Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Pintura: 'No jardim de Giverny', Claude Monet

Enviado por Gilberto Godoy
pintura---no-jardim-de-giverny---claude-monet

     Oscar-Claude Monet (Paris, 14 de novembro de 1840 — Giverny, 5 de dezembro de 1926) foi um pintor francês e o mais célebre entre os pintores impressionistas.
 
     O termo impressionismo surgiu devido a um dos primeiros quadros de Monet, "Impressão, nascer do sol", quando de uma crítica feita ao quadro pelo pintor e escritor Louis Leroy: "Impressão, nascer do Sol” – eu bem o sabia! Pensava eu, justamente, se estou impressionado é porque há lá uma impressão. E que liberdade, que suavidade de pincel! Um papel de parede é mais elaborado que esta cena marinha." . A expressão foi usada originalmente de forma pejorativa, mas Monet e seus colegas adotaram o título, sabendo da revolução que estavam iniciando na pintura.

     Seu pai, Claude - Auguste, tinha uma mercearia modesta. Aos cinco anos, sua família mudou-se para Le Havre, na Normandia. Seu pai desejava que Claude continuasse no comércio da família, mas ele desejava pintar. Foi a sua tia Marie-Jeanne Lecadre que o apoiou a seguir a carreira artística, pois ela fora também pintora.
 
     Em 1851, Monet entrou para a escola secundária de artes e acabou se tornando conhecido na cidade pelas caricaturas que fazia. Nas praias da Normandia, Monet conheceu, por volta de 1856, Eugène Boudin, um artista que trabalhava extensivamente com pintura ao ar livre nessas mesmas praias, e que lhe ensinou algumas técnicas ao ar livre.
 
     Em 28 de janeiro de 1857, sua mãe morreu e, aos dezesseis anos, Monet abandonou a escola e foi morar com sua tia Marie-Jeanne Lecadre.
 
     Em 1859, Monet foi para Paris estudar pintura, e foi aí que conheceu a sua primeira mulher, Camille. Monet retratou-a muitas vezes, em quadros onde ela aparecia mais do que uma vez na mesma pintura.
 

     "Monet viveu 86 anos e pintou durante quase 71 anos... e pintou uma enorme quantidade de grandes quadros, tão lindos, de tanta beleza que talvez a luminosidade e a cor escondam toda sua arte, ou melhor, mostrem mais o belo do que o que ele inovou em matéria de Arte. Ele comprou um jardim encantado quando comprou sua casa em Giverny (1883). Vou deixar que ele mesmo nos conte sobre seu deslumbramento. Tendo um poeta para falar, e poeta que sabe usar a pena e o pincel, não tenho mais nada a fazer aqui. Passo a palavra a Claude Monet:
     - Estou em estado de arrebatamento. Giverny é um lugar esplêndido para mim.
    - Está tão lindo aqui no campo, escrevo para dizer a você que venha logo, o jardim está muito belo neste momento: vale a viagem e dentro de 15 dias, no máximo, tudo será passado.
    - Montei meu cavalete diante dessa massa de água que torna meu jardim mais agradável no verão: não tem mais do que 200 metros de largura e, no entanto, sua imagem despertou em mim a idéia do infinito.
     - Nem a luz e nem a sombra são o objeto de minha pintura, mas a pintura que existe na sombra e na luz.
     - De repente percebi quão mágico é meu lago. Peguei minha paleta. Desse dia em diante, quase não tive outro modelo.
     - Minha sensibilidade, longe de diminuir, foi acentuada pela idade, que não me mete medo enquanto houver plena comunicação com o mundo exterior para alimentar minha curiosidade, e enquanto minha mão permanecer ágil e fiel intérprete de minha percepção.
     - Está tão claro, o rosa e o azul tão puros, que o menor toque no lugar errado suja a tela.
     - Eu quero pintar o ar que envolve a ponte, a casa e o barco. A beleza do ar no qual eles estão, e isso é simplesmente impossível.
     - Não, eu não sou um grande pintor, um grande poeta. Somente sei que faço o que posso para exprimir o que sinto diante da natureza.
     - Meu coração está em Giverny, sempre e sempre."

     Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa - Blog do Noblat

 

Comentários

  • por: Ana Carolina Maia Soares em quinta-feira, 20 de outubro de 2011
    "Somente sei que faço o que posso para exprimir o que sinto diante da natureza." ... E como o fez!

Também recomendo

  •    O legado de Monet deixou-nos uma visão estética muito particular do mundo, do mundo como eles não só o viram, senão como quiseram ver. Uma imagem do mundo filtrada pela câmera do olho. Neste vídeo filmado em 1915 podemos ver como a câmera de vídeo...   (continua)


  •    Compreender a história da arte nunca foi fácil. Mas o 'redditor DontTacoBoutIt',  uma conta que já não existe mais, postou uma série de pinturas famosas e deu explicações curtas, mas divertidamente precisas sobre como reconhecer seus autores. Segundo ele, por exemplo, as obras de...   (continua)


  •    Que me perdoem os críticos de arte, cinema, literatura... mas seu papel sempre me pareceu um pouco cruel, ajuízam e julgam o trabalho de outros podendo afundar na miséria. Entendidos que são, não é incomum que se equivoquem ao fazer alguma resenha crítica a respeito de...   (continua)


  •    O Gato de Botas, um dos mais interessantes dos Contos de Perrault, mereceu uma deliciosa gravura de Doré. A cara do gato conta logo quem é esse grande finório, cheio de truques, inventivo, e que muito ajuda seu amo, o filho do moleiro que graças ao...   (continua)


  •    Paul Cézanne nasceu em 19 de janeiro de 1839, no sul da França, na Provença, região procurada por muitos pintores e artistas pela luminosidade esplêndida e suave que fez e faz a delícia de quem por lá anda. Sua cidade natal é a bela Aix-en-Provence...   (continua)


  •    Bobbie vive a vida ao máximo. Ela vê o positivo em cada situação e aprende com isso. A força interior, profundidade e inteligência de Bobbie se refletem em suas esculturas de bronze. Ela estudou em muitos dos notáveis ​​artistas de hoje e toma influência de Leonardo Bistolfi, Solon e ...   (continua)


  •      Edward Hopper, o mais conhecido pintor realista americano, disse uma vez: “O homem é sua obra. Do nada nunca sai coisa alguma”. Essas palavras dão uma pista sobre um artista que era não somente muito cioso de sua intimidade, mas que fez da solidão e da introspecção temas de seus quadros. (Abaixo, à esquerda, auto-retrato, óleo sobre tela, 1925/30).   (continua)


  •     O jornal mexicano “El Universal” listou as dez obras de arte que considera como “as mais polêmicas da história”. Como quaisquer listas, sempre restritivas, a do veículo da terra do poeta Octavio Paz é questionável, mas pelo menos alguns dos quadros são mesmo controvertidos, provocam polêmicas e geram dezenas de livros e documentários, como é o caso das pinturas do italiano Leonardo Da Vinci, talvez o maior gênio da história da arte. Ou seria Michelangelo?   (continua)


Copyright 2011-2019
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília