Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O Expressionismo

Enviado por Gilberto Godoy
o-expressionismo

   O Expressionismo foi um movimento artístico e cultural de vanguarda surgido na Alemanha no início do século XX, transversal aos campos artísticos da arquitetura, artes plásticas, literatura, música, cinema, teatro, dança e fotografia. Manifestou-se inicialmente através da pintura, coincidindo com o aparecimento do fauvismo francês, o que tornaria ambos os movimentos artísticos os primeiros representantes das chamadas "vanguardas históricas". Mais do que meramente um estilo com características em comum, o Expressionismo é sinónimo de um amplo movimento heterogéneo, de uma atitude e de uma nova forma de entender a arte, que aglutinou diversos artistas de várias tendências, formações e níveis intelectuais. O movimento surge como uma reacção ao positivismo associado aos movimentos impressionista e naturalista, propondo uma arte pessoal e intuitiva, onde predominasse a visão interior do artista – a "expressão" – em oposição à mera observação da realidade – a "impressão".

   O expressionismo compreende a deformação da realidade para expressar de forma subjectiva a natureza e o ser humano, dando primazia à expressão de sentimentos em relação à simples descrição objetiva da realidade. Entendido desta forma, o expressionismo não tem uma época ou um espaço geográfico definidos, e pode mesmo classificar-se como expressionista a obra de autores tão diversos como o holandês Piet Zwiers, Matthias Grünewald, Pieter Brueghel, o Velho, El Greco ou Francisco de Goya. Alguns historiadores, de forma a estabelecer uma distinção entre termos, preferem o uso de "expressionismo" – em minúsculas – como termo genérico, e "Expressionismo" – com inicial maiúscula – para o movimento alemão.

   Através de uma paleta cromática vincada e agressiva e do recurso às temáticas da solidão e da miséria, o expressionismo é um reflexo da angústia e ansiedade que dominavam os círculos artísticos e intelectuais da Alemanha durante os anos anteriores à Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e que se prolongaria até ao fim do período entre-guerras (1918-1939). Angústia que suscitou um desejo veemente de transformar a vida, de alargar as dimensões da imaginação e de renovar a linguagem artística. O expressionismo defendia a liberdade individual, o primado da subjectividade, o irracionalismo, o arrebatamento e os temas proibidos – o excitante, diabólico, sexual, fantástico ou perverso. Pretendeu ser o reflexo de uma visão subjectiva e emocional da realidade, materializada através da expressividade dos meios plásticos, que adquiriram uma dimensão metafísica, abrindo os sentidos ao mundo interior. Muitas vezes visto como genuína expressão da alma alemã, o seu carácter existencialista, o seu anseio metafísico e a sua visão trágica do ser humano são características inerentes a uma concepção existencial aberta ao mundo espiritual e às questões da vida e da morte. Fruto das peculiares circunstâncias históricas em que surge, o expressionismo veio revelar o lado pessimista da vida e a angústia existencialista do indivíduo, que na sociedade moderna, industrializada, se vê alienado e isolado.

   O expressionismo não foi um movimento homogéneo, coexistindo vários polos artísticos com uma grande diversidade estilística, como a corrente modernista (Munch), fauvista (Rouault), cubista e futurista (Die Brücke), surrealista (Klee), ou a abstracta (Kandinsky). Embora o seu maior polo de difusão se encontrasse na Alemanha, o expressionismo manifestou-se também por meio de artistas provenientes de outras partes da Europa como Modigliani, Chagall, Soutine ou Permeke, e no continente americano como, por exemplo, os mexicanos Orozco, Rivera, Siqueiros e o brasileiro Portinari. Na Alemanha existiram dois grupos dominantes: Die Brücke (fundado em 1905), e Der Blaue Reiter (fundado em 1911), embora tenha havido artistas independentes e não afiliados com nenhum dos grupos. Depois da Primeira Guerra Mundial surge a Nova Objetividade que, embora tenha sido uma reação ao individualismo expressionista e procurasse a função social na arte, a sua distorção das formas e o seu intenso colorido fazem do grupo um herdeiro directo da primeira geração expressionista.

     Fonte: Wikipédia

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O legado de Monet deixou-nos uma visão estética muito particular do mundo, do mundo como eles não só o viram, senão como quiseram ver. Uma imagem do mundo filtrada pela câmera do olho. Neste vídeo filmado em 1915 podemos ver como a câmera de vídeo...   (continua)


  •    Compreender a história da arte nunca foi fácil. Mas o 'redditor DontTacoBoutIt',  uma conta que já não existe mais, postou uma série de pinturas famosas e deu explicações curtas, mas divertidamente precisas sobre como reconhecer seus autores. Segundo ele, por exemplo, as obras de...   (continua)


  •    Oscar-Claude Monet (Paris, 14 de novembro de 1840 — Giverny, 5 de dezembro de 1926) foi um pintor francês e o mais célebre entre os pintores impressionistas. O termo impressionismo surgiu devido a um dos primeiros quadros de Monet, "Impressão, nascer do sol", quando...   (continua)


  •    Que me perdoem os críticos de arte, cinema, literatura... mas seu papel sempre me pareceu um pouco cruel, ajuízam e julgam o trabalho de outros podendo afundar na miséria. Entendidos que são, não é incomum que se equivoquem ao fazer alguma resenha crítica a respeito de...   (continua)


  •    O Gato de Botas, um dos mais interessantes dos Contos de Perrault, mereceu uma deliciosa gravura de Doré. A cara do gato conta logo quem é esse grande finório, cheio de truques, inventivo, e que muito ajuda seu amo, o filho do moleiro que graças ao...   (continua)


  •    Paul Cézanne nasceu em 19 de janeiro de 1839, no sul da França, na Provença, região procurada por muitos pintores e artistas pela luminosidade esplêndida e suave que fez e faz a delícia de quem por lá anda. Sua cidade natal é a bela Aix-en-Provence...   (continua)


  •    Bobbie vive a vida ao máximo. Ela vê o positivo em cada situação e aprende com isso. A força interior, profundidade e inteligência de Bobbie se refletem em suas esculturas de bronze. Ela estudou em muitos dos notáveis ​​artistas de hoje e toma influência de Leonardo Bistolfi, Solon e ...   (continua)


  •      Edward Hopper, o mais conhecido pintor realista americano, disse uma vez: “O homem é sua obra. Do nada nunca sai coisa alguma”. Essas palavras dão uma pista sobre um artista que era não somente muito cioso de sua intimidade, mas que fez da solidão e da introspecção temas de seus quadros. (Abaixo, à esquerda, auto-retrato, óleo sobre tela, 1925/30).   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília