Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Desamparo aprendido

Enviado por Gilberto Godoy
desamparo-aprendido


      O modelo do desamparo aprendido foi proposto por Seligman em 1975. Alunos do curso de psicologia devem dar atenção especial a este experimento pois sua relação com a vida cotidiana pode ser bem identificada.

     Uma coisa que às vezes poupa as pessoas de depressão ou impotência é um sentimento de controle sobre os seus imediatos ou a longo prazo circunstâncias. Ser capaz de andar longe de uma relação abusiva, por exemplo, ou sair voluntariamente um trabalho aversivo. A condição conhecida como desamparo aprendido, no entanto, pode causar uma pessoa a sentir-se completamente impotente para mudar a sua situação para melhor.

     Desamparo aprendido pode ser visto como um mecanismo algumas pessoas empregam para sobreviver difícil ou abusivos circunstâncias. Uma pessoa abusada ou cônjuge podem, eventualmente, aprender a permanecer passiva na contingência aversiva sem conseguir emitir comportamento de fuga/esquiva da situação, por causa do desamparo aprendido.

     A relação entre depressão e desamparo aprendido tem sido bem estabelecido na comunidade psicológica. Alguns especialistas sugerem desamparo aprendido pode ser transmitida através de observação, como no caso de uma filha assistindo passivamente obedeças mãe dela abusou do marido comandos. A filha pode começar a associar passividade e baixa auto-estima com o "normal" exige vida de casada, o que conduz a uma perpetuação do ciclo desamparo aprendido.

     Os resultados do experimento demonstraram que passividade e à perda de auto-estima podem ser resultados diretos do desamparo aprendido. Muitas pessoas que sofrem de depressão clínica podem ser beneficiadas por bons psicólogos que entendem e ajudam a modificar as contingências de vida do indivíduo.

   Saiba mais sobre este tema em:

Clínica Brasília de Psicologia    ou    Canal Gilberto Godoy no Youtube 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Carol Dweck, psicóloga de Stanford, dedicou anos a demonstrar que um dos elementos fundamentais da educação satisfatória é a capacidade de aprender com os erros. No entanto, costumamos a ensinar bem o contrário. Se uma criança cometer erros, é porque...   (continua)


  •    O professor e psicólogo Gilberto Godoy levanta reflexões sobre uma questão existencial de extrema importância: porque algumas pessoas desejam o seu próprio fim? O que leva uma pessoa a buscar a sua própria morte? São trazidos alguns dados epidemiológicos estratégicos para se compreender o fenômeno.   (continua...)


  •     Neste vídeo são apresentadas reflexões sobre o que o psicólogo pode e deve fazer atuando profissionalmente, quais as normas objetivas e padrões éticos devem ser seguidos e esperados na atuação do profissional da psicologia. (Continua)


  •    A terapia de casal objetiva favorecer mudanças e o desenvolvimento de comportamentos que produzam um melhor relacionamento interpessoal entre duas pessoas, independente do sexo. Para isto, o psicólogo que atende casais ajuda a entender a história de vida dos dois e a história do relacionamento para que possa atuar efetivamente no sentido de melhorar a relação cujo fundamento básico é a comunicação e as trocas humanas.   (continua)


  •    Esta lista de livros e artigos é uma sugestão organizada a partir da experiência de 20 anos como professor no ensino superior nos cursos de Psicologia, Administração, Pedagogia, Nutrição, Jornalismo, Direito supervisão clínica e outros. Constam livros categorizados por...   (Confira)


  •    Quanto valemos? Quanto valem nossos comportamentos? "Um dia um jovem rapaz desanimado com a vida e com as pessoas, procurou um filósofo para ajudá-lo e disse: - Venho aqui professor porque me sinto inútil, não tenho ânimo. Dizem que...   (continua)
     


  •    Entre as preciosidades encontradas na biblioteca da Sociedade Sigmund Freud está essa entrevista. Foi concedida ao jornalista americano George Sylvester Viereck, em 1926. Deve ter sido publicada na imprensa americana da época.   (continua)


  •    “Todo comportamento, acredito, é modelado por contingências. Atendemos a conselhos e seguimos regras por causa das conseqüências reforçadoras que se seguiram quando assim agimos no passado. Mas o comportamento indicado pelo conselho ou pelas regras tem outras conseqüências.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília