Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Edward Hopper - O Telhado em Mansarda

Enviado por Gilberto Godoy
edward-hopper---o-telhado-em-mansarda

 

     Edward Hopper, o mais conhecido pintor realista americano, disse uma vez: “O homem é sua obra. Do nada nunca sai coisa alguma”. Essas palavras dão uma pista sobre um artista que era não somente muito cioso de sua intimidade, mas que fez da solidão e da introspecção temas de seus quadros. (Abaixo, à esquerda, auto-retrato, óleo sobre tela, 1925/30).

     Hopper (1882/1967) nasceu em Nyack, um centro de estaleiros especializados em iates situado no rio Hudson, na parte norte da cidade de Nova York. Filho de uma família de classe-média em muito boa situação financeira, de origem holandesa, seu pai pode proporcionar a ele e à sua irmã Marion escolas de muito bom nível.

     A família era Batista e seguia rigidamente os princípios de sua religião. O pai era um homem de temperamento tranqüilo e a liderança familiar era um matriarcado impressionante: a mãe, a avó, a irmã e a velha empregada da família tinham a palavra final.

     Bom aluno e interessado em aprender, Hopper desde os cinco anos demonstrou talento para o desenho. Absorveu com facilidade a inclinação intelectual de seu pai, o amor às culturas francesa e russa. De sua mãe herdou o amor às artes. Seus pais aprovaram essas suas inclinações e o estimularam, desde cedo, com material de desenho, muitos livros que ensinavam a desenhar e coleções de álbuns com imagens das obras dos grandes mestres da pintura.

     Em 1906, com a ajuda dos pais, viajou para Paris. A capital das artes passava por um momento de muita excitação, com grandes debates provocados pelo movimento modernista. Mas Hopper sempre disse que o efeito disso tudo sobre ele foi mínimo.

     Quem ele conheceu em Paris? Segundo ele, ninguém dos nomes famosos. Ouviu falar em Gertrude Stein, a rica americana que foi mecenas influente no ambiente artístico parisiense, mas nunca ouviu falar em Picasso, por exemplo. “À noite, eu ia aos cafés e ficava sentado olhando a cidade passar. Ia muito ao teatro. Paris não teve um impacto imediato, nem sequer grande, sobre mim”.

     Visitou também Londres, Amsterdam, Berlim e Bruxelas. O quadro que mais o impressionou foi “Ronda Noturna”, a fantástica obra de Rembrandt que visitou no Rijksmuseum de Amsterdam.

     Em 1913 Hopper vendeu seu primeiro quadro, exposto no Armory Show, uma mostra que reuniu artistas americanos e modernistas europeus. Em 1920, fez sua primeira individual no Whitney Museum, mas nessa ocasião não vendeu nem um quadro.

     Aos 37 anos, desanimado e receoso de não alcançar o sucesso como artista, dedicou-se a ilustrações. As estampas vendiam muito bem, tinham mais aceitação que os óleos. Mas ao experimentar vender suas aquarelas, Hopper descobriu que elas também vendiam tão bem quanto as estampas.

     A imagem deste post, “O telhado em mansarda”, aquarela sobre grafite, mede 34 x 48 cm e é das mais conhecidas obras de Hopper.

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O Gato de Botas, um dos mais interessantes dos Contos de Perrault, mereceu uma deliciosa gravura de Doré. A cara do gato conta logo quem é esse grande finório, cheio de truques, inventivo, e que muito ajuda seu amo, o filho do moleiro que graças ao...   (continua)


  •    Paul Cézanne nasceu em 19 de janeiro de 1839, no sul da França, na Provença, região procurada por muitos pintores e artistas pela luminosidade esplêndida e suave que fez e faz a delícia de quem por lá anda. Sua cidade natal é a bela Aix-en-Provence...   (continua)


  •    Bobbie vive a vida ao máximo. Ela vê o positivo em cada situação e aprende com isso. A força interior, profundidade e inteligência de Bobbie se refletem em suas esculturas de bronze. Ela estudou em muitos dos notáveis ​​artistas de hoje e toma influência de Leonardo Bistolfi, Solon e ...   (continua)


  •     O jornal mexicano “El Universal” listou as dez obras de arte que considera como “as mais polêmicas da história”. Como quaisquer listas, sempre restritivas, a do veículo da terra do poeta Octavio Paz é questionável, mas pelo menos alguns dos quadros são mesmo controvertidos, provocam polêmicas e geram dezenas de livros e documentários, como é o caso das pinturas do italiano Leonardo Da Vinci, talvez o maior gênio da história da arte. Ou seria Michelangelo?   (continua)


  •    Esse é, sem dúvida, o retrato mais famoso em todo o mundo. A pessoa pode até não saber quem é a retratada, mas é difícil encontrar quem nunca a tenha visto em jornal, revista, anúncio, TV ou cinema. Muito já se escreveu sobre ela: são inúmeras as teorias. A fonte mais fidedigna é Vasari que no já citado “Vidas” descreve a ...   (continua)


  •    O Cirque du Soleil ("Circo do Sol", em francês), companhia circense com base em Montreal, Quebec, Canadá, foi criada pela entusiasta das artes circenses, Madame Alice Canton. Foi fundado em Quebec em 1984 por dois ex-artistas de rua, Guy Laliberté e Daniel Gauthier, em resposta a um apelo feito pelo...   (continua)


  •    Uma das primeiras regras de museus, que abrigam grandes obras de arte é 'Você pode olhar, mas você não pode tocar". Mas e a comunidade de cegos e deficientes visuais que usam seu sentido do tato para experimentar o mundo? O projeto "Unseen Art" ("Arte Invisível"), uma iniciativa, criada pelo...   (continua)


  •    O centro político de Florença, na bela e majestosa Piazza della Signoria, ao lado do edifício onde batia o coração do poder na extraordinária Cidade-Estado, fica a estátua de Cosimo I de Medici, Duque de Florença, e primeiro Grão Duque da Toscana ( 1519/1574). Ele não era descendente direto do...   (continua)


Copyright 2011-2017
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: iDev Web