Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

A morte de um rio - Lúcio Tamino

Enviado por Gilberto Godoy
a-morte-de-um-rio---lucio-tamino

   O desastre socioambiental causado pela mineradora Samarco (Vale, antes ‘Vale do Rio Doce’ e BHP Billiton) com o rompimento de suas barragens de rejeitos de minério no município de Mariana, em Minas Gerais, é um dos maiores na história do país. A área afetada ultrapassa os 600 Km, chegando inclusive ao Oceano Atlântico.

   A lama é resultado de décadas de exploração mineradora da região, e além do poder destrutivo da avalanche e inundações de lama, há controvérsias sobre o nível de toxicidade desse material. A Samarco, para ganhar tempo, afirma que a lama não é tóxica, mas há inúmeras suspeitas e indícios de que há uma grande quantidade de metais pesados altamente tóxicos no material, que contaminariam toda essa enorme extensão atingida pela lama, o que inclui o solo, inúmeras bacias hidrográficas, e a população.

   Centenas de pessoas estão desabrigadas e ao redor de 30 pessoas morreram por conta do desastre, incluindo idosos e crianças, sendo que a grande maioria segue desaparecida. Não havia nenhum sistema de alarme para evacuação da população caso um acidente ocorresse. Já os números de mortes de animais e da natureza que foi destruída é incalculável. Incontáveis animais domesticados como cachorros, gatos, galinhas, patos, cavalos, etc, morreram. As matas da região foram atingidas, matando assim grande parte da fauna e flora dessas áreas. O ecossistema aquático foi com certeza o mais afetado, causando a morte de milhões de peixes e de praticamente toda a vida das bacias hidrográficas atingidas, sendo por asfixia ou contaminação. A imagem da tartaruga morta é do Parque Estadual do Rio Doce, a maior área de Mata Atlântica de Minas Gerais e terceira maior área alagada do Brasil (depois da Amazônia e Pantanal), localizado a mais de 150 km das barragens, o que demonstra o poder destrutivo e mortal do material liberado.

   O ferro extraído dessas minas é transportado por minerodutos para os portos no litoral, utilizando uma quantidade absurda de água, ao mesmo tempo em que a população sofre com a falta d’água e é obrigada a economizar. O minério segue então para o exterior, o que deixa claro que o saque das riquezas naturais do Brasil continua a todo vapor, com pouco ou nenhum retorno para o país, e o meio ambiente não é sequer considerado como sujeito de direito. Tudo isso para beneficiar os acionistas das empresas em questão, que lavam as mãos e seguem anônimos, comprando e vendendo as ações das empresas conforme lhes convém, sem consideração nenhuma com a ética, mas sim com o lucro, simples e frio. Não há compensação possível para esse ecocídio, dinheiro nenhum vale as vidas de tantos seres vivos e da saúde da própria terra.

   A informação é uma de nossas maiores armas nesse momento. É imperativo refletirmos sobre esse modelo explorador e ganancioso que é imposto sobre as populações. Que esse desastre seja a gota d’água para sairmos desse mar de lama e pararmos essa máquina de destruição e morte.

     Fonte: Revista Ecológica

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O cerrado deve muito à ciência. Foi ela que moldou seu presente e poderá garantir seu futuro. Graças ao trabalho de cientistas – melhorando espécies, modificando a terra e criando novos métodos de cultivo, por exemplo –, essa imensa savana de solos pobres e sujeita a...   (continua)


  •    Quem já viu a chuvarada na época das águas sabe que enfrentar uma tempestade de granizo é atitude de gente que não tem amor a vida. Algo mais ou menos parecido com o que é mostrado neste vídeo, que foi gravado em 2015 em Maroochydore, Queensland, na Austrália. O responsável pelo vídeo conta que ...    (continua)


  •    "Toda a minha obra é Inspirada na Mata Atlantica".  Tom Jobim


  •    Se alguma vez perguntou como seriam os raios a câmera lenta, bem lenta, hoje é seu dia de sorte. Vladislav Mazur e Tom A. Warner mostram um raio negativo nuvem-terra capturado em 7.207 imagens por segundo.   (continua)


  •    A cada dia que passa a gente descobre coisas incríveis. A natureza é realmente incrível! Existe uma espécie de palmeira de porte magro e alto (ela cresce até 25 metros de altura), com raízes aéreas incomuns, na forma de cone aberto, que conferem a Socratea exorrhiza, uma palmeira...   (continua)


  •      Segundo o climatologista Ricardo Augusto Felício , da USP, o aquecimento global não existe ,bem como a camada de ozônio, a influência do desmatamento, o aumento do volume dos oceanos, a importância da floresta amazônica e outros temas tão discutidos nas duas últimas décadas... segundo ele, esses fenômenos são cíclicos. Vejam o vídeo e tirem suas conclusões.   (continua)


  •    Maria Fernanda Ziegler, iG São Paulo
       Embora não sejam comuns no Brasil, os terremotos não são impossíveis de acontecer por aqui. Além disto, estudos geológicos mostram que há maior probabilidade de que os abalos ocorram em áreas mais populosas e com maior potencial de danos, como a região Sudeste e o Ceará. Essa é a tese defendida pelo...   (continua)

  •    "Não existe aquecimento global", diz representante da OMM na América do Sul. Com 40 anos de experiência em estudos do clima no planeta, o meteorologista da Universidade Federal de Alagoas Luiz Carlos Molion apresenta ao mundo o discurso inverso ao...   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília