Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O nosso valor

Enviado por Gilberto Godoy
o-nosso-valor
     Quanto valemos? Quanto valem nossos comportamentos?
 
"Um dia um jovem rapaz desanimado com a vida e com as pessoas, procurou um filósofo para ajudá-lo e disse: 
- Venho aqui professor porque me sinto inútil, não tenho ânimo. Dizem que não sirvo para nada, que não faço tarefas bem feitas, que sou lerdo e muito idiota. Como posso melhorar? 
O professor, sem olhá-lo, disse: 
- Sinto muito, meu jovem, mas não posso ajudá-lo, devo primeiro resolver o meu próprio problema. Talvez depois. 
E fazendo uma pausa falou: 
- Se você me ajudasse, eu poderia resolver este problema com mais rapidez e, depois, talvez possa ajudá-lo. 
- Claro professor, - gaguejou o jovem - que se sentiu mais uma vez desvalorizado e hesitou em ajudar seu professor. 
O professor tirou um anel que usava no dedo pequeno e deu ao jovem e disse: 
- Monte meu cavalo e vá até o mercado. Devo vender este anel porque tenho que pagar uma divida. É preciso que obtenhas no anel o máximo possível, mas não aceite menos que uma moeda de ouro. Vá e volte com a moeda o mais rápido possível. 
O jovem pegou o anel e partiu. Mal chegou ao mercado, começou a vender o anel aos mercadores. Eles olhavam com algum interesse, até o momento em que o jovem dizia o quanto pretendia pelo anel. Quando o jovem mencionava uma moeda de ouro, alguns riam, outros saíam sem ao menos olhar para ele, mas só um velhinho foi amável a ponto de explicar que uma moeda de ouro era muito valiosa para comprar aquele anel. Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer uma moeda de prata e uma xícara de cobre, mas o jovem seguia as instruções de não aceitar menos que uma moeda de ouro e recusava os ofertas. 
Depois de oferecer a jóia a todos que passaram pelo mercado, abatido pelo fracasso montou no cavalo e voltou. 
Entrou na casa e disse: 
- Professor, sinto muito, mas é impossível conseguir o que me pediu. Talvez pudesse conseguir duas ou três moedas de prata, mas acho que não se possa enganar ninguém sobre o valor do anel. 
- Importante o que você disse, meu jovem, - contestou sorridente o mestre. - Devemos saber primeiro o valor do anel. Volte a montar no cavalo e vá ao joalheiro. Quem melhor para saber o valor exato do anel? Diga que quer vendê-lo e pergunte quanto le lhe dá. Mas não importa o quanto lhe ofereça, não o venda. Volte aqui com o meu anel. 
O jovem foi até o joalheiro e lhe deu a anel para examinar. O joalheiro examinou-o com uma lupa, pesou-o e disse: 
- Diga ao seu professor que, se le quiser vender agora, não posso oferecer mais do que 58 moedas de ouro pelo anel. 
O jovem surpreso exclamou: 
- 58 MOEDAS DE OURO! 
- Sim, replicou o joalheiro, - eu sei que, com tempo, poderia oferecer cerca de 70 moedas, mas… se a venda é urgente…
O jovem correu emocionado de volta para contar o ocorrido. 
O professor, depois de ouvir tudo o que o jovem lhe contou, disse: 
- Você é como esse anel, meu rapaz, uma jóia valiosa e única e que só pode ser avaliada por pessoas que saibam reconhecer o valor de outras pessoas. 
E dizendo isso voltou a colocar o anel no dedo. 
- Todos somos como esta jóia, valiosos e especiais e andamos pelo mercado da vida sendo avaliados por pessoas erradas que nos fazem perder a confiança e a crença em nossos próprios talentos." 

Autor desconhecido

Comentários

  • por: ROSILDA ALVES DE OLIVEIRA em terça-feira, 2 de agosto de 2011
    Lindo texto! É mesmo assim, e enquanto não nos dermos conta da nossa raridade, bateremos de porta em porta para que os outros nos digam o quanto somos especiais. Nos tornaremos mendigos da aprovação e aceitação dos outros.
  • por: Marilene lopes em sexta-feira, 26 de agosto de 2011
    Sensacional este texto!

Também recomendo

  •    Carol Dweck, psicóloga de Stanford, dedicou anos a demonstrar que um dos elementos fundamentais da educação satisfatória é a capacidade de aprender com os erros. No entanto, costumamos a ensinar bem o contrário. Se uma criança cometer erros, é porque...   (continua)


  •    O professor e psicólogo Gilberto Godoy levanta reflexões sobre uma questão existencial de extrema importância: porque algumas pessoas desejam o seu próprio fim? O que leva uma pessoa a buscar a sua própria morte? São trazidos alguns dados epidemiológicos estratégicos para se compreender o fenômeno.   (continua...)


  •      O modelo do desamparo aprendido foi proposto por Seligman em 1975. Alunos do curso de psicologia devem dar atenção especial a este experimento pois sua relação com a vida cotidiana pode ser bem identificada. Uma coisa que às vezes poupa as pessoas de depressão ou impotência é um sentimento de controle sobre os seus imediatos ou a longo prazo circunstâncias.    (continua)


  •     Neste vídeo são apresentadas reflexões sobre o que o psicólogo pode e deve fazer atuando profissionalmente, quais as normas objetivas e padrões éticos devem ser seguidos e esperados na atuação do profissional da psicologia. (Continua)


  •    A terapia de casal objetiva favorecer mudanças e o desenvolvimento de comportamentos que produzam um melhor relacionamento interpessoal entre duas pessoas, independente do sexo. Para isto, o psicólogo que atende casais ajuda a entender a história de vida dos dois e a história do relacionamento para que possa atuar efetivamente no sentido de melhorar a relação cujo fundamento básico é a comunicação e as trocas humanas.   (continua)


  •    Esta lista de livros e artigos é uma sugestão organizada a partir da experiência de 20 anos como professor no ensino superior nos cursos de Psicologia, Administração, Pedagogia, Nutrição, Jornalismo, Direito supervisão clínica e outros. Constam livros categorizados por...   (Confira)


  •    Entre as preciosidades encontradas na biblioteca da Sociedade Sigmund Freud está essa entrevista. Foi concedida ao jornalista americano George Sylvester Viereck, em 1926. Deve ter sido publicada na imprensa americana da época.   (continua)


  •    “Todo comportamento, acredito, é modelado por contingências. Atendemos a conselhos e seguimos regras por causa das conseqüências reforçadoras que se seguiram quando assim agimos no passado. Mas o comportamento indicado pelo conselho ou pelas regras tem outras conseqüências.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília