Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

É preciso não esquecer nada - Cecília Meireles

Enviado por Gilberto Godoy
e-preciso-nao-esquecer-nada----cecilia-meireles

É preciso não esquecer nada:

Nem a torneira aberta nem o fogo aceso,

Nem o sorriso para os infelizes

Nem a oração de cada instante.

É preciso não esquecer de ver a nova borboleta

Nem o céu de sempre.

O que é preciso é esquecer o nosso rosto,

O nosso nome, o som da nossa voz,

O ritmo do nosso pulso.


O que é preciso esquecer é o dia carregado de atos,

A ideia de recompensa e de glória.

O que é preciso é ser como se já não fôssemos,

Vigiados pelos próprios olhos

Severos conosco, pois o resto não nos pertence.


Cecília Meireles nasceu no Rio de Janeiro RJ em 7 de novembro de 1901. Órfã muito cedo, foi educada pala avó materna e diplomou-se professora pelo Instituto de Educação em 1917. Viajou pela Europa, Estados Unidos e Oriente e logo dedicou-se ao magistério. No exercício da profissão, participou ativamente do movimento de renovação do sistema educacional brasileiro. Fundou, em 1934, a primeira biblioteca infantil do país e, de 1936 a 1938, lecionou literatura luso-brasileira, técnica e crítica literária na Universidade do então Distrito Federal. Ensinou na Universidade do Texas (1940) e colaborou na imprensa carioca, escrevendo sobre folclore, tema de sua especialidade. 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "Um eu ficou no mar aprisionado
    E deixou-me por pés as nadadeiras;
    Outro ficou nas nuvens caminheiras,
    Por isso bato os braços no ar parado.
    Um eu partiu menino ensimesmado
    E ofertou-me palavras verdadeiras,
    Outro amou suas sombras companheiras..."
    (continua)


  • "Não sou nada.
    Nunca serei nada.
    Não posso querer ser nada.
    À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
    (continua)


  • “Mas que coisa é homem,
    Que há sob o nome:
    Uma geografia?
    Um ser metafísico?
    (continua)


  • Só a leve esperança em toda a vida
    Disfarça a pena de viver, mais nada;
    Nem é mais a existência, resumida,
    Que uma grande esperança malograda.
    (Continua)


  •       Homenagem a todos os Pais.

    "Terra de semente inculta e bravia,
    terra onde não há esteiros ou caminhos,
    sob o sol minha vida se alonga e estremece.
    Pai, nada podem teus olhos doces,
    (continua)


  • "O mundo inteiro é um palco,
    E todos os homens e mulheres são meros atores:
    Eles têm suas saídas e suas entradas;
    (continua)


  • “Tem coisa mais boba na vida
    que chamar-se Pablo Neruda?
    Que vim fazer neste planeta?
    A quem dirijo esta pergunta?
    E que importância tenho eu
    (continua)


  •    Como é rico o nosso país em cultura. As poesias regionais são magniíficas. Vejam o lindo vídeo do gaúcho Jayme Caetano Braun. Ele mostra o querido Rio Grande.  Jayme sonhava em ser médico mas se tornou um autodidata nos assuntos da cultura sulina.   (continua)


  • “Não acabarão nunca com o amor,
    nem as rusgas,
    nem a distância.
    Está provado,
    pensado,
    verificado...
    (continua)


  • "Até agora, a maior metade atravessei
    desta vida flutuante – eis a palavra mágica:
    pois nos veda provar alegrias além
    do que podemos ter! A metade da vida...
    (continua)


  • Escrevo cartas, bilhetes, lista de compras,
    composição escolar narrando o belo passeio
    à fazenda da vovó que nunca existiu
    porque ela era pobre como Jó.
    Mas escrevo também coisas inexplicáveis:
    quero ser feliz, isto é amarelo.
    E não consigo, isto é dor.
    (continua)


  •    Poeta, contista e romancista Henry Charles Bukowski Jr. é considerado o último escritor maldito da literatura norte-americana. Nasceu na Alemanha, mas se mudou para os Estados Unidos aos 3 anos. Bukowski começou a escrever poesias aos 15 anos mas seu primeiro livro...   (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília