Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Você está envolvido ou comprometido com o amor?

Enviado por Gilberto Godoy
voce-esta-envolvido-ou-comprometido-com-o-amor-

      Rosana Braga, jornalista, autora de "O poder da gentileza"

    Você já deve ter ouvido, alguma vez, aquela historinha da galinha e do porco que conta sobre a diferença entre estar envolvido e estar comprometido. Ou seja, a galinha está envolvida numa omelete porque cede o seu ovo, parte de si mesma para que a omelete aconteça; e o porco está comprometido numa feijoada porque se dá inteiro, perde sua vida para que o prato aconteça.

     Partindo deste princípio, pense: você está envolvido ou comprometido com a sua relação? Obviamente, não estou falando de perder a sua vida ao se comprometer, mas de conseguir ter noção, antes de mais nada, da diferença de comportamento entre quem se envolve e quem se compromete.

     Estar envolvido é dar-se em parte, é estar junto enquanto está bom, enquanto lhe convém, lhe é interessante, enquanto você não se vê convidado a superar dificuldades, rever conceitos e valores, modificar suas atitudes a fim de fazer dar certo.

     Estar envolvido é ficar somente enquanto você não precisa perder nada, não precisa abrir mão de algo que lhe é caro, não precisa sentir-se com menos alguma coisa em função desta relação, do outro, do amor que você sente.

     Estar comprometido é disponibilizar-se inteiramente, é estar disposto a qualquer coisa – dentro dos limites humanos, é claro – para que o amor prevaleça, para que o seu relacionamento sobreviva apesar das batalhas perdidas, apesar de ter que exercer a sua compaixão e colocar-se no lugar do outro, tentando compreender suas necessidades e desejos, a fim de que o relacionamento ganhe.

     Estar envolvido é priorizar a si mesmo na maioria das vezes, levando em conta que a relação só vale a pena se lhe trouxer vantagens. Por outro lado, estar comprometido é priorizar essa triangulação que envolve você, o outro e o mundo criado a partir desta união. É saber que nem sempre as vantagens são pessoais. Muitas vezes, é preciso abrir mão de sua opinião, de seu desejo e de seu tempo para que o relacionamento cresça, se fortifique e torne-se mais sólida a vida em comum.

     Talvez isso não lhe pareça muito com romance, amor-perfeito ou conto de fadas, onde tudo parece ser sempre ganho, vantagens e benefícios. No entanto, relacionamento é uma questão de escolha, objetivo e sentimento. O amor faz com que perdas se transformem em ganhos, com que o fato de você ceder lhe transforme em mais forte e não em mais frágil.

     Tem gente que costuma dizer que viver com o ser amado é dividir com ele a sua vida. Eu prefiro a palavra compartilhar. Dividir parece ficar com apenas metade do que você era antes, porque dá ao outro a metade restante; enquanto que compartilhar significa ficar com o que você já era e ainda poder usufruir o que o outro é, ganhar a essência dele no intuito de aprender, de reconhecer nele qualidades que você não tinha, mas que pode assimilar e passar a ter.

     Quanto aos defeitos, que os dois certamente têm, você pode reconhecer os seus através do outro, dos comentários e pedidos dele; e também pode ajudar o seu amado a evoluir com seus pedidos e percepções.

     Enfim, compartilhar vidas de forma comprometida é tornar-se mais, melhor, mais inteiro. É dar o seu melhor e reconhecer que não há garantias, não há certezas, não há um para sempre, nunca! Por isso mesmo, amar comprometidamente é uma decisão diária, é um exercício que exige disciplina e continuidade. Não há amor ganho, não há coração conquistado... há somente a decisão pessoal e particular de recomeçá-lo todos os dias.


    Fonte:  www.rosanabraga.com.br

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O fato de alguém querer muito a nossa atenção não nos obriga a aceitar sua aproximação. Ao insistir em seu objetivo, mesmo que nos ame, ela estará sendo prepotente e egoísta. Um senhor me acusou de desrespeitoso e mal-educado. Motivo? Não quis falar com ele ao telefone.   (continua)


  •    "São 6 horas da manhã. O despertador canta de galo e eu não tenho forças nem para atirá-lo contra a parede. Estou tão acabada, não queria ter que trabalhar hoje. Quero ficar em casa, cozinhando, ouvindo música, cantarolando, até! Se tivesse filhos, gastaria a manhã brincando com eles. Se tivesse cachorro, passeando pelas redondezas...   (continua)


  •    Definição mais simples e exata sobre o sentido de mantermos uma relação? “Uma relação tem que servir para tornar a vida dos dois mais fácil”.
    O assunto é bom, e merece ser desenvolvido. Algumas pessoas mantém relações para se sentirem integradas na sociedade, para provarem a si mesmas que são capazes de ser amadas, para evitar a solidão, por dinheiro ou por preguiça. Todos fadados à frustração.Uma armadilha.  (continua)


  •    A posição na hora de dormir diz algo sobre a qualidade do seu relacionamento? Segundo uma pesquisa realizada no Reino Unido, sim. O resultado vem de uma série de pesquisas realizadas com mil pessoas durante o Festival Internacional de Ciência de Edimburgo, dirigidas pelo psicólogo Richard Wiseman, professor da Universidade de Hertfordshire.   (continua)


  •    Segundo um grupo de pesquisadores, sim e os números podem predizer o tempo que uma relação vai durar. Estes matemáticos dizem ter chegado também a fórmula do amor eterno. O cálculo tem a ver com a compatibilidade e com as expectativas de um futuro juntos, além de ter em conta alguns dados do passado.   (continua)


  •      A história de Jack Potter e sua esposa, Phyllis, é comovente. Casado há 70 anos com ela, Jack luta para o amor entre os dois não se acabar. Sabendo que Phyllis sofre de demência e falta de memória, o homem a visita todos os dias na casa de repouso na cidade de Rochester, Inglaterra, e lê para ela o diário que guarda desde o dia em que se conheceram.   (continua)


  •    O memorável Carlos Drummond de Andrade, um de nossos poetas mais conhecidos, certa vez escreveu que "existem muitas razões para não se amar uma pessoa, mas apenas uma para amá-la". No sentindo mais poético e eloquente da questão, é muito provável que a afirmação dele esteja correta! Entretanto, estamos longe de saber amar somente com...   (continua)


  •    Ruth de Aquino, ÉPOCA
     Pode parecer incrível para muitos de nós, que vivemos em harmonia negociada com o outro sexo. Mas, no século XXI, ainda existe ódio sexista, latente ou escancarado. O que aconteceu na semana passada com a publicitária paulistana Renata Gervatauskas, de 35 anos, é um triste exemplo disso. Renata escreveu um post para...   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília