Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O US Open e a paixão pelo Tênis - Luisa Leme

Enviado por Gilberto Godoy
o-us-open-e-a-paixao-pelo-tenis---luisa-leme

   A capacidade de realização que o norte-americano tem é algo que outros países só conseguem imitar.

   Não sei se os inglêses atingem o mesmo nível, mas neste país, há clubes e encontros para tudo. Qualquer interesse, hobby ou paixão ganha um grupo, uma associação, um prêmio, uma organização.

   Talvez para se criar uma identidade, pertencer, ou vencer a timidez, os americanos sempre fazem parte de alguma coisa. Nem que seja um “book club”. O núcleo sempre ajuda organizar a cultura daqui e quem participa tem orgulho do que faz.

   O US Open, um dos maiores campeonatos de tênis do mundo - parte do Grand Slam - é o encontro de fãs mais elegante e agradável que eu já vi na cidade.

   Enquanto a falta de sincronia das sessões de yoga coletivas nos afasta, a bagunça dos shows de rock pode irritar, e a estranheza de ter mais de 300 mulheres tricotando no Central Park, por exemplo, chega a assustar, o US Open faz a gente se apaixonar pelo esporte.

   Uma homenagem aos que jogam e gostam de tênis, o evento cultiva mais a comunidade do que as partidas do torneio.

   O torcedor não é brasileiro, espanhol, de um time ou jogador. No US Open, todo mundo é fã do esporte: curte as partidas que acontecem ao redor do estádio principal (consegui assistir a um set de veteranos com o campeão John McEnroe), tira fotos no hall da fama, espera pelos aquecimentos dos atletas que vão jogar. Usa o boné do torneio e escuta a narração do jogo pelo radinho distribuído na porta do estádio. E curte os restaurantes, as lojas, troféus, e o sol nos jardins do Flushing Meadows.

   A área ao redor dos estádios é um verdadeiro oásis do tênis, dentro de um dos maiores parques da cidade, que tem estádio de baseball, teatro, museu de arte e mais. O Flushing Meadows guarda jóias de Nova Iorque, escondidas das pessoas que tem preguiça de visitar o Queens.

   O US Open consegue trazer os fãs para o lugar mais internacional da cidade, com 138 línguas representada. 

   Todos vêm de metrô, como todo mundo que mora aqui. E o grupo de fãs é diverso, apesar dos ingressos serem caros.

   A diversão dura o dia todo, com várias partidas, quadras, surpresas nos resultados, camisetas do Nadal, e muita, muita história sobre o esporte.

   Tudo isso mais a alegria de ver Serena Williams chorando de emoção, depois de ser novamente campeã.


       Fonte: blog do Noblat
     * Luisa Leme é jornalista e produtora de documentários. Passou pela TV Cultura e TV Globo em São Paulo, e pelas Nações Unidas em Nova York. Mora nos Estados Unidos há sete anos e fez mestrado em relações internacionais na Washington University in St. Louis. Escreve no blog do Noblat sempre às quintas-feiras. Mantém o blog DoubleLNYC comimagens e impressões sobre Nova York. Twitter: @luisaleme

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo


  •      O jogo era entre TianJin e Army no campeonato chinês de voleibol feminino. Eis que alguém apertou o botão de "eternizar" o jogo... um rally interminável e espetacular começa. O espectador pode até pensar que a bola jamais irá tocar o chão outra vez jamais diante da infindável troca de bolas. Incrível!


  •    Quem gosta de tênis já deve ter se perguntado qual a maior troca de bolas num jogo profissional. Longas trocas são cansativas mas muito bonitas de serem vistas. Este post conta um pouco das histórias de longas trocas de bolas.   (continua)


  •    Ismael Hamdaoui faz coisas com a bola que os olhos humanos mal conseguem compreender. O tipo de coisa que exige o replay da cena em câmera lenta para apreciar plenamente o que está acontecendo. Em uma recente partida de futsal na bélgica, ele deixou seus adversários atônitos com suas habilidades.


  •      Para quem gosta de corridas automobilísticas. Uma última volta pra ficar na história do automobilismo. Realmente incrível!


  •    A promessa se chama Kwe'shaun Parker, e não é por acaso que ele vem sendo comparado a Michael Jordan. Ele tem 1,88 metros, relativamente baixo para o esporte, praticamente voa no campeonato colegial de basquete e deve logo estrear no universitário. Ainda que uma bandeja renda...   (continua)


  •    Quando ganhou um game no terceiro set contra Roger Federer na final do US Open em 2017, Novak Djokovic comemorou com o dedo na cabeça, apontando para sua principal aliada: a "força mental". Essa força, segundo ele, começou a crescer ainda na infância.   (continua)


  •    Ela é Michelle Janneke, 19 anos, integrante da equipe de atletismo australiana e vem iluminando a internet nos últimos dias. Arrasou no IAAF Campeonato Mundial de Juniores, ocorrido ano em 2014 em Barcelona, antes, durante e depois da prova de 100 metros com obstáculos.   (continua)


  • “Foi-se a Copa? Não faz mal.
    Adeus chutes e sistemas.
    A gente pode, afinal,
    cuidar de nossos problemas.
    (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília