Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

O aquecimento global existe?

Enviado por Gilberto Godoy

     Segundo o climatologista Ricardo Augusto Felício , da USP, o aquecimento global não existe ,bem como a camada de ozônio, a influência do desmatamento, o aumento do volume dos oceanos, a importância da floresta amazônica e outros temas tão discutidos nas duas últimas décadas... segundo ele, esses fenômenos são cíclicos. Vejam o vídeo e tirem suas conclusões.


     Carta de Ricardo A. Felício aberta à comunidade da USP

     Lamentável e repugnante a matéria deste jornal da primeira quinzena de março de 2010, informando que os cientistas da USP permanecem fiéis ao IPCC. Vocês deveriam se retratar em público por tamanho absurdo. Somos muitos os pesquisadores desta instituição que negam as imbecilidades pregadas, em forma de dogma, da patifaria imposta por ONGs, ONU e interesses de governos internacionais. Cientista não pode ser fiel, muito menos a um órgão político da ONU que nada tem de científico. O jornal ainda peca ao falar dos 2000 cientistas. Eles não devem passar atualmente de 100 ou 200. Só em 2008, mais de 600 caíram fora, alegando que não mais participariam deste conluio. O número real expressa um avolumando contingente de membros de ONGs, políticos e burocratas que nada tem a ver com ciência. Esta é a realidade que custa a ser demonstrada aqui no Brasil.
 
     Enquanto a briga lá fora está acirrada devido aos diversos escândalos, quase semanais, encontrados nos afazeres do IPCC e seus asseclas, a nossa imprensa se cala, não trazendo as grandes discussões diárias sobre o assunto que vemos em outros países. Só mesmo pseudocientistas, engajados em interesses econômicos, é que se curvam ao IPCC. E pelo que vemos, temos muitos aqui dentro.
 
     Então lançamos o desafio, exatamente como é feito no exterior: mostrem a evidência! Já adiantamos que não aceitamos: “eu acho” ou “eu creio”; saída de modelos de computador e nem dogmas. A grande prova de que eles não tem nada é sua fuga das discussões e seus ridículos planos, atrelados ao uso do “princípio da precaução, porque na falta de plena certeza científica, devem-se tomar medidas de mitigação imediatas”. Qual a finalidade da pesquisa científica séria e dedicada, se no final das contas a resposta já está dada de antemão – se o aquecimento global fosse verdadeiro, deveríamos tomar medidas mitigatórias, mas se ele não for comprovado (como não o é) devemos tomar exatamente as mesmas medidas, apenas por precaução? Que futuro resta para a ciência climática, se ela não é mais ouvida, pois todas as decisões em nome dela já foram tomadas? Sem falar da idéia de consenso, pois todos já admitiram que o homem causa “aquecimento global”, também confundido com “mudanças climáticas”. Oras, só nestas afirmações nós percebemos como eles são totalmente contraditórios. Sem falar que ainda dizem que os debates já se encerraram. Como as discussões estão encerradas se elas nunca aconteceram?
 
     Querem trocar todo o cotidiano das atividades humanas baseados em mentiras?! Isto é completamente absurdo! A patifaria tomou vida própria. Está mais do que na hora de ser devidamente neutralizada. Gastar verbas com o Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas – PBMC será uma fabulosa forma de sumir com dinheiro público que poderia ser muito bem empregado para fazer melhorias contra um real problema: saneamento básico no Brasil! Quanto à imparcialidade do jornal, esta ficou muito a desejar.
 
     Ricardo Augusto Felicio é graduado em Ciências Atmosféricas – Meteorologia pela USP, tem mestrado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e doutorado em Geografia (Geografia Física) pela USP.
 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    O cerrado deve muito à ciência. Foi ela que moldou seu presente e poderá garantir seu futuro. Graças ao trabalho de cientistas – melhorando espécies, modificando a terra e criando novos métodos de cultivo, por exemplo –, essa imensa savana de solos pobres e sujeita a...   (continua)


  •    Quem já viu a chuvarada na época das águas sabe que enfrentar uma tempestade de granizo é atitude de gente que não tem amor a vida. Algo mais ou menos parecido com o que é mostrado neste vídeo, que foi gravado em 2015 em Maroochydore, Queensland, na Austrália. O responsável pelo vídeo conta que ...    (continua)


  •    "Toda a minha obra é Inspirada na Mata Atlantica".  Tom Jobim


  •    Se alguma vez perguntou como seriam os raios a câmera lenta, bem lenta, hoje é seu dia de sorte. Vladislav Mazur e Tom A. Warner mostram um raio negativo nuvem-terra capturado em 7.207 imagens por segundo.   (continua)


  •    A cada dia que passa a gente descobre coisas incríveis. A natureza é realmente incrível! Existe uma espécie de palmeira de porte magro e alto (ela cresce até 25 metros de altura), com raízes aéreas incomuns, na forma de cone aberto, que conferem a Socratea exorrhiza, uma palmeira...   (continua)


  •    Maria Fernanda Ziegler, iG São Paulo
       Embora não sejam comuns no Brasil, os terremotos não são impossíveis de acontecer por aqui. Além disto, estudos geológicos mostram que há maior probabilidade de que os abalos ocorram em áreas mais populosas e com maior potencial de danos, como a região Sudeste e o Ceará. Essa é a tese defendida pelo...   (continua)

  •    "Não existe aquecimento global", diz representante da OMM na América do Sul. Com 40 anos de experiência em estudos do clima no planeta, o meteorologista da Universidade Federal de Alagoas Luiz Carlos Molion apresenta ao mundo o discurso inverso ao...   (continua)


  •    Quem mora ou esteve em Campinas na semana passada não vai querer ver este post. Lá ocorreu um fenômeno deste tipo que deixou um rastro de destruição. É a mãe natureza e suas leis que são mais fortes do que nós.   (continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília