Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Quem disse que precisamos ter opinião sobre tudo?

Enviado por Gilberto Godoy
quem-disse-que-precisamos-ter-opiniao-sobre-tudo-

    Alexandre Matias - O Estadao.com.br

     Wando morreu. E eis que, no dia de sua morte, em meio ao luto súbito e homenagens póstumas de toda ordem (desde versões ilustradas para o hit “Fogo e Paixão” até piadas sobre um dos temas favoritos do cantor, as calcinhas), o blog Não-Salvo – um dos maiores blogs de humor do Brasil – postou uma foto do Sidney Magal em sua página no Facebbok. Sobre a foto, um texto anunciava “Wando (1945-2012)” e citava um trecho da música “Borbulhas de Amor”, do Fagner.

     Não era um erro. Foi de propósito, afinal o motivo era brincar com o fato de que as pessoas acabam confundindo determinadas informações e, no calor da hora, misturam lé com cré.

     Os leitores do blog não só entenderam a piada como a passaram para frente, compartilhando a imagem em seus perfis na rede social. Mas como nem todo mundo conhece o site ou foi avisado de que aquela imagem veio de um site de humor, não faltaram comentários que não apenas corrigiam a imagem (“esse não é o Wando!”) como agrediam rispidamente a “ignorância” de quem postou a informação “errada”.

     (Cabe um parêntese rápido sobre essa agressividade típica da internet. Uma vez que não há o contato próximo, é muito comum que se aproveitem desta frieza e distância da comunicação online para a exibição de uma fúria ameaçadora. Antes do Facebook, reclamações, acusações e ameaças ficavam escondidas sob o fato de que não era preciso se identificar para fazer comentários em sites ou blogs. Depois do Facebook, em que a identificação é capital, essa raivinha foi transformada em exibicionismo de opinião, com pessoas debatendo interminavelmente – e apaixonadamente – sobre qualquer assunto que vier à pauta. Seja um animal morto, uma declaração de um político, o resultado de um jogo ou um programa de TV – todo mundo tem opinião formada sobre qualquer assunto. Depois dos trending topics do Twitter, agora temos a polêmica do dia, no Facebook).

     Mas é tudo uma questão de contexto. Como observa o fundador do site BuzzFeed, Jonah Peretti, o Facebook e as redes sociais em geral misturam notícias sérias e fúteis no mesmo ambiente – afinal, tais notícias interessam a qualquer um. Mas uma coisa é reclamar que a foto exposta não é do Wando e sim do Sidney Magal. Outra coisa é sair compartilhando qualquer tipo de informação sem checar de onde ela vem. É um exercício natural à prática do jornalismo que, aos poucos, está sendo repassado para todo o público não-jornalista.

     É fácil acabar com a reputação de uma pessoa em alguns posts no Facebook. O que aconteceu com a Luíza, aquela, do Canadá, poderia não ser engraçadinho e curioso – e, sim, trágico, caso o tema fosse diferente de um pitoresco comercial de TV. Misture isso ao fato de que muitos passam para frente notícias sem nem mesmo checar de quando elas são e que há proliferação de sites de humor que fingem ser publicações jornalísticas e temos um trem saindo dos trilhos em nosso inconsciente.

     Talvez seja a avalanche de informação, talvez seja algo que eu chamo de “a ressaca da web 2.0” (que permitiu a qualquer um dizer o que pensa online – e agora estamos vendo todo mundo dizer o que pensa só pelo simples fato que é possível dizer o que se pensa o tempo todo). Há a clássica frase de Gilbert Chesterton que, no começo do século 20, disse que “não foi o mundo que piorou, as coberturas jornalísticas é que melhoraram muito”.

     Essa sensação de euforia e paixão – que pode ser boa ou ruim – é uma espécie de desdobramento da constatação de Chesterton. Tanta informação faz que a gente queira acompanhar esse ritmo da mesma forma, mas vale o novo ditado “Google before you tweet is the new think before you speak” (“Usar o Google antes de twittar é o novo pense antes de falar”). Sem um mínimo de ponderação, mergulhamos de cabeça no redemoinho de informação que parece nos puxar para baixo. Mas essa força não age sozinho – é preciso que você dê o primeiro passo. Por isso, calma.
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Uma família faz uma viagem diferente pela Itália. Pai, mãe e filhos se aventuram de bicicletas em cidadezinhas, hotéis, pousadas, casas de parentes, estradas e monumentos. Muitos animais, comidinhas e surpresas... Vídeo belo e músicas agradáveis. Isto é vida!


  •    Conquanto os implantes anticoncepcionais não sejam algo novo, a Fundação Bill & Melinda Gates quer melhorá-los significativamente respaldando em termos financeiros uma empresa de biotecnologia de Massachusetts que busca desenvolver a próxima geração de dispositivos implantáveis.   (continua)


  •    Um avião de caça F16 da Força Aérea turca voou a poucos metros sobre uma multidão enquanto pousava no espetáculo aéreo de Waddington, na Inglaterra. Por pouco!


  •    Um veículo dos sonhos de qualquer motorista de grande centros urbanos. Bom, em realidade estamos ante um protótipo, já que o trabalho de Thorstin Crijns está em processo de testes. Trata-se de um multicóptero formado por 16 motores e um grande cluster de bateria de...   (continua)


  •    Nicholas James Vujicic (Melbourne, 4 de dezembro de 1982) é um pregador e palestrante motivacional e diretor da Life Without Limbs. Nascido sem pernas e braços devido a rara síndrome Tetra-amelia, Vujicic viveu uma vida de dificuldades e provações ao longo de sua infância.   (continua)


  •    De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 60, 70 e princípios de 80, não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebê eram pintadas com cores bonitas, em tinta à base de chumbo, altamente tóxicas, que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos.   (continua)


  •    Conheça nosso Canal no Youtube.
       Vídeos sobre psicologia, saúde, arte, cultura, entrevistas e muito mais.
       Se INSCREVA AQUI e participe das nossas LIVES e gincanas culturais mensais.
     


  •    Quando a gente acha que já viu quase tudo... Um homem de sobrenome Wang do condado de Huaiyang, na província chinesa de Henan, recentemente teve o choque de sua vida depois que a polícia revelou que sua esposa grávida fujona era na verdade um rapaz que gostava de se vestir como mulher.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília