Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A história da Veuve Clicquot

Enviado por Gilberto Godoy
a-historia-da-veuve-clicquot

     Veuve Clicquot Ponsardin é uma casa de champanhe de Reims, França, e uma marca de champanhe, facilmente reconhecida pelo distinto rótulo laranja em sua garrafa. Fundada em 1772 por Philippe Clicquot-Muiron, Veuve Clicquot (pronunciado grosso modo vuuv clicô [ponsardan] desempenhou um importante papel no estabelecimento da champanhe como bebida escolhida pela nobreza e pela rica burguesia europeia. Situada em Reims, Veuve Clicquot faz parte do grupo Louis Vuitton Moët Hennessy de artigos de luxo desde 1987.

      História
 
     Nicole-Barbe Ponsardin, nascida em 16 de dezembro de 1777, casou-se com François Clicquot, filho de Philippe Clicquot-Muiron, em 10 de junho de 1798. Mas seu marido morreu em 23 de outubro de 1805, deixando-a viúva (veuve em francês) e no controle da companhia. Até aquele momento, a companhia dividia suas atividades entre a produção de champanhe, serviços bancários e comercialização de lã. Sob comando de Madame Clicquot, a companhia concentrou seu foco inteiramente na produção de champanhe.
 
     Durante as Guerras Napoleônicas, foi bem sucedida exportando sua champanhe (ao Império Russo em 1814, entre outros) e estabelecendo-a nas cortes reais. Na corte brasileira, remessas desta champanhe foram enviadas por encomenda ao imperador Pedro II.
 
     O processo de industrialização da produção de champanhe é creditado a Madame Clicquot no início do século XIX. Com a ajuda de seu mestre de adega, Antoine de Müller, Clicquot inventou o riddling rack (inclinação gradual das garrafas até a vertical), que permitia o dégorgement (degolação, eliminação) de restos de levedura e sedimentos do vinho num processo de purificação da bebida.

     A invenção de Clicquot compunha-se de uma mesa de madeira com buracos circulares perfurados nela, que permitia à garrafa de vinho ser presa sur point (de ponta a cabeça após centrifugação manual). Todo dia, um ajudante de mestre de adega cuidadosamente sacudia e girava (remuage) a garrafa para conduzir os restos de levedura e sedimentos acumularem-se no gargalo. Uma vez acumulados, a tampa era congelada. Após a retirada da rolha, os sedimentos eram expulsos naturalmente pela expansão dos gases. O vinho, purificado, era novamente lacrado com rolha. A champanhe Veuve Clicquot tem o selo de autorização real, dada por Elizabeth II para comercialização na Grã-Bretanha.
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Blog do Wessel
    ​  Kebab de cordeiro com pesto de hortelã  -  Um dos mais tradicionais pratos do Oriente Médio é o Kebab, Shish Kebab ou simplesmente espetinho. Kebab em persa significa frito e shish em turco é espetinho. Por isso o verdadeiro nome deste prato é Shish Kebab, que...   (continua)


  •    Um bom vinho fica ainda melhor com uma boa leitura. Para quem gosta de vinho e história, a dica de hoje é o livro "Vinho & Guerra", que narra as aventuras de famílias das regiões vinícolas francesas, durante a II Guerra Mundial, que arriscaram suas próprias vidas para...   (continua)


  •    O verdadeiro amante da bebida faz questão de se aprofundar nas curiosidades e conhecimentos em torno do vinho. Se você se encaixa nesse perfil, vale a pena conferir algumas questões que caracterizam o Velho e o Novo Mundo, sob a visão de um dos profissionais que...   (continua)


  •    Já chegou ao Brasil o vinho Toro Loco Tempranillo, fabricado na região de Utiel-Requena, na província espanhola de Valencia. O rótulo foi eleito um dos melhores do mundo por especialistas em uma competição no Reino Unido.   (continua)


  •    A gastronomia de São Paulo não deve nada pra nenhuma cidade do mundo. Listamos 7 restaurantes fantásticos na terra da garoa. Escolhemos segundo o nosso paladar, restaurantes que nos deixam muito felizes, e torcemos para que esses lugares tragam a mesma sensação para vocês.   (continua)


  •        Você sabe em que país se consome mais café?
          O café é uma das bebidas mais consumidas no mundo. Por meio-termo, a nível mundial uma pessoa consome 1,3 kg de café ao ano. Mas este número decuplica se citarmos os maiores consumidores de café do mundo, os finlandeses (12 kg por pessoa ao ano), seguidos pelos noruegueses (quase 10 kg), os suecos (8,4 kg) e os holandeses (8,2).   (continua)


  •       É um conhecimento comum que o vinho é um suco de uva que foi fermentado e envelhecido. Poderíamos perguntar por isso, porque o custo dispara a céu alto? Vinhos caros não são necessariamente onerosos, devido ao tipo de uva a que pertencem. Os produtores deste vinho são creditados a fazer este vinho mais macio, maduro, velho e bem fermentado. Além de um intrincado processo de extração , fermentação e engarrafamento , há uma química complexa que deve ser implementada no processo.   (continua)


  •    Pese que o Brasil  seja um dos maiores produtores e exportadores de café do mundo, o café que tomamos é em essência um dos piores, já que quase a totalidade dos grãos nobres tem como destino a exportação. Ainda assim, a maioria dos brasileiros acorda com um boa xícara ou caneca de café quente pela manhã...   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília