Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O comportamento dos cães do metrô de Moscou

Enviado por Gilberto Godoy
o-comportamento-dos-caes-do-metro-de-moscou

     Todo mundo sabe que os cães são alguns dos animais mais inteligentes da Terra, mas os caninos de rua de Moscou realmente impressionaram os cientistas com suas rotinas como passageiros do metrô. Todos os dias, os cães que vivem na periferia da capital da Rússia pegam o metrô com sentido até o centro da cidade, onde conseguem comida mais facilmente.

     Durante a era soviética, não eram permitidos cães nas estações de metrô, mas como os restaurantes e lanchonetes eram escassos em toda Moscou, não havia nenhuma razão para se aventurar a ir até a cidade. A maioria dos caninos preferia viver nas zonas industriais, onde procuravam comida nos lixões ou o resto de comida que algum trabalhador jogava fora. Mas após a queda da URSS, a situação mudou drasticamente: as suas casas nos arredores de Moscou se tornaram centros comerciais e complexos de apartamentos, enquanto os restaurantes e lanchonetes foram instaladas no centro da cidade.

     Como a alimentação passou a ser abundante no centro de Moscou e suas casas permaneciam nos subúrbios, eles deviam percorrer um grande caminho de ida e volta todos os dias em busca de comida. Ainda não se sabe como aconteceu exatamente, mas eles perceberam que eram bem-vindos nas estações de metrô e logo descobriram que os metrôs poderiam levá-los até o centro.

     Alguns especialistas dizem que ainda aprenderam a trabalhar em equipe, para se certificar que desçam na parada certa. Os vira-latas costumam escolher os trens menos lotados, onde eles tiram sonecas nos assentos vazios, nos pés das pessoas ou colocam suas cabeças no colo das crianças e olham diretamente em seus olhos, implorando por comida.

     Uma vez que cheguem ao seu destino, os cães usam todos os tipos de táticas de astúcia para encher seus estômagos. Alguns apenas passam o dia todo deitado na frente do açougue esperando alguém jogar um osso, enquanto outros "batem patas" o dia todo, latindo para as pessoas, na esperança de que alguém lhes dê algo o que comer. Quando chega a noitinha, eles voltam até o metrô e seguem para suas casas no subúrbio, até o dia seguinte, quando voltam a fazer tudo de novo.

     Fonte: Englishrussia News

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O alemão Heini Winter é conhecido  mundialmente por treinar cães Eurohound para corridas de trenó. Os amantes dos animais costumam torcer o nariz para o controverso esporte, já que, aparentemente, os cães penam enquanto correm e puxam o trenó e seu piloto. Mas depois de observar a...   (continua)


  •    A ONG de conservação animal WWF transportou 19 rinocerontes negros, ameaçados de extinção, para um novo habitat na África do Sul. Os animais tiveram que ser transportados por 1.500 quilômetros da província do Cabo Oriental até a província de Limpopo, no nordeste do país. Cada rinoceronte foi sedado e...   (continua)


  •    Os cães tendem a comer de tudo, indiscriminadamente. Eu tenho dois que parecem dragas, mal termino de colocar a ração em seus potes e já estão abanando o rabo para pedir mais. Comem de tudo que eu der: frutas, legumes e até picolé. Se ouvem o alto falante: “Este é o...   (continua)


  •    A sobrevivência na natureza é um tema complicado. No mundo animal há predadores e presas, e pertencer ao segundo grupo pode ser muito estressante. Se aos predadores naturais de cada espécie acrescentarmos os seres humanos, algumas espécies podem ser realmente ameaçadas.   (continua)


  •     Não assista este vídeo se você tem problema cardíaco e gosta de animais.
       Era uma grande rodovia em Moscou. Um gatinho permanecia imóvel e (provavelmente) com muito medo. Os carros passavam com suas rodas pesadas bem perto. Seria questão de tempo...   (continua)


  •    A cifra mais precisa calculada até a data é 8,7 milhões: onde 6,5 milhões se encontram sobre a superfície e 2,2 (25%) habitam as profundidades do oceano. Estes dados foram fornecidos por cientistas do Censo de Vida Marinha e baseiam-se em uma técnica inovadora e...   (continua)


  •    Tem animal que só falta mesmo falar. Esse cão enterra com bastante cuidado um outro cachorro que se encontrava morto em uma vala na beira da estrada. Vale a pena conferir!


  •    Doenças renais crônicas, obesidade, depressão... décadas atrás, era impensável a ideia de que tais enfermidades pudessem atingir cães, gatos e outros animais. Hoje, porém, a medicina veterinária enfrenta casos antes considerados tipicamente ‘humanos’.   (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília