Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O US Open e a paixão pelo Tênis - Luisa Leme

Enviado por Gilberto Godoy
o-us-open-e-a-paixao-pelo-tenis---luisa-leme

   A capacidade de realização que o norte-americano tem é algo que outros países só conseguem imitar.

   Não sei se os inglêses atingem o mesmo nível, mas neste país, há clubes e encontros para tudo. Qualquer interesse, hobby ou paixão ganha um grupo, uma associação, um prêmio, uma organização.

   Talvez para se criar uma identidade, pertencer, ou vencer a timidez, os americanos sempre fazem parte de alguma coisa. Nem que seja um “book club”. O núcleo sempre ajuda organizar a cultura daqui e quem participa tem orgulho do que faz.

   O US Open, um dos maiores campeonatos de tênis do mundo - parte do Grand Slam - é o encontro de fãs mais elegante e agradável que eu já vi na cidade.

   Enquanto a falta de sincronia das sessões de yoga coletivas nos afasta, a bagunça dos shows de rock pode irritar, e a estranheza de ter mais de 300 mulheres tricotando no Central Park, por exemplo, chega a assustar, o US Open faz a gente se apaixonar pelo esporte.

   Uma homenagem aos que jogam e gostam de tênis, o evento cultiva mais a comunidade do que as partidas do torneio.

   O torcedor não é brasileiro, espanhol, de um time ou jogador. No US Open, todo mundo é fã do esporte: curte as partidas que acontecem ao redor do estádio principal (consegui assistir a um set de veteranos com o campeão John McEnroe), tira fotos no hall da fama, espera pelos aquecimentos dos atletas que vão jogar. Usa o boné do torneio e escuta a narração do jogo pelo radinho distribuído na porta do estádio. E curte os restaurantes, as lojas, troféus, e o sol nos jardins do Flushing Meadows.

   A área ao redor dos estádios é um verdadeiro oásis do tênis, dentro de um dos maiores parques da cidade, que tem estádio de baseball, teatro, museu de arte e mais. O Flushing Meadows guarda jóias de Nova Iorque, escondidas das pessoas que tem preguiça de visitar o Queens.

   O US Open consegue trazer os fãs para o lugar mais internacional da cidade, com 138 línguas representada. 

   Todos vêm de metrô, como todo mundo que mora aqui. E o grupo de fãs é diverso, apesar dos ingressos serem caros.

   A diversão dura o dia todo, com várias partidas, quadras, surpresas nos resultados, camisetas do Nadal, e muita, muita história sobre o esporte.

   Tudo isso mais a alegria de ver Serena Williams chorando de emoção, depois de ser novamente campeã.


       Fonte: blog do Noblat
     * Luisa Leme é jornalista e produtora de documentários. Passou pela TV Cultura e TV Globo em São Paulo, e pelas Nações Unidas em Nova York. Mora nos Estados Unidos há sete anos e fez mestrado em relações internacionais na Washington University in St. Louis. Escreve no blog do Noblat sempre às quintas-feiras. Mantém o blog DoubleLNYC comimagens e impressões sobre Nova York. Twitter: @luisaleme

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O tenista profissional sérvio Novak Djokovic, certamente um dos maiores nomes da história do tênis, é de longe o sujeito mais "simpático e palhação do tênis, sempre distribuindo sorrisos e cheio do melhor humor. Para quem gosta do esporte é sempre uma aula de técnicas e de alegria ver um jogo dele.


  •    Este post é para os amantes do basquetebol. Stephen Curry, do Golden State Warriors, de Oakland, foi eleito o melhor e o jogador mais valioso do basquete. Ele foi escolhido por 131 jornalistas esportivos dos Estados Unidos e do Canadá, com direito...   (continua)


  •      FuteGolfe é um esporte viciante e divertido diversão que combina golfe e futebol. Geralmente é jogado em campos de golfe e os jogadores têm de dar a chutada em uma bola de futebol em buracos com o menor número de chutes possíveis.   (continua)


  •    Chega a ser engraçado. Neste vídeo de comparação, Bill Holand entrando para um pit stop em 1950 na prova de Indianápolis 500. Naquela época, apenas quatro membros da equipe eram autorizados a trabalhar no carro. Tempo de parada: 67 segundos. Em seguida, vemos um pit stop da Ferrari de Alonso em 2013 no GP da Austrália, em Melbourne. Tempo de parada: 3 segundos.   (continua)


  •      Mundial de Ironman 1997, em Kona. Wendy Ingraham e Sian H. Welch chegam na linha de chegada no limite da exaustão. As pernas não respondem mais, mas o que vale é se superar. Confira!
     


  •      O mecânico industrial Ulf Hoffmann construiu um robô, ao qual denominou UHTTR-1, que, lógico, joga tênis de mesa com o auxílio de sua própria câmera. Não é tão agressivo como alguns jogadores, mas é um bom parceiro para treinar a prática do ping-pong. Não sabe dar cortadas mas quem sabe aprende. Hoffman menciona que seu filho adicionou texto e música para o vídeo para que não ficasse tão chato.    (continua)


  •    Imagine um homem de 49 anos de idade que devora cinco remédios diferentes por dia, não abre mão de uma garrafa de vinho, muitas cervejas come quilos de batatas fritas e bastante chocolate. Para completar, considere que alguns de seus últimos check-ups diagnosticaram-lhe um quadro de depressão, entre outros problemas.   (continua)



  •      O jogo era entre TianJin e Army no campeonato chinês de voleibol feminino. Eis que alguém apertou o botão de "eternizar" o jogo... um rally interminável e espetacular começa. O espectador pode até pensar que a bola jamais irá tocar o chão outra vez jamais diante da infindável troca de bolas. Incrível!


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília