Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Aonde vai parar o trânsito?

Enviado por Gilberto Godoy
aonde-vai-parar-o-transito-

     Quanto você gasta por mês com o seu carro? Seja nas parcelas do financiamento, IPVA, seguro, combustível e manutenção, ou ainda nas horas parado no congestionamento, procurando vagas no estacionamento ou calibrando os pneus, o fato é que destinamos boa parte do nosso tempo e dinheiro no que deveria ser apenas um meio de deslocamento entre um local e outro.

     Diversos fatores históricos, sociais e econômicos fizeram com que o carro deixasse de ser apenas um veículo para se tornar um símbolo da sociedade atual, onde a valorização dos bens materiais é mais importante que o respeito ao próximo e as questões individuais se sobrepõe ao bem coletivo. Essa inversão de valores é uma das grandes responsáveis pelos problemas encontrados no trânsito das grandes cidades, afirma a professora Gislene Macedo, do curso de psicologia da UFC/Sobral, doutora em psicologia do trânsito e ex-membro titular da Câmara Temática de Educação e Cidadania do Contran.

     “Invertemos o valor do coletivo para o individual, o que causa um problema para todos já que, à medida que você investe mais em um, você deixa de investir no outro”, diz. Esse é apenas um dos fatores que transformou um simples meio de transporte em objeto de desejo e símbolo de valores mais profundos que a mera mobilidade.

     Quem reforça essa perspectiva é o antropólogo Roberto Da Matta. Em entrevista à Revista Trip, ele justificou o comportamento dos brasileiros no trânsito com a incapacidade de sermos uma sociedade igualitária. Para ele, as pessoas não instituem a igualdade como um guia para as suas condutas, o que leva a um pensamento aristocrático de que uns podem mais do que outros. “É doentio, desumano e vergonhoso notar que 40 mil pessoas morrem por ano no trânsito de um país que se acredita cordial, hospitaleiro e carnavalesco. No Brasil, você se sente superior ao pedestre porque tem um carro. Ou superior a outro motorista porque tem um carro mais moderno ou mais caro” - Roberto Da Matta.

     A conselheira do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Andréa Nascimento, lembra ainda que o modelo de vida e de mobilidade existente hoje inclui o carro na rotina das pessoas, que o levam como parte essencial do dia a dia. “Nele deixo livros, roupas, sapatos, escolho a quem dou carona, coloco som no volume que eu quiser, disputo o espaço público, pois quero fluidez”, afirma em entrevista concedida a Perkons.

     A raiz do problema, segundo Da Matta, está na ascensão da indústria automobilística nos anos 50. “Isso criou o delírio de que ser dono de um carro é o coroamento do sucesso individual. E até hoje, mesmo com o mundo em colapso, não conseguimos nos livrar dessa mentalidade. Quando nós adotamos o transporte individual, estamos retomando a ideia da cadeirinha carregada por escravos do Brasil colonial”, relembra o antropólogo.

Consequências

     Segundo levantamento do Ministério das Cidades e do Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), em abril de 2010 o país já contava com uma frota de mais de 60 milhões de veículo automotores, sendo 35 milhões automóveis (57% do total) e 12 milhões de motocicletas (21%), enquanto que a frota de ônibus era de pouco mais de 430 mil unidades (0,7%). Para Gislene, essa vitória dos carros e motos sobre os transportes coletivos deve ser comemorada apenas pelo setor automotivo. “Existe uma manutenção da indústria automotiva para manter essa cultura na sociedade. Eles comemoram e enquanto alguém ganha muito dinheiro, muitos perdem suas vidas”, diz.

     Outras consequências deste fenômeno são vistas no aumento dos engarrafamentos, na maior poluição do ar, na desvalorização do transporte coletivo, na dificuldade em organizar o trânsito e no avanço do número e da gravidade dos acidentes, “o que é ainda pior”, garante a psicóloga. Ela lembra que a média de ocupação dos veículos em cidades como São Paulo é de 1,5 passageiros por carro. Além dos problemas já citados, esse fenômeno leva a outras consequências sociais, como a solidão e o distanciamento. “Fecha-se o vidro, coloca-se o fumê, cria-se um isolamento e sua relação com o que esta fora daquele universo é cada vez menor. É uma pena que as pessoas estejam escolhendo essa opção”, opina.

Fonte: Clara Corrêa / Ecodsesenvolvimento / CFP

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Os americanos usam uma abreviatura para explicar o mundo de hoje. Eles dizem que o mundo é VUCA (em inglês) ou VICA (em português). E eles tem razão! O mundo muda em velocidade muito acelerada e com destino incerto, proporcionando várias respostas para uma mesma questão.   (continua)


  •    Embora os Estados Unidos não estejam em crise econômica, mais de 3.200 lojas físicas já fecharam neste ano. Muitas outras deverão fechar até o fim do ano – o Credit Suisse estima que serão 8.600 no total, batendo o recorde de 6.163 lojas fechadas em 2008, o auge da crise econômica por lá.   (continua)


  •    Crédito ou débito? À vista ou parcelado? Inclui o CPF? Faz parte do programa vale-ponto? Vai levar sacolinha? Quantas vai precisar? Se para prevenir o Alzheimer o cérebro precisar mesmo de exercício (algo de que duvido, uma vez que não é músculo), acho que a simples compra de duas garrafas de água e de uma barra de cereais no supermercado já seria suficiente para me livrar dessa ameaça.   (continua)


  •      
         Vejam que interessante esse vídeo brilhante divulgado pela NASA, onde podemos ver o tráfego aéreo no mundo. Eles usam uma câmera especial que capta a frequência da turbina dos aviões. O tempo deste clip é de 1min30seg e representa as 24 horas de um dia inteiro de viagens de avião, internas e entre os continentes.   (continua)


  •    Quantas vezes você já recebeu uma informação via um aplicativo de troca de mensagens instantâneas, como o WhatsApp, ou leu uma notícia circulando pela internet e gostaria de checar a veracidade do conteúdo? Agora, já é possível fazer essa verificação usando uma ferramenta piloto criada por um grupo de pesquisadores...   (continua)


  •    Original: Por menos festa infantil espetáculo e mais festa afetiva - Lidiane Vasconcelos, via blog Trololó de Mulher.
       Festa infantil em bufê da moda… e bem caro! Quem nunca foi a um evento assim? O ambiente a gente conhece: brinquedos com luzes piscando e emitindo sons os mais diversos, e as crianças enlouquecidas correndo de um lado para o outro. De repente, uma parada:   (continua)


  •    Estamos perdendo nossa intimidade a passos largos. E não de uma forma clandestina, senão que nós mesmos estamos dispostos a perder porque, em troca, recebemos maior visibilidade, interagimos com mais pessoas, nos beneficiamos com mais vantagens. Por exemplo, à hora de...   (continua)


  •    Um dos acontecimentos mais relevantes da Internet na atualidade é o crescimento exponencial do número de blogs. Inicialmente avaliado como um fenômeno passageiro e restrito a uma minoria de utilizadores, rapidamente se verificou o contrário e os blogs começaram a proliferar a um ritmo vertiginoso.   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília