Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Mico da arte: o gato por lebre do burro

Enviado por Gilberto Godoy
mico-da-arte--o-gato-por-lebre-do-burro

     Que me perdoem os críticos  de arte, cinema, literatura... mas seu papel sempre me pareceu um pouco cruel, ajuízam e julgam o trabalho de outros podendo afundar na miséria. Entendidos que são, não é incomum que se equivoquem ao fazer alguma resenha crítica a respeito de um trabalho, Pois foi isso que aconteceu com o quadro "Coucher de soleil sul l'Adriatique".

     Corria o ano de 1910 e a exposição O Salão dos Independentes, organizada anualmente em Paris pela Sociedade dos Artistas Independentes, exibia uma obra que chamou a atenção dos críticos e que todos elogiaram ao extremo. O nome do quadro era "Coucher de soleil sul l'Adriatique" (Por de sol no Adriático) supostamente pintado por um genovês, completamente desconhecido, chamado Joachim-Raphaël Boronali.

     No final da exposição, quando o quadro se tornara um grande sucesso de crítica e Boronali era aclamdo pelos críticos de arte, o escritor Roland Dorgelés apresentou-se na sede do jornal Le Matin para revelar a identidade de Boronali: era um burro chamado Lolo.

     Dorgelés e alguns amigos levaram o burro a uma casa abandonada onde amarraram pincéis no seu rabo e estimulavam o animal a balançá-lo de lá pra cá de forma a pincelar uma tela providencialmente colocada atrás do animal. Ademais Boronali é um anagrama de Aliboron, um dos nomes dados ao burro na Idade Média.

     Apesar da patacoada, a obra foi ainda vendida por 400 francos, uma pequena fortuna para a época, que foram doados a um orfanato e hoje faz parte da coleção permanente do espaço cultural Paul Bedu em Milly-la-Forêt. Muitos críticos permaneceram calados durante aquela temporada.

Fonte: Metamorfose Digital

 

  • Burro Lolo

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Banksy é o pseudônimo de um grafiteiro, pintor, ativista político e diretor de cinema inglês. Sua arte de rua satírica e subversiva combina humor negro e graffiti feito com uma distinta técnica de estêncil. Seus trabalhos de comentários sociais e políticos podem ser encontrados em...   (continua)


  •    O legado de Monet deixou-nos uma visão estética muito particular do mundo, do mundo como eles não só o viram, senão como quiseram ver. Uma imagem do mundo filtrada pela câmera do olho. Neste vídeo filmado em 1915 podemos ver como a câmera de vídeo...   (continua)


  •    Compreender a história da arte nunca foi fácil. Mas o 'redditor DontTacoBoutIt',  uma conta que já não existe mais, postou uma série de pinturas famosas e deu explicações curtas, mas divertidamente precisas sobre como reconhecer seus autores. Segundo ele, por exemplo, as obras de...   (continua)


  •    Oscar-Claude Monet (Paris, 14 de novembro de 1840 — Giverny, 5 de dezembro de 1926) foi um pintor francês e o mais célebre entre os pintores impressionistas. O termo impressionismo surgiu devido a um dos primeiros quadros de Monet, "Impressão, nascer do sol", quando...   (continua)


  •    O Gato de Botas, um dos mais interessantes dos Contos de Perrault, mereceu uma deliciosa gravura de Doré. A cara do gato conta logo quem é esse grande finório, cheio de truques, inventivo, e que muito ajuda seu amo, o filho do moleiro que graças ao...   (continua)


  •    Paul Cézanne nasceu em 19 de janeiro de 1839, no sul da França, na Provença, região procurada por muitos pintores e artistas pela luminosidade esplêndida e suave que fez e faz a delícia de quem por lá anda. Sua cidade natal é a bela Aix-en-Provence...   (continua)


  •    Bobbie vive a vida ao máximo. Ela vê o positivo em cada situação e aprende com isso. A força interior, profundidade e inteligência de Bobbie se refletem em suas esculturas de bronze. Ela estudou em muitos dos notáveis ​​artistas de hoje e toma influência de Leonardo Bistolfi, Solon e ...   (continua)


  •      Edward Hopper, o mais conhecido pintor realista americano, disse uma vez: “O homem é sua obra. Do nada nunca sai coisa alguma”. Essas palavras dão uma pista sobre um artista que era não somente muito cioso de sua intimidade, mas que fez da solidão e da introspecção temas de seus quadros. (Abaixo, à esquerda, auto-retrato, óleo sobre tela, 1925/30).   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília