Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Invictus- William Ernest Henley

Enviado por Gilberto Godoy
invictus--william-ernest-henley

“Do fundo desta noite que me envolve,

negra como um poço fundo e escuro,

Agradeço aos deuses

pela minha alma indomável.

Nos momentos mais difíceis

não recuei nem gritei.

Debaixo dos golpes do destino

A minha cabeça sangra mas mantém-se levantada.

Para além deste lugar de fúria e lágrimas

só se vislumbram o horror e as trevas,

E, contudo, os anos passam

e encontram-me sem temor.

Não importa quão estreito o portão,

quão carregado de castigos o pergaminho,

Eu sou o senhor do meu destino:

Eu sou o capitão da minha alma.”


     William Ernest Henley, (Gloucester, Gloucestershire, Inglaterra), 23 de agosto de 1849 - (Woking, Surrey, Inglaterra), 11 de julho de 1903, foi um escritor britânico.

     Era o primogênito de seis irmãos, filho de um modesto vendedor de livros. Apesar da difícil condição financeira, seu pai conseguiu enviá-lo para uma escola secundária, a Crypt Grammar School, que não pode concluir por motivos de saúde e financeiros. Tinha apenas doze anos de idade quando foi diagnosticada sua artrite decorrente do bacilo da tuberculose.
 
      Aos 16 anos teve a perna esquerda amputada abaixo do joelho. Em 1867, perdeu seu pai, tornando-se arrimo de sua mãe viúva e de seus irmãos. Em 1869, mudou-se para Londres onde conseguiu emprego como jornalista autônomo. Em 1872, sua doença o compeliu a viajar em tratamento para Edimburgo, Escócia, onde escreveu a coleção de poemas In Hospital e se apaixonou por Anna Boyle, com quem viria a se casar.
 
      Em 1875, tornou-se amigo íntimo de Robert Louis Stevenson, que fora levado ao hospital para o conhecer. Nesse mesmo ano teve alta e retornou a Londres, onde se tornou editor da revista London. Em 1878, casou-se com Anna Boyle com quem teve sua única filha, Margaret, em 1888, que faleceu de meningite apenas cinco anos depois. Em 1889, tornou-se editor da revista Scots Observer, onde, nesse mesmo ano, escreveu uma crítica desfavorável de O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde, que desencadeou uma célebre controvérsia entre ambos.
 
      Henley era um homem entusiasmado e apaixonado, com opiniões veementes e emoções intensas, e teve discussões com muitos outros contemporâneos. Permaneceu como editor da Scots Observer, cujo nome mudara para “National Observer”, até 1894.
 
      Morou em várias cidades inglesas com sua esposa. Morreu em 1903 de tuberculose.
 
      Sua grande publicação foi The Song of the Sword, em 1892. O seu poema mais famoso é Invictus, um dos mais belos escritos que eu já tive contato. Daqueles que a gente tem a sensação de querer ter escrito!

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • "O que penso eu do mundo?
    Sei lá o que penso do mundo!
    Se eu adoecesse pensaria nisso.
    Que idéia tenho eu das cousas?
    Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
    ​(continua)


  • "Eu vou te contar que você não me conhece
    E eu tenho que gritar isso porque você está surdo e não
    Me ouve
    A sedução me escravisa a você
    Ao fim de tudo você permanece comigo mas prezo ao que
    Eu criei...
    (continua)


  •    “É preciso estar sempre embriagado. Eis aí tudo: é a única questão. Para não sentirdes o horrível fardo do tempo que rompe os vossos ombros e vos inclina para o chão, é preciso embriagar-vos sem trégua. Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa maneira. Mas embriagai-vos...  (continua)


  •      "Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida
    Meus olhos andam cegos de te ver!
    Não és sequer razão de meu viver,
    Pois que tu és já toda a minha vida!
    Não vejo nada assim enlouquecida...
    (continua)


  • “Donde vem? onde vai?  Das naus errantes 
    Quem sabe o rumo se é tão grande o espaço? 
    Neste saara os corcéis o pó levantam,  
    Galopam, voam, mas não deixam traço.
       Bem feliz quem ali pode nest'hora 
    Sentir deste painel a majestade!
    (continua)


  • “N’algum lugar em que eu nunca estive,
    Alegremente além de qualquer experiência, teus olhos têm o seu silêncio:
    No teu gesto mais frágil há coisas que me encerram
    Ou que eu não ouso tocar porque estão demasiado perto
    (continua)


  • Essa lembrança que nos vem às vezes...
    folha súbita que tomba
    abrindo na memória a flor silenciosa
    de mil e uma pétalas concêntricas...
    Essa lembrança...mas de onde? de quem?
     (continua)


  • “Deu-me Deus o Seu Gládio, porque eu faça
            A Sua santa guerra.
    Sagrou-me Seu em génio e em desgraça
    As horas em que um frio vento passa...
    (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília