Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O livro dos abraços - Eduardo Galeano

Enviado por Gilberto Godoy
o-livro-dos-abracos----eduardo-galeano

     Eduardo Galeano nasceu em Montevidéu, em 1940. Mais que o Galeano conhecido por qualquer um que já tenha ouvido falar de "uma américa latina de veias abertas", ele é o autor das palavras que andam, do mundo que vaga, dos mais de 30 títulos traduzidos em mais de 20 idiomas.

     'O livro dos abraços' traça um caminho para o fantástico, que passa pelo absurdo e pelo protesto. Como outras obras do autor, nasce do resultado de suas andanças. Uma tentativa quase poética de 'congelar a memória'. Pequenos momentos, aqueles que sacodem a alma da gente sem a grandiloquência dos heroísmos, mas com a grandeza da vida.

     O começo incita uma certa inquietação, dessas que vêm só para depositar uma interrogação irritante e depois ir embora. Não sabemos ao certo o que Galeano quer mostrar, quem são as personagens, o porquê de estarem ali, mas sabemos que deve valer o risco. De um pequeno conto entitulado O mundo, sai a primeira síntese dos pensamentos do autor. "O mundo é isso, um montão de gente, um mar de fogueirinhas". Com a calma que nos é requisitada, continuamos a girar os olhos pelas páginas que seguem e, aos poucos, vão despontando cenários, personagens, criaturas míticas, fábulas: tudo aquilo que, até o final da última página, já estaremos pegando pela mão e chamando pelo nome. De súbitas guerras e relatos doloridos de tortura, a possibilidade de botar reparo nas pequenas coisas, de questionar o papel da arte, desbravar fronteiras não apenas geográficas do mapa da América, mas da moral humana.

     O autor escreve pequenos contos que acabam numa página; outros maiores que logo ganham duas ou três, em que as reticências parecem aparecer para resguardar a melhor parte. O Livro dos Abraços é composto de histórias estilhaçadas que encontram a parte que lhes falta. É o livro da minúcia. Um trabalho de colagem de histórias que nos distrai a ponto de que, num momento que nunca saberemos ao certo, descobrimos que os personagens do começo são os mesmos do final do livro. Que a mulher que ele tanto destaca é, na verdade, a Helena de sempre, sua mulher, sua Dona Esperança!

     E assim, num livro que nem é biografia, em contos que nem são ficção, acabamos sabendo de Galeano como pessoa que casou, teve filhos, fome de abraços, saudade da pátria, infarto do miocárdio e simpatia por Portinari. Galeano conduz uma lanterna que observa o movimento tranqüilo da narrativa. Observa as palavras que se dispersam para voltar a se esbarrarem e, finalmente, se abraçarem. Parece banal se pensarmos pequeno, mas Galeano dá voz a todas às histórias que encontra por aí abandonadas para compor um livro de agradáveis relatos que tentam, a partir da despretensão, resgatar a grandeza das pequenices da vida.

     O Livro dos Abraços é uma leitura de encantamentos rumo à percepção de pequenas sutilezas que dão sentido à vida! A editora alerta: 'abra este livro com cuidado: ele é delicado e afiado como a própria vida. Pode afagar, pode cortar. Mas seja como for, como a própria vida, vale a pena?.'  Confira!

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Conhecida como 'A Nostradamus do Marketing', a nova-iorquina Faith Popcorn analisa neste livro o comportamento do consumidor e suas influências no mercado de consumo. Especialista em fazer previsões de marketing, Popcorn, através de pesquisas permanentes, consegue prever tendências de comportamento, produtos que podem virar sucesso, e como as empresas devem se comportar no mercado.   (continua)


  •    Seis escritorores consagrados que não enxergavam direito: 1)Homero
       O autor grego dos poemas épicos Ilíada e Odisseia é muito controverso. Nem mesmo o século de seu nascimento é muito preciso. O século 8 a.C. é conhecido como a “data de Homero”, a época em que supostamente os poemas...   (continua)


  •    Sapiens é um livro impactante. De fato, questiona nossas ideias preconcebidas a respeito do universo. Um relato eletrizante sobre a aventura de nossa extraordinária espécie – de primatas insignificantes a senhores do mundo. O que possibilitou ao Homo sapiens dominar as demais espécies?   (continua)


  •    O site espanhol Que Leer disponibilizou uma matéria associando os principais livros lançados entre 1911 e 1999 à suas respectivas datas de publicação. Como a internet faz estas matérias viajarem sem fronteiras, o Homo Literatus traz a lista de títulos já lançados no Brasil, em português e poucos ainda não...   (continua)


  •    "Raimund Gregorius é um homem culto, professor de línguas clássicas. Um dia se levanta durante uma aula e sai da sala. Assustado com a súbita consciência do tempo que se esvai, deixa para trás sua rotina bem organizada e pega o trem noturno para Lisboa. Na bagagem, leva um livro do português...   (continua)


  •    Os 100 melhores livros da literatura mundial, em todos os gêneros e de todos os tempos. As obras foram escolhidas a partir da importância para a humanidade e para a literatura mundial. Muitas, de semelhante valor literário e histórico, foram deixadas de lado neste momento mas serão contempladas...   (continua)


  •    Sabe-se muito pouco sobre a vida de Shakespeare, e ninguém pode dizer ao certo o que é verdade ou invenção no pouco que se sabe. Encontrei o livro numa livraria de língua inglesa em Munich. O título era irresistível: “Nabokov’s Shakespeare”. O William Shakespeare de Vladimir Nabokov!   (continua)


  •    O livro Todos os homens são mortais, de Simone de Beauvoir, conta a história de Fosca, rei de Carmona, personagem nascido no ano de 1279 (séc. XIII), que em uma situação de angustia - seu reino estava sendo ameaçado pelos genoveses - bebe o remédio da imortalidade, que, ao contrário do que...   (continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília