Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O universo Trans - Hellen Leite

Enviado por Gilberto Godoy
o-universo-trans---hellen-leite

   São tantas as possibilidades da sexualidade humana e as dúvidas, que resolvemos reproduzir um glossário importante para entender melhor o universo Trans, organizado pelo Correio Braziliense, com a ajuda da psicóloga Isabel Amora do Hospital Universitário de Brasília, HUB.

Sexo biológico
Determinado pelos genitais, sistema reprodutivo, cromossomos e hormônios. Pode ser feminino, masculino ou intersexo (quando há presença de determinantes tanto masculinos quanto femininos).

Identidade de gênero
É como a pessoa se vê, que pode ser como mulher, como homem, como gênero neutro ou como bigênero. Na maioria das vezes, a pessoa se identifica com o gênero correspondente ao seu sexo biológico, ou seja, nasce com um corpo masculino e se sente homem (se identifica com o gênero masculino) ou nasce com um corpo feminino e se sente mulher. Indivíduos assim são chamados de cisgêneros. Mas, para algumas pessoas, não acontece dessa maneira.

Transgêneros
São todos os indivíduos cuja identidade de gênero não corresponde ao seu sexo biológico. De maneira geral, essas pessoas sentem um grande desconforto com seu corpo por não se identificar com seu sexo biológico. Por isso, têm a necessidade de adotar roupas características do gênero com o qual se identificam, se submetem a terapia com hormônios e realizam procedimentos para a modificação corporal, tais como: a colocação de implantes mamários, a cirurgia plástica facial, a retirada das mamas, a retirada do pomo de Adão. Na maioria das vezes, desejam realizar a cirurgia de redesignação sexual (cirurgia genital). O termo também pode ser usado para todas as identidades não cisgêneras (transexual, travesti, não binário, crossdresser).

Expressão de gênero
É como alguém se mostra para os outros, diz respeito à aparência. É possível ter uma aparência feminina, masculina ou andrógina (que mescla elementos tidos como femininos e masculinos).

LGBT
Essa sigla significa lésbicas, gays, bissexuais e transexuais e serve para designar o grupo de pessoas que têm uma orientação sexual (LGB) ou uma identidade de gênero (T) diferente da dominante.

FTM
Sigla para female to male (feminino para masculino). São os homens transgêneros, aqueles que transicionaram do feminino para o masculino.

MTF
Sigla para male to female (masculino para feminino). São os as mulheres transgêneras, aquelas que transicionaram do masculino para o feminino.

Transexual
Esse termo deriva da classificação “transexualismo, transtorno de identidade sexual”, descrita na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10), publicada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e que não é atualizada desde 1989. Segundo a OMS, o transexualismo é “um desejo de viver e ser aceito enquanto pessoa do sexo oposto. Esse desejo se acompanha em geral de um sentimento de mal-estar ou de inadaptação por referência a seu próprio sexo anatômico e do desejo de submeter-se a uma intervenção cirúrgica ou a um tratamento hormonal a fim de tornar seu corpo tão conforme quanto possível ao sexo desejado.”

Disforia de gênero
É um classificação presente no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais de 2012 (DSM-5), editado pela Associação de Psiquiatria Americana (APA). Segundo a APA, disforia de gênero é: ”Uma forte e persistente identificação com o gênero oposto (não meramente um desejo de obter quaisquer vantagens culturais percebidas pelo fato de ser do sexo oposto). Um desconforto persistente com seu sexo ou sentimento de inadequação no papel de gênero deste sexo. A perturbação não é concomitante a uma condição intersexual física. A perturbação causa sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo”.

Travesti
Termo tipicamente dos países da América Latina, Espanha e Portugal. É uma identidade de gênero feminina. O conceito de travesti ainda causa divergência. Mas, para grande parte da comunidade LGBT, a travesti, ainda que invista em roupas e hormônios femininos, tal qual as mulheres transexuais, não sente desconforto com sua genitália e, de maneira geral, não tem a necessidade de fazer a cirurgia de redesignação sexual.

Não binário
Há ainda pessoas cuja identidade de gênero não é nem masculina nem feminina, está entre os sexos ou é uma combinação de gêneros. Essas são as não binárias.

Crossdresser
Termo mais comum nos países de língua inglesa. É alguém que gosta de usar ocasionalmente roupas características do gênero oposto, geralmente em ocasiões específicas.

Drag queen
São homens que se vestem como mulher de maneira caricata com o intuito de realizar performances artísticas, que incluem canto e dança, geralmente em festas e casas noturnas. 

Drag king
São mulheres que se vestem como homem de maneira caricata com o intuito de realizar performances artísticas, que incluem canto e dança, geralmente em festas e casas noturnas. 

Transfobia
É o preconceito, o ódio e a violência dirigidas às pessoas transgêneras.

Transgênero e orientação sexual
Muitas pessoas ainda confundem orientação sexual/romântica e identidade de gênero. A primeira diz respeito ao interesse sexual por outras pessoas. Pode ser por pessoas do mesmo gênero (homoafetivo/homossexual), por pessoas do gênero oposto (heteroafetivo/heterossexual), por ambos os gêneros (biafetivo/bissexual) ou por pessoas de ambos os gêneros e pessoas não binárias (pan-afetivo/pansexual). 

A identidade de gênero não determina a orientação sexual de alguém. Assim, um homem transexual (que nasceu com o corpo feminino e o transformou em um corpo masculino) pode tanto ser gay (gostar de homens) quanto heterossexual (gostar de mulheres) ou bissexual (gostar dos dois). O mesmo pode acontecer com uma travesti. Se ela gostar de homens, ela será uma travesti heterossexual. Se gostar de mulheres, será uma travesti lésbica.

     Fonte: correiobraziliense.atavist.com

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Construímos o que chamamos de autoconceito baseados em uma aprendizagem social-familiar nem sempre muito "conscientes" e, geralmente, recheada de controle avesivo. A autopercepção negativa não é fácil ser mudada mas é preciso se comportar na direção de ampliar nosso conhecimento de nós mesmos e do mundo. Autoconhecimento é a chave da muitas portas, entre elas a da autonomia e da 'liberdade'.   (continua)


  •    Os terapeutas comportamentais geralmente consideram que a grande maioria dos comportamentos infantis é controlada pelas contingências ambientais familiares. Nessa medida, ao tentarem auxiliar uma criança emocionalmente desajustada, tais profissionais buscam a alteração dessas contingências, atuando sobre a família. A proposta do...   (continua)


  •    O texto pretende alcançar dois objetivos principais, a saber: 1) esclarecer o significado de algumas intervenções comportamentais, abrangidas pelo modelo triádico no qual há no mínimo três pessoas envolvidas no trabalho terapêutico de uma criança (psicólogo, mediador e alvo); 2) mostrar como a maior compreensão da Terapia Comportamental familiar levou a ampliação do modelo de modo a incluir uma diversidade intervenções.   (continua)


  •    A Clínica Brasília de Psicologia tem compromisso com a saúde integral do indivíduo e o desenvolvimento de uma sociedade mais justa. Realizamos atendimentos psicológicos individuais, atendimentos em domicílio, terapia de casal, cursos diversos na área de psicologia e cultura, avaliação neuropsicológica, assessoria em psicologia, supervisão clínica, encontros científicos e mais. Conheça nossos serviços e nossa política de qualidade:  www.cbrasilia.com.br


  •    Nas vésperas do Natal de 1986 eu era Vice-Reitor da Universidade de Brasília. Estando o Reitor Cristovam Buarque de férias, estava eu no exercício da Reitoria quando minha colega e ex-aluna Deisy das Graças de Souza me trouxe uma cópia de um artigo (Glenn, 1986) que acabara de ser publicado. Era o Metacontingencies in Walden Two da Sigrid Glenn. Estávamos em plena Constituinte, a Constituição que seria aprovada em 1988 estava sendo elaborada.   (continua)


  •    Uma entrevista não-publicada concedida por B. F. Skinner a Emilio Ribes-Iñesta em 25 de janeiro de 1990 com B. F. Skinner. Tradução: Emilio Ribes-Iñesta. 1) Por que você escolheu o modelo reflexo – radicalmente modificado – para formular a taxonomia e a metodologia fundamentais para o desenvolvimento de uma teoria sobre o comportamento?  Skinner: Eu fiquei interessado em reflexos após...    (continua)


  •    Não é incomum que eu ouça de amigos e colegas reclamando de falta de tempo, ou sobre como eles gostariam de ter tempo para fazer outra coisa. Eu passei por uma situação similar a essa a alguns anos atrás quando estava me formando. Os meus professores passavam listas e mais listas bibliográficas, e em maioria eram sobre tópicos que não me interessavam.   (continua)


  •    Esta é uma lista de 50 documentários e vídeos de Psicologia, online e gratuitos disponíveis na internet, com um pequeno resumo de cada um deles. São documentários que tratam temas importantes da psicologia com alguns dos principais autores e teorias. Vale a pena conferir.   (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília