Zeloso de sua honra, rápido e súbito na briga,

Buscando a bolha ilusória da reputação

Até mesmo na boca de um canhão. E então vem a justiça,

Com uma grande barriga arredondada pelo consumo de frangos gordos,

Com olhos severos e barba bem cortada,

Cheio de aforismos sábios e argumentos modernos.

E assim ele cumpre seu papel. A sexta idade o introduz

Na pobre situação de velho bobo de chinelos,

Com óculos no nariz e a bolsa do lado,

Suas calças estreitas guardadas, o mundo demasiado largo para elas,

Suas canelas encolhidas, e sua grande voz masculina

Quebrando-se e voltando-se outra vez para os sons agudos,

Os sopros e assobios da infância. A última cena de todas,

Que termina sua estranha e acidentada história,

É a segunda infância e o mero esquecimento,

Sem dentes, sem mais visão, sem gosto, sem coisa alguma."

 

     Fonte: “As You Like It”, Ato II, Cena VII, em “The Complete Works of William Shakespeare”, Edited by W. J. Craig, M.A., Magpie Books, London, 1992, 1142 pp.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "O tempo presente e o tempo passado
    Estão ambos talvez presentes no tempo futuro
    E o tempo futuro contido no tempo passado
    Se todo o tempo é eternamente presente
    Todo o tempo é irredimível
    O que podia ter sido é uma abstração
    Permanecendo possibilidade perpétua
    Apenas num mundo de especulação..."
    (continua)


  • “Como imperfeito ator que em meio à cena
    O seu papel na indecisão recita,
    Ou como o ser violento em fúria plena
    A que o excesso de forças debilita;
    Também eu, sem confiança em mim, me esqueço
    No amor de os ritos próprios recitar...
    (continua)


  • "Se alguém bater um dia à tua porta,
    Dizendo que é um emissário meu,
    Não acredites, nem que seja eu;
    Que o meu vaidoso orgulho não comporta
    Bater sequer à porta irreal do céu... (continua)


  • "O que esperamos na ágora reunidos?
    É que os bárbaros chegam hoje.
    Por que tanta apatia no senado?
    Os senadores não legislam mais?
    É que os bárbaros chegam hoje...
    (continua)


  •    "Eu te peço perdão por te amar de repente
       Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos
       Das horas que passei à sombra dos teus gestos
       Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos...
       (continua)


  •     "Meu Senhor, tende piedade dos que andam de bonde
         E sonham no longo percurso com automóveis, apartamentos…
         Mas tende piedade também dos que andam de automóvel
         Quantos enfrentam a cidade movediça de sonâmbulos, na direção.
    ​     (continua)


  • "Desde os tempos distantes de criança
    Numa força sem par do pensamento,
    Tem sentido infinito e resultante
    Do que sempre será meu sentimento;
    Todo teu, todo amor e encantamento,
    Vertente, resplendor e firmamento...
    (continua)


  • "Porque entre o sim e o não é só um sopro,
    entre o bom e o mau apenas um pensamento,
    entre a vida e a morte só um leve sacudir de panos -
    e a poeira do tempo, com todo o tempo que eu perdi,
    tudo recobre, tudo apaga, tudo torna simples
    e tão indiferente."


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília