Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Amor pela internet

Enviado por Gilberto Godoy
amor-pela-internet


     Os tempos definitivamente estão mudados e mudando. A história contada pela Wally evidencia parte desta mudança. As implicações sociais destas mudanças ainda não são claramente percebidas por nós.

     Wally Osvanilda Iost Wenzel Martins Elsissy nasceu em 1976 na cidade de Rio Claro. É professora de inglês e foi na tentativa de aprimorar seu domínio do idioma pela internet que ela conheceu seu grande amor. Leia a explicação dela abaixo.

"Foi na internet que tudo começou.
Sou professora de inglês e logo que adquiri internet (dezembro/2001) comecei a frequentar salas de bate-papo internacionais para praticar e "estar em dia" com as novidades do idioma.
Fiz diversas amizades em todas as partes do mundo.
Certo dia, ou melhor, certa noite, como de costume, entrei no mIRC para bater papo.
Um "nick" atraiu minha atenção: "Adham" – que nome diferente, pensei.
E resolvi dizer "hello".
Descobri que ele era egípcio! Adorei a ideia de fazer amizade com alguém daquela terra encantada e misteriosa.
Bem, daquele "chat" nasceu uma linda amizade, que, após alguns meses (3 ou 4) transformou-se em namoro!
Insisti para que ele me mandasse uma foto via e-mail e, um dia, finalmente isso aconteceu.
A foto não eram bem nítida, mas isso não importava, eu já o amava!
Conversávamos todos os dias no MSN e às vezes usávamos o microfone.
Também falávamos no telefone – gastei uma fortuna com conta telefônica!
Bem, de repente, surgiu uma oportunidade única de eu visitá-lo no Egito.
Na verdade, eu não tinha condições para fazer tal viagem, para isso eu teria que vender parte de minha herança... Não pensei duas vezes!
Aproveitei as férias de julho de 2002 e lá fui eu! Meus amigos chamaram-me de louca por me aventurar sozinha numa terra estranha com pessoas "desconhecidas", mas meus pais e meu irmão me apoiaram o tempo todo.
Parecia um sonho... Eu não conseguia acreditar que ia encontrar o amor de minha vida.
Assim que desembarquei no Cairo, lá estava ele me esperando com a camisa que ele vestia na foto.
Ignorei tudo e todos (inclusive os costumes daquela terra tão distante), corri em sua direção, esquecendo minha mala para trás, joguei-me em seus braços e beijei-o apaixonadamente sem me importar com o que acontecia ao meu redor. Os 28 dias que passei em sua casa foram FANTÁSTICOS!
Ele veio me visitar em janeiro/2003. Ficou 40 dias, voltou pro Egito pra terminar a faculdade (ele tinha apenas 21 anos)
E depois veio para ficar, chegou em novembro de 2004...
Jamais imaginávamos que enfrentaríamos tantos problemas para "conseguirmos" casar.
Quando demos entrada nos papéis de casamento, uma triste surpresa: o cartório de minha cidade não aceitou os documentos dele, faltava alguma coisa.
Lá foi ele, sozinho, para Brasília, com a pouca bagagem de português que possuía, obter o tal documento.
Depois de tal façanha, voltamos ao cartório e recebemos outro não!
Liga aqui, liga ali, tentando resolver o problema e nada.
E o tempo passando. O visto dele perto de expirar. (Ai meu Deus, que nervoso.)
Tentamos o cartório de São Paulo (tenho parentes morando na capital), que aceitava o tal documento, mas com uma condição: tinha que ser carimbado pela embaixada brasileira no Egito, juntamente com todos os outros documentos. Não tínhamos tempo.
Voltamos desolados e sem saber ao certo o que fazer.
Foi então que, após um longo e cansativo dia de trabalho, o telefone tocou! Era minha prima, dizendo que a prima dela, que se casou com um argentino, tinha tido o mesmo problema e conseguiu se casar no cartório de uma cidadezinha do interior.
Lá fomos nós tentar a nossa sorte. Pensamos em alugar uma casa lá por um tempo, mas não foi necessário, uma amiga nos acolheu.
Depois de 6 meses tentando, o casamento aconteceu!
Mal acreditávamos, depois de tanto "sufoco", depois de "ralar" tanto, tínhamos o papel que fazia de mim sua esposa. Finalmente!
Os dois primeiros anos de casados foram meio turbulentos.
Eu sou uma pessoa difícil e dei um pouco de trabalho.
Talvez porque não tivemos um tempo de namoro "em pessoa". Mas, com o tempo, a gente vai aprendendo que dividir a vida com alguém significa mais do que dividir uma simples casa. significa abrir mao de algumas coisas, fechar o olho para outras e desfrutar muita coisa boa se soubermos dar valor ao que realmente tem valor."

     Tire as suas conclusões!

     Fonte: Museu da Pessoa

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    "Todos temos manias, uns gostam de cavalos, outros de cães, outros querem ouro e alguns outros honrarias. Quanto à mim, nenhuma dessas coisas me atrai, mas tenho paixão por amigos." Sócrates


  •   Quando foi a última vez que você reclamou? Tenho certeza que faz bem menos tempo do que você lembra. Ao longo de 21 dias me policiei como poucas vezes precisei fazer em minha vida. Não é exagero. Ficar sem reclamar por tanto tempo exige...   (continua)


  •    Com a chegada da gravação de vídeo às câmeras DSLR, muitos dos fotógrafos de casamento já não só se encarregam muitas vezes de imortalizar estes eventos com fotografias, senão que já realizam também o vídeo do mesmo, e...   (continua)


  •    Um estudo publicado na revista científica "Family Psychology" demonstra que é melhor estar só do que com a pessoa "errada", já que as relações costumam estar fortemente relacionadas a saúde tanto física como mental.   (continua)


  •    O fato de alguém querer muito a nossa atenção não nos obriga a aceitar sua aproximação. Ao insistir em seu objetivo, mesmo que nos ame, ela estará sendo prepotente e egoísta. Um senhor me acusou de desrespeitoso e mal-educado. Motivo? Não quis falar com ele ao telefone.   (continua)


  •    "São 6 horas da manhã. O despertador canta de galo e eu não tenho forças nem para atirá-lo contra a parede. Estou tão acabada, não queria ter que trabalhar hoje. Quero ficar em casa, cozinhando, ouvindo música, cantarolando, até! Se tivesse filhos, gastaria a manhã brincando com eles. Se tivesse cachorro, passeando pelas redondezas...   (continua)


  •    Definição mais simples e exata sobre o sentido de mantermos uma relação? “Uma relação tem que servir para tornar a vida dos dois mais fácil”.
    O assunto é bom, e merece ser desenvolvido. Algumas pessoas mantém relações para se sentirem integradas na sociedade, para provarem a si mesmas que são capazes de ser amadas, para evitar a solidão, por dinheiro ou por preguiça. Todos fadados à frustração.Uma armadilha.  (continua)


  •    A posição na hora de dormir diz algo sobre a qualidade do seu relacionamento? Segundo uma pesquisa realizada no Reino Unido, sim. O resultado vem de uma série de pesquisas realizadas com mil pessoas durante o Festival Internacional de Ciência de Edimburgo, dirigidas pelo psicólogo Richard Wiseman, professor da Universidade de Hertfordshire.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília