Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A lógica da tolerância com o racismo

Enviado por Gilberto Godoy
a-logica-da-tolerancia-com-o-racismo


      Wedencley Alves

     Era uma vez um país que acreditava viver uma imensa democracia racial. Afinal, saídos da senzala, negros eram bem tolerados na cozinha, na copa, e até na sala de estar, quando os patrões não tratavam de assuntos mais sérios.
 
     A primeira fase começou a ser ultrapassada a partir dos anos 60, quando este país começou a receber influxos de movimentos civis de um irmão mais ao norte.
 
     Depois esta quase-nação, ao sul do Equador, começou a desconfiar que aquela democracia não era tanta assim.
 
     Finalmente, admitiu, meio a contragosto, que entre a cozinha e a sala, havia um corredor imenso, longo de tristezas, humilhações e sofrimentos.
 
     Imediatamente, sem poder negar que havia o racismo, passou-se a uma outra esfera de defesa do status quo: a progressão do negro à sala deveria ser dada aos poucos, sem rupturas, sem tons mais altos, assim, diria, numa espécie de abertura lenta, gradual e segura.
 
     Isso tudo porque este país, de uma hora para outra, progredia na consciência do seu próprio racismo cordial.
 
     Anos 70 eram eles; e 80; e mais um pouco...

     Quando as vozes contra a hipocrisia racial ganham as ruas e as redes, nos anos 90, imediatamente, passamos à terceira fase da reação: o reconhecimento do racismo, dos seus males, e sua  incriminação, com uma estranha condição.
 
     E assim, naquele país, tão lento em se reconhecer, que já tem a corrupção sem corruptor, inventou o racismo sem racista.
 
     Inimputabilidade geral e irrestrita
 
     Uma jovem se dirige ao twitter e proclama: "Faça bem a SP, mate um nordestino por dia!". O caso provoca furor em alguns setores.
 
     Mas imediatamente surgem as vozes do racismo sem racistas: "É apenas uma menina, sem juízo, e sem culpa".
 
     Uma torcida agride verbalmente de forma grave um atleta de vôlei. No dia seguinte, "Não se pode confundir manifestações de torcida e racismo".
 
     Um mulher de idade usa palavras extremamente humilhantes contra um pedinte: "É apenas uma senhora".
 
     Um professor de uma Universidade do Planalto Central agride verbalmente o aluno: "É só um destemperado, um grosseiro".
 
     Se esses mesmos personagens, que usaram e abusaram do direito de injuriar e discriminar, tivessem cometido qualquer outro crime, um roubo, uma sonegação de impostos, um homicídio, deveriam todos ser conduzidos à delegacia, autuados em flagrante (sim, foram flagrantes) e passariam à condição de investigados, quem sabe, processados, com todo o direito à defesa que uma democracia lhes garante.
 
     O que acontecerá depois daí é obra para a lei.
 
     Mas a detenção de racistas, o processo contra eles, é como algemar banqueiros: sempre causa alguma indignação.
 
     Resta que fique bem claro se queremos ou não tipificar o racismo como crime. Porque, no fundo, é esta a discussão que, na fase terceira, ainda está em jogo e que, pelo jeito, só será resolvida numa quarta fase.
 
     Pelo simples fato de que, assim como não existe país sem nome, não há crime sem autor.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Imagens de 1993 que mostram o primeiro contato de um homem branco com uma tribo da Papúa Nova Guiné. A tribo chama-se Toulambi e as reações ao ver um homem branco são emocionantes. Coloquem-se na situação deles, pensando como seria ver...   (continua)


  •    Cada língua possui expressões próprias que, orgulhosamente, se apresentam como intraduzíveis em outros idiomas, recipientes de práticas culturais, hábitos, costumes perseguidos em anos e anos de história que...   (contnua)


  •    "Mesmo que não possamos adivinhar o tempo que virá, temos ao menos o direito de imaginar o que queremos que seja.  As Nações Unidas tem proclamado extensas listas de Direitos Humanos, mas a imensa maioria da humanidade não tem mais que os direitos de: ver, ouvir, calar.   (continua)

  •    Um relatório elaborado por Cynthia Quiroga, psicóloga colombiana (o cantor Carlos Gardel morreu em 1935 na colombiana Medellín), integrante da Universidade de Frankfurt (Alemanha, terra onde foi inventado o bandonenón) afirma que o tango eleva o desejo sexual. A Universidade recomenda o tango para casais com problemas de baixa testosterona.   (continua)


  •      Um ritual secular indiano determina que castas hindus consideradas inferiores devem rolar nos restos de alimentos consumidos por membros de uma casta superior. Mas nem é o próprio ritual que é estranho. A parte mais esquisita é que, enquanto ativistas sociais estão realmente buscando proibir a prática, os hindus de "baixa casta" não admitem parar de rolar nas sobras.   (continua)


  •    "Pina", documentário de Wim Wenders sobre a dançarina e coreógrafa alemã Pina Bausch (1940-2009), causou comoção em Berlim. Segundo filme em 3D exibido no festival neste domingoi(13), foi considerado por muitos jornalistas e críticos uma experiência emocionante e profunda. Exibido na seleção oficial sem concorrer ao Urso de Ouro, é um...   (continua)


  •    Moscow City Symphony "Russian Philharmonic", Phonograph Jazz Band. Conductor: Honoured Artist of Russia Sergey Zhilin, Soloists: Yuri Medyanik (bandoneon), Rodion Petrov (violin), Pair of dancers: Inna Svechnikova, Dmitry Chernysh.


  •    Ao longo de toda a existência, o homem sempre buscou formas de perpetuar o seu conhecimento e transmiti-lo a gerações futuras. O que seria da história ou do conhecimento se os episódios e vicissitudes da humanidade não estivessem escritos e armazenados em algum lugar? Simplesmente seriam fatos que...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília