Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

N'algum lugar em que nunca estive - E.E. Cummings

Enviado por Gilberto Godoy

“N’algum lugar em que eu nunca estive,
Alegremente além de qualquer experiência, teus olhos têm o seu silêncio:
No teu gesto mais frágil há coisas que me encerram
Ou que eu não ouso tocar porque estão demasiado perto

Teu mais ligeiro olhar facilmente me descerra
Embora eu tenha me fechado como dedos, nalgum lugar
Me abres sempre pétala por pétala como a primavera abre
(tocando sutilmente, misteriosamente) a sua primeira rosa

Ou se quiseres me ver fechado, eu e
Minha vida nos fecharemos belamente, de repente,
Assim como o coração desta flor imagina
A neve cuidadosamente descendo em toda a parte;

Nada que eu possa perceber neste universo iguala
O poder de tua imensa fragilidade: cuja textura
Compele-me com a cor de seus continentes,
Restituindo a morte e o sempre cada vez que respira

(não sei dizer o que há em ti que fecha
E abre; só uma parte de mim compreende que a
Voz dos teus olhos é mais profunda que todas as rosas)
Ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas!”

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  • “Tempo voraz, corta as garras do leão,
    E faze a terra devorar sua doce prole;
    Arranca os dentes afiados da feroz mandíbula do tigre,
    E queima a eterna fênix em seu sangue;
    (continua)


  •    Por vezes posts antigos recebem comentários, que encontramos por mero acaso. Um dos primeiros "posts" deste "blog", justamente sobre "De Rerum Natura", o livro de Lucrécio que lhe dá o nome, originou uma questão de um leitor brasileiro sobre uma tradução do poema de Lucrécio para português. Mandou-nos um extracto, que julgamos apócrifo.   (continua)


  • "Ele esperou…
    Tanto, tanto, tanto…
    E esperou de tal modo,
    como se fora sua sina e o mais íntimo fado,
    que não mais lembrava quantas vezes virara a ampulheta...
    (continua)


  • "Não: devagar.
    Devagar, porque não sei
    Onde quero ir.
    Há entre mim e os meus passos
    Uma divergência instintiva.
    Há entre quem sou e estou
    (continua)


  • "Um anjo desejei ter a meu lado...E o anjo que sonhei achei-o em ti!...
    C. A. de Sá
     
    És um anjo d’amor — um livro d’ouro,
    Onde leio o meu fado
    És estrela brilhante do horizonte
    Do Bardo enamorado...   (continua)

  • "Saberás que não te amo e que te amo posto que de dois modos é a vida,
    A palavra é uma asa do silêncio, o fogo tem uma metade de frio.
    Eu te amo para começar a amar-te, para recomeçar o infinito
    E para não deixar de amar-te nunca: por isso não te amo ainda.
    (continua)


  •    O poema 'A Terra Desolada' de T. S. Eliot, compoe-se de 5 partes e nele encontramos um resumo da história do pensamento ocidental. Há referências à literatura europeia, à literatura indiana e à Antiguidade clássica. Símbolo da civilização sem rumo do pós-Primeira Guerra, o poema contribuiu, ao longo de seus mais de 400 versos, para... (continua)


  • "O que penso eu do mundo?
    Sei lá o que penso do mundo!
    Se eu adoecesse pensaria nisso.
    Que idéia tenho eu das cousas?
    Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
    ​(continua)


  • "Eu vou te contar que você não me conhece
    E eu tenho que gritar isso porque você está surdo e não
    Me ouve
    A sedução me escravisa a você
    Ao fim de tudo você permanece comigo mas prezo ao que
    Eu criei...
    (continua)


  •    “É preciso estar sempre embriagado. Eis aí tudo: é a única questão. Para não sentirdes o horrível fardo do tempo que rompe os vossos ombros e vos inclina para o chão, é preciso embriagar-vos sem trégua. Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa maneira. Mas embriagai-vos...  (continua)


  •      "Minh'alma, de sonhar-te, anda perdida
    Meus olhos andam cegos de te ver!
    Não és sequer razão de meu viver,
    Pois que tu és já toda a minha vida!
    Não vejo nada assim enlouquecida...
    (continua)


  • “Donde vem? onde vai?  Das naus errantes 
    Quem sabe o rumo se é tão grande o espaço? 
    Neste saara os corcéis o pó levantam,  
    Galopam, voam, mas não deixam traço.
       Bem feliz quem ali pode nest'hora 
    Sentir deste painel a majestade!
    (continua)


Copyright 2011-2024
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília