Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Canção das Metades - Li Mi-an

Enviado por Gilberto Godoy
cancao-das-metades---li-mi-an

"Até agora, a maior metade atravessei
desta vida flutuante – eis a palavra mágica:
pois nos veda provar alegrias além
do que podemos ter! A metade da vida
é o período melhor a que alguém chega, quando
sabe andar devagar e, assim, anda em sossego.

Vasto mundo terás meio entre o céu e a terra;
mora a meio caminho entre a cidade e o campo,
tem lavouras a meio entre rios e montanhas;
sê meio intelectual, meio fidalgo e meio
comerciante; vive em meio aos que são nobres,
mas também em meio do povinho comum.
Seja tua casa meio ornada, meio simples
e, tendo móveis bons, pareça meio nua;
tuas roupas, meio antigas e meio novas;
as refeições, meio triviais, mas meio epicuristas.
Tem criados não muito astutos, nem estúpidos;
mulher não muito feia nem bela em excesso.

Sinto em meu coração que, assim, sou meio Buda,
quase meio bendito espírito taoísta.
Metade do que sou ao Pai do céu devolvo
e a outra metade deixo à minha descendência,
meio pensando em tudo o que é mister prover
para a posteridade e meio preocupado
em como responder a Deus, depois que o corpo
afinal repousar.

É mais destro em beber quem só meio ébrio fica,
e a flor ao entreabrir-se mais linda se revela;
mais firme é o navegar do barco a meia vela;
melhor trota o corcel de rédeas meio presas.

Quem tem meios demais, soma-lhes a ansiedade
quem de menos os tem, ganha sabor de posse.
Como a vida se faz de doçura e amargor,
quem só a metade prova é mais arguto e sábio."

Li Mi-an, poeta chinesa do século XVI

Comentários

  • por: Frennessey S. Leal em sexta-feira, 19 de julho de 2013
    ...Uma visão bastante amadurecida contida nessa bela filosofia, embora também saiba que é das mais exasperantes para os partidários dos cem por cento. Abraços!

Também recomendo

  •              Poema do período abolicionista feito por Castro Alves e reproduzido, parte musicalmente, por Caetano Veloso e Maria Bethânia.

    'Stamos em pleno mar... Doudo no espaço
    Brinca o luar — dourada borboleta;
    E as vagas após ele correm... cansam
    Como turba de infantes inquieta.
    (continua)


  • Sophia de Mello Breyner Andresen
    "Para enfrentarmos juntos o terror da morte
    Para ver a verdade para perder o medo
    Ao lado dos teus passos caminhei
    (continua)


  •     Poema do "poeta dos escravos" Antonio Frederico de Castro Alves (1847-1871), declamado pelo ator Paulo Paquet Autran (1922-2007)


  •    Nesse vídeo, a cantora diz o "Poema do menino Jesus", de Fernando Pessoa e, em seguida, canta "O doce mistério da vida". Post em homenagem a data de nascimento do grande poeta português. A dela foi ontem, 18 de junho.   "... a mim ensinou-me tudo. Ensinou-me a olhar para as coisas..."   (continua)


  • "Manhã de outono, noite de inverno:
    duas estações repartem ao meio, o dia.
    O fôlego renovado do vento faz dançar folhas órfãs.
    A força retocada do frio faz tremer nuas árvores.
    E, enquanto a noite suspira neblinas,
    estrelas pendem de cansaço e sono.
    (continua)


  •    Um poema inédito de Fernando Pessoa foi encontrado em um  "livro de autógrafos" com um manuscrito de do poeta na última página. A escritores como Fernando Pessoa, tem-se sempre a ideia de que já não há mais nada a descobrir sobre eles. Afinal, no caso do poeta português, já se passaram mais de 80 anos da morte.   (continua)


  • Vamos, não chores.
    A infância está perdida.
    A mocidade está perdida.
    Mas a vida não se perdeu.
    (continua)


  •      Por Assis Ribeiro do site da Revista Bula via blog Luis Nassif Online
       Pedimos a 50 convidados — escritores, críticos, professores, jornalistas — que escolhessem os poemas mais significativos de autores brasileiros em todos os tempos. Cada participante poderia indicar entre um e dez poemas...   (continua)


  • "Os sapatos envelheceram depois de usados
    mas fui por mim mesmo aos mesmos descampados
    E as borboletas pousavam nos dedos de meus pés.
    As coisas estavam mortas, muito mortas,
    Mas a vida tem outras portas, muitas portas..."
    (continua)


  • “Não te amo como se fosse rosa de sal, topázio
    ou flecha de cravos que propagam o fogo:
    Te amo secretamente, entre a sombra e a alma...
    (continua)


  • "A criança que fui chora na estrada.
    Deixei-a ali quando vim ser quem sou;
    Mas hoje, vendo que o que sou é nada,
    Quero ir buscar quem fui onde ficou. 
    (continua)


  • "Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, amo-te simplesmente sem problemas nem orgulho: amo-te assim porque não sei amar de outra maneira."
    "A pessoa certa é a que está ao seu lado nos momentos incertos."
    "A poesia tem comunicação secreta com o sofrimento do homem."
    ​(continua)


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília