Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O nosso valor

Enviado por Gilberto Godoy
o-nosso-valor
     Quanto valemos? Quanto valem nossos comportamentos?
 
"Um dia um jovem rapaz desanimado com a vida e com as pessoas, procurou um filósofo para ajudá-lo e disse: 
- Venho aqui professor porque me sinto inútil, não tenho ânimo. Dizem que não sirvo para nada, que não faço tarefas bem feitas, que sou lerdo e muito idiota. Como posso melhorar? 
O professor, sem olhá-lo, disse: 
- Sinto muito, meu jovem, mas não posso ajudá-lo, devo primeiro resolver o meu próprio problema. Talvez depois. 
E fazendo uma pausa falou: 
- Se você me ajudasse, eu poderia resolver este problema com mais rapidez e, depois, talvez possa ajudá-lo. 
- Claro professor, - gaguejou o jovem - que se sentiu mais uma vez desvalorizado e hesitou em ajudar seu professor. 
O professor tirou um anel que usava no dedo pequeno e deu ao jovem e disse: 
- Monte meu cavalo e vá até o mercado. Devo vender este anel porque tenho que pagar uma divida. É preciso que obtenhas no anel o máximo possível, mas não aceite menos que uma moeda de ouro. Vá e volte com a moeda o mais rápido possível. 
O jovem pegou o anel e partiu. Mal chegou ao mercado, começou a vender o anel aos mercadores. Eles olhavam com algum interesse, até o momento em que o jovem dizia o quanto pretendia pelo anel. Quando o jovem mencionava uma moeda de ouro, alguns riam, outros saíam sem ao menos olhar para ele, mas só um velhinho foi amável a ponto de explicar que uma moeda de ouro era muito valiosa para comprar aquele anel. Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer uma moeda de prata e uma xícara de cobre, mas o jovem seguia as instruções de não aceitar menos que uma moeda de ouro e recusava os ofertas. 
Depois de oferecer a jóia a todos que passaram pelo mercado, abatido pelo fracasso montou no cavalo e voltou. 
Entrou na casa e disse: 
- Professor, sinto muito, mas é impossível conseguir o que me pediu. Talvez pudesse conseguir duas ou três moedas de prata, mas acho que não se possa enganar ninguém sobre o valor do anel. 
- Importante o que você disse, meu jovem, - contestou sorridente o mestre. - Devemos saber primeiro o valor do anel. Volte a montar no cavalo e vá ao joalheiro. Quem melhor para saber o valor exato do anel? Diga que quer vendê-lo e pergunte quanto le lhe dá. Mas não importa o quanto lhe ofereça, não o venda. Volte aqui com o meu anel. 
O jovem foi até o joalheiro e lhe deu a anel para examinar. O joalheiro examinou-o com uma lupa, pesou-o e disse: 
- Diga ao seu professor que, se le quiser vender agora, não posso oferecer mais do que 58 moedas de ouro pelo anel. 
O jovem surpreso exclamou: 
- 58 MOEDAS DE OURO! 
- Sim, replicou o joalheiro, - eu sei que, com tempo, poderia oferecer cerca de 70 moedas, mas… se a venda é urgente…
O jovem correu emocionado de volta para contar o ocorrido. 
O professor, depois de ouvir tudo o que o jovem lhe contou, disse: 
- Você é como esse anel, meu rapaz, uma jóia valiosa e única e que só pode ser avaliada por pessoas que saibam reconhecer o valor de outras pessoas. 
E dizendo isso voltou a colocar o anel no dedo. 
- Todos somos como esta jóia, valiosos e especiais e andamos pelo mercado da vida sendo avaliados por pessoas erradas que nos fazem perder a confiança e a crença em nossos próprios talentos." 

Autor desconhecido

Comentários

  • por: ROSILDA ALVES DE OLIVEIRA em terça-feira, 2 de agosto de 2011
    Lindo texto! É mesmo assim, e enquanto não nos dermos conta da nossa raridade, bateremos de porta em porta para que os outros nos digam o quanto somos especiais. Nos tornaremos mendigos da aprovação e aceitação dos outros.
  • por: Marilene lopes em sexta-feira, 26 de agosto de 2011
    Sensacional este texto!

Também recomendo

  •    Entre as preciosidades encontradas na biblioteca da Sociedade Sigmund Freud está essa entrevista. Foi concedida ao jornalista americano George Sylvester Viereck, em 1926. Deve ter sido publicada na imprensa americana da época.   (continua)


  •      Marcus Bentes de Carvalho Neto, Universidade Federal do Pará

       Há diversas práticas culturais envolvidas no que se convencionou chamar de “Psicologia Comportamental” ou simplesmente de “Behaviorismo”. O presente trabalho desenvolve o argumento de Tourinho (1999), em favor de uma classificação onde a Análise do Comportamento seria a área mais... (continua)


  •     Nilza Micheletto e Tereza M.A. Pires Sério, Pontifícia Universidade Católica de SP.
       Uma antiga e bastante difundida crítica ao behaviorismo radical de Skinner refere-se à concepção de homem que estaria implícita nesta perspectiva. Parece ser primordialmente com esta crítica que Skinner se preocupa em About Behaviorism (1974/1976) e as diversas...    (continua)


  •    É muito frequente o questionamento sobre autoconhecimento. O que é, como se faz para aumentar o nosso potencial de nos conhecermos melhor, entre outras coisas. O texto a seguir, de Débora Dias, ajuda bastante a compreensão do tema.   (Continua)


  •    “Todo comportamento, acredito, é modelado por contingências. Atendemos a conselhos e seguimos regras por causa das conseqüências reforçadoras que se seguiram quando assim agimos no passado. Mas o comportamento indicado pelo conselho ou pelas regras tem outras conseqüências.   (continua)


  •    Em 2004 uma equipe de médicos de Taiwan informou sobre o caso de uma mulher de 41 anos que atingia o orgasmo a cada vez que escovava os dentes. Nenhuma outra atividade ou variante, como escovar sem pasta ou tocar os dentes com a mão, disparava o efeito. Os médicos descobriram que a causa estava em...   (continua)


  •    Existem muitas coisas erradas com o mundo hoje, mas elas não perturbam a todos. Superpopulação, esgotamento e poluição do meio ambiente, e até mesmo a possibilidade de uma guerra nuclear são freqüentemente desconsiderados como se forem assuntos para um futuro razoavelmente distante. Pobreza, doença e violência são problemas atuais, mas não para todos.   (continua)


  •    A história do comportamento humano, se considerarmos o início com a origem da vida na terra, é possivelmente superada em amplitude apenas pela história do universo. Assim como o astrônomo e o cosmologista, o historiador trabalha apenas com a reconstrução do que pode ter acontecido, ao invés de revisar os fatos registrados.   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília