Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O comportamento dos cães do metrô de Moscou

Enviado por Gilberto Godoy
o-comportamento-dos-caes-do-metro-de-moscou

     Todo mundo sabe que os cães são alguns dos animais mais inteligentes da Terra, mas os caninos de rua de Moscou realmente impressionaram os cientistas com suas rotinas como passageiros do metrô. Todos os dias, os cães que vivem na periferia da capital da Rússia pegam o metrô com sentido até o centro da cidade, onde conseguem comida mais facilmente.

     Durante a era soviética, não eram permitidos cães nas estações de metrô, mas como os restaurantes e lanchonetes eram escassos em toda Moscou, não havia nenhuma razão para se aventurar a ir até a cidade. A maioria dos caninos preferia viver nas zonas industriais, onde procuravam comida nos lixões ou o resto de comida que algum trabalhador jogava fora. Mas após a queda da URSS, a situação mudou drasticamente: as suas casas nos arredores de Moscou se tornaram centros comerciais e complexos de apartamentos, enquanto os restaurantes e lanchonetes foram instaladas no centro da cidade.

     Como a alimentação passou a ser abundante no centro de Moscou e suas casas permaneciam nos subúrbios, eles deviam percorrer um grande caminho de ida e volta todos os dias em busca de comida. Ainda não se sabe como aconteceu exatamente, mas eles perceberam que eram bem-vindos nas estações de metrô e logo descobriram que os metrôs poderiam levá-los até o centro.

     Alguns especialistas dizem que ainda aprenderam a trabalhar em equipe, para se certificar que desçam na parada certa. Os vira-latas costumam escolher os trens menos lotados, onde eles tiram sonecas nos assentos vazios, nos pés das pessoas ou colocam suas cabeças no colo das crianças e olham diretamente em seus olhos, implorando por comida.

     Uma vez que cheguem ao seu destino, os cães usam todos os tipos de táticas de astúcia para encher seus estômagos. Alguns apenas passam o dia todo deitado na frente do açougue esperando alguém jogar um osso, enquanto outros "batem patas" o dia todo, latindo para as pessoas, na esperança de que alguém lhes dê algo o que comer. Quando chega a noitinha, eles voltam até o metrô e seguem para suas casas no subúrbio, até o dia seguinte, quando voltam a fazer tudo de novo.

     Fonte: Englishrussia News

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O mundo animal sempre nos surpreende. As possibilidades de aprendizagem são muitas, variadas e complexas. O cão deste vídeo demonstra isto. Seu dono o levou para dar um passeio quando percebeu que tinha uma loja de música próxima.   (continua)


  •    Com um equipamento de som ultra sensível, uma equipe do BBC Earth demonstrou como uma coruja voa tão silenciosamente em comparação com outras aves. Neste clipe da nova série Super Powered Owls podemos ver uma experiência fascinante que mostra o voo eficiente e silencioso de uma coruja-das-torres.   (continua)


  •    Pense em todos os cães por aí: labradores, poodles e labradoodles; huskies, westies e dogues de Bordeaux; pit bulls, spaniels e vira-latas adoráveis que vão a pet shops. Some todos os cães de estimação no planeta e você chegará a cerca de 250 milhões.   (continua)


  •    Enquanto passeava de caiaque junto a sua esposa pelas águas de Sardina do Norte nas Grandes Canárias, Sergio Rodriguez viu uma bela tartaruga marinha em apuros se aproximando da embarcação. O pobre animal deve ter topado com um banco de lixo e ficou enredado em um saco de ráfia.   (continua)


  •    Praticamente todos os dias nos deparamos com cães e gatos andando nas ruas abandonados. Com a crise aconômica este problema social aumenta. Filhotes, animais doentes, animais velhos ou simplesmente aquele vira lata que nasceu na rua e que poderia viver e morrer nas ruas correndo todos os riscos.   (continua)


  •      Basenji é uma das poucas raças caninas desenvolvidas na África. Há registros de cães semelhantes a esta raça que datam de mais de 4 000 anos, encontrados em desenhos em tumbas egípcias da quarta dinastia. Todavia, é difícil traçar uma relação entre eles, já que o basenji descende de cães saídos do Zaire durante a década de 1830.   (continua)


  •    O comportamento animal evidencia uma complexidade ainda pouco compreendida. A reação de alguns cachorros é parecida a dos humanos quando se trata de perceber uma “mágica” acontecer diante dos seus olhos. Confira. Fonte: tudointeressante.com.br


  •    Alimentar cães é sempre gratificante. A mulher deste vídeo resolveu condicionar os seus com a demonstração de uma rotina de alimentação impressionante. São 11 cães Sheltie e Collie incrivelmente pacientes e inteligentes, que são chamados um a um pelo nome. Haja dedicação!


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília