Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Empatia: por um mundo melhor

Enviado por Gilberto Godoy
empatia--por-um-mundo-melhor

     De onde vem a empatia e o que poderia ser feito para que aumente? Levando em conta que é um sentimento de harmonia que tem a ver com a interação com os demais, a pergunta tem várias arestas, começando em que há dois tipos de empatia: a cognoscitiva, que tem a ver com a capacidade de um ser humano para reconhecer as emoções dos demais, e a emocional, que envolve a verdadeira conexão com o próximo.

    Segundo Abigail Marsh da Universidade de Georgetown, aquele que não tem empatia cognoscitiva pode ser considerado um autista; não quer dizer que ele não se importe com o que alguém sente, senão que não percebe. Por outro lado quem carece de empatia emocional não tem compaixão, e portanto não está nem aí com o que o outro sente.

     A diferença entre alguém no extremo autista do espectro e alguém no extremo da psicopatia é, ao que parece, a amígdala, um conjunto de neurônios no cérebro que se encarrega de processar e armazenar reações emocionais. De alguma maneira ter amígdalas mais ativas ou maiores poderia aumentar a empatia no ser humano, no entanto não é a única coisa que importa, pois afinal de contas a empatia também pode ser uma opção. Sim, opção, já que quando quase todos aprendemos a ignorar a empatia quando queremos, como por exemplo, quando deixamos de olhar uma cena de um filme ou damos uma risada nervosa para conter uma lágrima; e da mesma maneira, pessoas que são consideradas verdadeiros psicopatas mergulham nos problemas de outros como se fossem seus se fizerem um esforço. Isto é, em grande parte dos casos é possível escolher ser empático ainda que isso implique um maior esforço.

     Outra parte é saber ou aprender a simular as emoções que alguém mais sente. A capacidade de entender que alguém está em perigo leva naturalmente ao desejo de ajudá-lo. É se colocar no lugar do outro o que torna um vínculo mais forte, por isso é mais fácil que exista empatia entre membros de um mesmo grupo social, racial ou cultural que entre membros de grupos diferentes.

     E tudo se aprende desde o berço. É mais fácil adquirir a faculdade da empatia quando se é praticada desde pequeno, então só fará aumentar. O meio familiar é um fator determinante na capacidade da empatia da criança, que evoluirá com o tempo. O mesmo acontece com o meio cultural fora de casa.

     Uma coisa que sempre noto é uma espécie de preconceito e desconhecimento dos que acham que ter empatia nos torna cândidos ou mais ingênuos, e que dessa forma alguém poderia se aproveitar de nós com maior facilidade. Mas isso não é empatia, empatia significa uma abertura para o outro a um nível mais profundo, o que também pode ser traduzido em saber se alguém quer tirar proveito de uma situação particular.

      Precisa-se um mundo com maior empatia, mas sobretudo um mundo com menor nível de antipatia e indiferença e mais comportamentos na direção dos que precisam de ajuda. Independente das categorizações, em última instância é o comportamento produtivo e altruísta que faz a diferença.

     Fonte:  io9

 

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Quem viveu, sabe. Os anos 80 foram incomparáveis. Como é bom rever e lembrar com saudade dos objetos, das músicas, enfim, do tempo que não volta mais... parecia que o clima era mais agradável. Ainda bem que hoje temos a internet para fazer o tempo "voltar" de alguma forma.


  •    O barulho que ouvimos quando colocamos uma concha junto ao nosso ouvido não é o oceano, mas sim o som do sangue correndo nas veias da orelha;  - O ouro é o único metal que não enferruja, mesmo estando enterrado no solo por milhares de anos; A língua é o único músculo do corpo que está ligado apenas a uma extremidade...   (continua)


  •    As crianças são sumamente sensíveis e podem captar (discriminar) coisas que os adultos não, porque seu leque de sensações ainda não experimentou o bastante para que possa confundi-los. A conexão maior eles têm com suas mães. Reconhecem seus modos, seu cheiro e talvez haja...   (continua)


  •    Uma das aplicações mais curiosas dos vídeos 360° é a de mostrar como são realmente alguns lugares com um realismo enorme: como se estivesses ali. Neste exemplo podemos ver um dos datacenters do Google, situado em Dalles, Oregon.   (continua)


  •    Trava-Línguas são um tipo de parlenda, jogo de palavras que faz parte da literatura popular. O trava-língua é uma frase difícil de recitar em decorrência da semelhança sonora das suas sílabas. Veja abaixo 50 trava-línguas super difíceis. Tente dizer rapidamente e sem a língua travar!   (continua)


  •      Acham que ele tem pouco mais de 40 e vive no estado de Rondônia. Ninguém sabe seu nome, mas é conhecido como "homem do buraco". É o último sobrevivente de uma tribo desconhecida e seu primeiro avistamento data de 1996. Onze anos depois, a Funai decretou que ninguém se aproximasse a menos de 31 quilômetros dele.   (continua)


  •      Cleópatra viveu mais perto da construção da primeira Pizza Hut do que das pirâmides. A Grande Pirâmide foi construída em meados de 2.560 aC, enquanto Cleópatra viveu por volta de 30 aC. A primeira Pizza Hut abriu em 1958, cerca de 500 anos mais próximos.   (continua) 


  •    Em que momento da evolução aprendemos a cozinhar nossa refeição e deixar de comer carne crua? Segundo um grupo de pesquisadores da Universidade de Harvard (EUA), a capacidade de cozinhar e processar alimentos permitiu ao Homo erectus, ao Neandertal e ao Homo sapiens realizar um grande salto evolutivo que lhes diferenciou de outros chimpanzés e primatas. O Paleontólogo Frederick Kyalo apresentou...   (continua)


Copyright 2011-2022
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília