Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A morte não existe, segundo Robert Lanza

Enviado por Gilberto Godoy
a-morte-nao-existe--segundo-robert-lanza

   O cientista estadunidense Robert Lanza afirma que tem provas definitivas para confirmar que a vida após a morte existe e que de fato a morte, por sua vez, não existe da maneira em a que a percebemos. Após a morte de seu velho amigo Michele Besso, Albert Einstein disse:

   - "Agora Besso se foi deste estranho mundo um pouco adiante de mim. Isso não significa nada. Gente como nós [...] sabe que a distinção entre o passado, o presente e o futuro é só uma ilusão obstinadamente persistente." Novas provas continuam sugerindo que Einstein tinha toda a razão ao dizer que a morte não é mais do que uma ilusão. 

   Robert opina que a resposta à pergunta "Que há além da morte?", sobre a qual os filósofos vivem reflexionado há séculos arraiga na física quântica, e em concreto na nova teoria do biocentrismo. Segundo o cientista, da Escola de Medicina da Universidade Wake Forest, na Carolina do Norte, a solução a essa questão eterna consiste na ideia de que o conceito da morte é um mero produto de nossa consciência.

   O professor afirma que o biocentrismo explica que o universo só existe devido à consciência de um indivíduo sobre ele mesmo. O mesmo acontece com os conceitos de espaço e tempo, que Robert descreve como "meros instrumentos da mente".

   Em um post publicado no site do cientista, Robert Lanza explica que com esta teoria o conceito da morte como a conhecemos "não existe em nenhum sentido real", já que não há certos limites segundo os quais possa ser definido. 

   - "Essencialmente, a ideia de morrer é algo que sempre nos ensinaram a aceitar, mas em realidade só existe em nossas mentes", opina Robert. Assim mesmo, evidentemente, cremos na morte porque associamos com nosso corpo e sabemos que os corpos físicos morrem. 

   Nossa maneira clássica de pensar baseia-se na crença de que o mundo tem uma existência objetiva independente de um observador. Mas uma longa lista de experimentos demonstra todo o contrário. O novo biocentrismo, a teoria elaborada pelo cientista, supõe que a morte não pode ser um evento terminal, tal e qual costumamos considerar. 

   Robert Lanza indica também que o biocentrismo é similar à ideia de universos paralelos, a hipótese formulada por físicos teóricos segundo a qual há um número infinito de universos e tudo o que poderia acontecer ocorre em algum deles. A morte não existe em nenhum sentido real nestes cenários. Existem todos os universos possíveis simultaneamente, independentemente do que ocorre em qualquer deles. 

   Em termos de como esse conceito afeta a vida após a morte, o professor explica que, quando morremos, nossa vida se converte em uma "flor perene que volta a florescer no multiverso" e agrega que "a vida é uma aventura que transcende nossa forma linear ordinária de pensar; quando morremos, não o fazemos segundo uma matriz aleatória, senão segundo a matriz inevitável da vida". 

   - "A morte não existe em um mundo sem espaço nem tempo. A imortalidade não significa a existência perpétua no sistema temporário, senão que se encontra completamente fora do tempo", sublinha Robert Lanza.


   Fonte: Independent

Comentários

  • por: Natalucia Lourenço Medeiros em sábado, 19 de abril de 2014
    A versão ampliada do filme "Quem somos nós" faz citação a essas questões intrigantes... sempre a mente...

Também recomendo

  •    Alva Noë é um filósofo e professor universitário. O foco principal de sua obra é a teoria da percepção e da consciência. Além desses problemas na dita ciência cognitiva e a filosofia da mente, ele está interessado na fenomenologia, a teoria da arte, Wittgenstein, e as origens da filosofia analítica.


  • “Mas e  a vida? A vida é etc... o correr da vida embrulha tudo.
    O que ela quer da gente é coragem! Vivendo se aprende. Mais?
    É só fazer outras maiores perguntas porque
    Aprender a viver é que é o viver mesmo.”
    ​João Guimarães Rosa


  •    Grande parte das dificuldades matématicas dos alunos deve-se a incapacidade deles compreenderem os enunciados dos problemas ou das atividades propostas em sala de aula, isto porque o nível de aprendizagem de Língua Portuguesa é baixo. As avaliações, feitas na últimas décadas, apontam que pouco mais de um quarto dos alunos conseguem compreender o que leem.   (continua)


  •      René Girard, nascido em Avignon, França (25 de dezembro de 1923). Formou-se em Filosofia,(1941), conclui sua pós-graduação em História (1947) como arquivista paleógrafo, com tese “ vida privada de Avignon na segunda metade do século XIX”, na École Nationale des Chartes, Paris. Conseguira seu PHD na Indiana University (1950), com a tese “A opinião americana sobre a França, 1940-1943”.   (continua)


  •    Em nosso mundo, não há natureza das coisas, entende-se que tudo seja uma construção social. Delírio puro. Prefiro os antigos, justamente por perceberem que são os limites que nos humanizam, e não o desejo sem limites. Os inteligentinhos dirão coisas como "conservador!". Mas a vida segue, o mundo se acabará um dia, e os inteligentinhos dirão, em seu último grito de agonia, "opressão!".   (continua)


  •    Um excelente documentário sobre autoconhecimento, busca da felicidade e o sentido da vida. Foram entrevistadas trinta pessoas, incluindo líderes espirituais, filósofos, intelectuais, artistas, esportistas etc. Traz uma reflexão contemporânea sobre estas questões tão importantes para a consciência de quem somos nós nesse universo extraordinário. O depoimento dessas pessoas, a experiência deles pode ser útil para alguns.   (continua)


  •    A vida em sociedade e as consequentes inter-relações pessoais exigem a formulação de regras de conduta que disciplinem a interação entre as pessoas, tem o objetivo de alcançar o bem comum, a paz e a organização social. Tais regras, chamadas normas éticas ou de conduta, podem ser de natureza moral, religiosa e jurídica.   (continua)


  •    Punir os excessos do mal, mas não eliminar a causa. Esse é o destino da Ética no discurso pós-moderno repleto de palavras mágicas como "responsabilidade", "transparência", "sinceridade" etc. De ciência da moral que buscava as bases racionais da Verdade e do Bem, hoje a Ética é absorvida pelo subjetivismo, relativismo e fragmentação.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília