Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Um morto que voltou pra casa

Enviado por Gilberto Godoy
um-morto-que-voltou-pra-casa

     Um história digna de figurar entre as mais destacadas do seriado "Acredite se quiser!"... 

   O ator canadense Charles Francis Coghlan, nascido na Ilha do Príncipe Eduardo, fez verdadeiro sucesso representando papéis de obras de Shakespeare, o que resultou em um convite para fazer uma turnê pelos EUA. Na cidade de Galveston (Texas), fixou indisposto e naquela noite foi substituído pelo ator suplente.

     Poucos dias depois, em 27 de novembro de 1899, faleceu por uma insuficiência cardíaca. Sua mulher, que o acompanhava na turnê, não conseguiu cumprir com seu último desejo, aquela cidade não tinha um crematório. Ademais, sua filha ficou gravemente doente e teve que retornar ao Canadá. Sendo assim ordenou que seu marido fosse enterrado em Galveston até poder repatriá-lo a seu lar.

     Meses mais tarde, um terrível furacão arrasou Galveston matando 6 mil pessoas e inundando o povoado e o cemitério local. Quando por fim a água baixou e puderam chegar ao cemitério, descobriram que alguns caixões foram arrancados de seus túmulos e o de Coghlan estava entre os desaparecidos. Buscaram-nos durante vários dias mas nem sinal. O caixão foi arrastado para o mar até o golfo de México.

     Nos anos seguintes apareceram muitas versões sobre onde o ataúde tinha ido parar, mas a mais espetacular foi a de Robert LeRoy Ripley, em 1929, em sua coluna do Evening Post, Believe it or not! (Acredite se quiser!), na qual contava fatos estranhos e que, devido a seu sucesso, teve sua continuidade no rádio, TV e a publicação de vários livros e quadrinhos.

     Segundo Ripley, oito anos depois, em um dia qualquer de outubro de 1908, pescadores da Ilha do Príncipe Eduardo localizaram um caixão alongado e surrado pela intempérie flutuando próximo a costa. Coghlan havia voltado para casa.

     Fonte: eNotes

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O Renascimento marcou um ponto de inflexão nas artes, nas ciências e na cultura em geral. Foi uma época de luz em frente ao obscurantismo da Idade Média. Um dos membros destacados desta época foi o filósofo e humanista Erasmo Rotterdam que publicou em 1530 um manual de comportamento...   (continua)


  •    De onde vem a empatia e o que poderia ser feito para que aumente? Levando em conta que é um sentimento de harmonia que tem a ver com a interação com os demais, a pergunta tem várias arestas, começando em que há dois tipos de empatia:...   (continua)


  •    "Quem falou que a vida é fácil?", já dizia o Capitão Nascimento. Talvez por isso seja tão fácil decorar nossa vida cotidiana com manchetes de más notícias, energicamente propagadas por meios que querem chamar sua atenção através da morbidez e que, de maneira irresponsável...   (continua)


  •    A gente não imagina como são fabricados alguns produtos artesanais tão comuns no dia a dia. A tesoura, por exemplo. O fotógrafo Shaun Bloodworth criou um vídeo chamado "The Putter", documentando o processo de produção de uma tesoura. O vídeo mostra...   (continua)


  •    Em 1962 o famoso psicólogo social Solomon Asch juntou-se a equipe de um programa de pegadinhas chamado Candid Camera para demonstrar como as pessoas se conformam à norma. A facilidade com que uma pessoa modifica sua conduta para ajustar com um grupo faz...   (continua)


  •    Uma pimenta 1000 vezes mais ardida que a dedo-de-moça. Muita gente "insana" reunida na Dinamarca só para provar da delícia. Nada encontrado em estado natural pode superar a quantidade de capsaicina da Bhut Jolokia, também conhecida como pimenta fantasma, por isso...   (continua)


  •    Há uma frase que diz: “Não são todos os que estão, nem estão todos os que são”. Quer dizer que, nem todos os que estão em um hospital psiquiátrico são loucos e nem todos os loucos estão em um hospital psiquiátrico. Há psicopatas em todas as partes: dirigindo um transporte público, administrando uma empresa ou governando um país.   (continua)


  •    O barulho que ouvimos quando colocamos uma concha junto ao nosso ouvido não é o oceano, mas sim o som do sangue correndo nas veias da orelha;  - O ouro é o único metal que não enferruja, mesmo estando enterrado no solo por milhares de anos; A língua é o único músculo do corpo que está ligado apenas a uma extremidade...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília