Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Nova York e suas neuras - Lucas Mendes

Enviado por Gilberto Godoy
nova-york-e-suas-neuras---lucas-mendes


    Me perguntaram quem é o mais nova-iorquino dos nova-iorquinos e o primeiro nome que pintou foi Woody Allen. Bobagem minha. 

     Ele e as situações e os personagens dos seus filmes são nova-iorquinos, mas o nova-iorquino típico não é um cineasta neurótico genial.
Todos temos neuras. 

    Quais tipificam Nova York?

     Numa cidade de oito milhões de habitantes, mais da metade nascidos fora daqui ou filhos de pais imigrantes, quem é típico? Na década de 70, quando fizeram o retrato do americano típico, encontraram uma mulher de meia idade, de origem alemã.

     Se você perguntar a dezenas de pessoas quem é o nova-iorquino típico e como aprender a conviver com ele nesta cidade, vai encontrar dezenas de respostas diferentes. Pedro Andrade, companheiro de mesa no programa Manhattan Connection, acaba de lançar o Melhor Guia de Nova York. Confie nas sugestões dele. Foi a todos lugares, conhece donos e empregados.

     Pedro viveu em várias cidades. Diz que ser nova-iorquino não tem relação com a cidade onde a pessoa nasceu, cresceu ou mora, mas é onde se sente em casa. No caso dele, Manhattan.

     Ele oferece uma longa lista de sugestões práticas de como ser um nova-iorquino já na primeira viagem, para seu próprio bem e para o bem da cidade.

     Sempre dê gorjeta ao bartender e ao taxista.
     Evite Times Square, Soho e Quinta Avenida nos fins de semana.
    
Não se assuste com as ratazanas do Lower East Side. Fazem parte do cenário.
    
Evite pochete, chinelo de dedo e calça capri. Esta, nem em Capri.
     
Não aplaudir o piloto nas aterrissagens, nem pedir autógrafo a celebridades.
    
Não dependa de táxis entre 3h30 e 4h30. É hora de mudança de turno.
    
A pizza de US$ 0,99 pode ser tão boa quanto a de US$ 99.
    
Não peça descontos nem "choros" no bar.
    
Não critique turbantes, badulaques, piercings e tatuagens. A big applenão gosta do tédio visual.
    
Simpatia, paciência, cordialidade, iniciativa e bom humor funcionam em Nova York.
    
Brian Lehrer é meu mais nova-ioquino dos nova-iorquinos. 62 anos, com QI de 168. Nascido em Nova York, é um premiado radialista, escritor e documentarista.

     Entre os prêmios, ganhou o Heart of New York Award, do New York Press Club, pelo documentário Immigrant New York, the last 20 years. Da Biblioteca Pública de Nova York, ganhou o "Best Books for the Teenaged" pelo The Korean Americans. Há muitos outros.

     Brian faz um programa diário de duas horas na WNYC, a rádio pública de Nova York. Entrevista de Hillary Clinton a mãe de um garoto de 9 anos que vai para a escola de transporte público, mas quase sempre tem um tópico sobre a cidade, do banal ao profundo. Nenhum outro programa tem pulso mais preciso de Nova York.

     Esta semana ele perguntou: "Quem ensinou você a ser um nova-iorquino?". Jorraram respostas pelo telefone, Twitter e e-mail.

     Aqui vão algumas.

     "Foi um amigo. Aconselhou: 'Abra a porta para os outros, ajude a carregar pacotes, ceda assentos para grávidas. Sempre divida o espaço público'."
     "Uma garçonete do hotel Edison. Ela me ensinou a comer uma bagel."
     "Minha colega de trabalho: 'Seja fingida até chegar onde você quer'".
     "Meu marido me ensinou a surfar as multidões nas estações no rush sem mudar o ritmo das passadas."
     "Meu marido sugeriu viagens no metrô até o extremo sul e extremo norte da cidade. E voltar a pé. Num domingo, uma caminhada levou 9 horas. Foi o melhor dia de todos."
     "Um amigo me disse quando cheguei, em 1969: 'Se você não encontrar o que procura, o que procura vai encontrar você'. E acertou."

    Uma australiana, de Sydney, aprendeu com um nova-iorquino a dar um tapão no capô de carros que avançam nas faixas de pedestres. Em Sydney, se você der um tapa num capô, o motorista do carro desce e dá um murro em você. Em Nova York, eles ficam sentados, mansinhos. Eu e meus amigos mudamos para Nova York na década de 70, certos de que nossos destinos eram os teatros da Broadway.

     Aprendemos:
1 - Caminhe, caminhe, caminhe até aprender o caminho.
2 - Enquanto estiver caminhando, cante. Ninguém vai incomodar você enquanto você canta.
3 - Nunca aborde gente famosa. Os famosos merecem ficar em paz.
4 - Se alguém parece perdido, ajude.
5 - Sempre caminhe.

     Dos cinco que vieram, apenas um chegou à Broadway.
     Lição aprendida: não há nova-iorquino típico nem lição definitiva. Se você não achar Nova York, talvez Nova York ache você.
 

Comentários

Também recomendo

  •      Armação dos Búzios ou apenas Búzios, como é globalmente conhecido, é um município do estado do Rio de Janeiro localizado na Região dos Lagos. Faz divisa a oeste com Cabo Frio, município do qual tornou-se autônomo em 1995. Localiza-se a cerca de 165 quilômetros da capital do estado.   (continua)



  •       New York City Timelapse - The Manhattan Project HD1080P Time-lapse


  •       Conhecer o Rio de Janeiro de bicicleta, pelas ciclovias do Leblon, Lagoa Rodrigo de Freitas, Ipanema, Copacabana, Leme, Botafogo, Flamengo, Centro... é muito bom! Fazer isto aproveitando pra tirar belas fotografias, melhor ainda. Se for leve e faceiro, ouvindo Tom Jobim e Chico Buarque (como neste vídeo) então, aí não tem preço, nada paga. Quem fizer não vai se arrepender, garanto!


  •    Se Nova York é a cidade que nunca dorme eu não sei. O que sei é que muita gente, de fato, não dorme. E não é por falta de vontade. O barulho é de longe a maior reclamação no serviço 311, uma linha telefônica de comunicação entre os moradores e as prefeitura da cidade. Lançado em 2003, o número recebe uma média de 50 mil ligações por dia.   (continua)



  •      Um belo vídeo, com o hino da cidade natal da minha saudosa e amada mãe!
     


  •    Segundo dados da UN Population Division, 72% da população do continente europeu mora nos centros urbanos. No entanto, suas cidades consomem um percentual menor do que este, apenas 69% do total de energia. O número é abaixo do que se poderia imaginar e a razão parece estar ligada a...   (continua)


  •      Se você está procurando uma boa cidade para viver, definitivamente deveria procurar na Austrália ou Canadá. Pelo menos é o que indica um relatório publicado pela respeitável empresa analista londrina Economist Intelligence Unit, com um ranking das melhores cidades para se viver em 2011, de uma lista de 140, baseado em 30 parâmetros que incluem segurança, saúde... (continua)


  •    Praga é a capital e a maior cidade da República Checa, situada na margem do Vltava. Conhecida como "cidade das cem cúpulas", Praga é um dos mais belos e antigos centros urbanos da Europa, famosa pelo extenso patrimônio arquitetônico e rica vida cultural.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília