Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Especulações em torno da palavra homem - CDA

Enviado por Gilberto Godoy

“Mas que coisa é homem,

Que há sob o nome:

Uma geografia?

Um ser metafísico?

Uma fábula sem

Signo que a desmonte?

Como pode o homem

Sentir-se a si mesmo,

Quando o mundo some?

Como vai o homem

Junto de outro homem,

Sem perder o nome?

E não perde o nome

E o sal que ele come

Nada lhe acrescenta

Nem lhe subtrai

Da doação do pai?

Como se faz um homem?

Apenas deitar,

Copular, à espera

De que do abdômen

Brote a flor do homem?

Como se fazer

A si mesmo, antes

De fazer o homem?

Fabricar o pai

E o pai e outro pai

E um pai mais remoto

Que o primeiro homem

Quanto vale o homem

Menos, mais que o peso?

Hoje mais que ontem?

Vale menos, velho?

Vale menos, morto?

Menos um que outro,

Se o valor do homem

É a medida de homem?

Como morre o homem,

Como começa a morrer?

Sua morte é fome

Que a si mesma come?

Morre a cada passo?

Quando dorme, morre?

Quando morre, morre?

A morte do homem

Consemelha a goma

Que ele masca, ponche

Que ele sorve, sono

Que ele brinca, incerto

De estar perto, longe?

Morre, sonha o homem?

Por que morre o homem?

Campeia outra forma

De existir sem vida?

Fareja outra vida

Não já repetida,

Em doido horizonte?

Indaga outro homem?

Por que morte e homem

Andam de mãos dadas

E são tão engraçados

As horas do homem?

Mas que coisa é homem?

Tem medo de morte,

Mata-se, sem medo?

Ou medo é que o mata

Com punhal de prata,

Laço de gravata,

Pulo sobre a ponte?

Por que vive o homem?

Quem o força a isso,

Prisioneiro insolente?

Como vive o homem,

Se é certo que vive?

Que oculta na fonte?

E por que não conta

Seu segredo

Mesmo em tom esconso?

Por que mente o homem?

Mente mente mente

Desesperadamente?

Por que não se cala,

Se a mentira fala,

Em tudo que sente?

Por que chora o homem?

Que choro compensa

O mal de ser homem?

Mas que dor é homem?

Homem como pode

Descobrir que dói?

Há alma no homem?

E que pôs na alma

Algo que a destrói?

Como sabe o homem

O que é sua alma

E o que é alma anônima?

Para que serve o homem?

Para estrumar flores,

Para tecer contos?

Para servir o homem?

Para criar Deus?

Sabe Deus do homem?

E sabe o demônio?

Como quer o homem

Ser destino, fonte?

Que milagre é o homem?

Que sonho, que sombra?

Mas existe o homem?”

Carlos Drummond de Andrade

Comentários

  • por: Frennessey S. Leal em sábado, 31 de agosto de 2013
    São muitas interrogações, e de muitas interrogações também é feito o homem. Mas será que realmente isso faz o homem? Bela e profunda poesia!

Também recomendo

  • "O tempo presente e o tempo passado
    Estão ambos talvez presentes no tempo futuro
    E o tempo futuro contido no tempo passado
    Se todo o tempo é eternamente presente
    Todo o tempo é irredimível
    O que podia ter sido é uma abstração
    Permanecendo possibilidade perpétua
    Apenas num mundo de especulação..."
    (continua)


  • “Como imperfeito ator que em meio à cena
    O seu papel na indecisão recita,
    Ou como o ser violento em fúria plena
    A que o excesso de forças debilita;
    Também eu, sem confiança em mim, me esqueço
    No amor de os ritos próprios recitar...
    (continua)


  • "Se alguém bater um dia à tua porta,
    Dizendo que é um emissário meu,
    Não acredites, nem que seja eu;
    Que o meu vaidoso orgulho não comporta
    Bater sequer à porta irreal do céu... (continua)


  • "O que esperamos na ágora reunidos?
    É que os bárbaros chegam hoje.
    Por que tanta apatia no senado?
    Os senadores não legislam mais?
    É que os bárbaros chegam hoje...
    (continua)


  •    "Eu te peço perdão por te amar de repente
       Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos
       Das horas que passei à sombra dos teus gestos
       Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos...
       (continua)


  •     "Meu Senhor, tende piedade dos que andam de bonde
         E sonham no longo percurso com automóveis, apartamentos…
         Mas tende piedade também dos que andam de automóvel
         Quantos enfrentam a cidade movediça de sonâmbulos, na direção.
    ​     (continua)


  • "Desde os tempos distantes de criança
    Numa força sem par do pensamento,
    Tem sentido infinito e resultante
    Do que sempre será meu sentimento;
    Todo teu, todo amor e encantamento,
    Vertente, resplendor e firmamento...
    (continua)


  • "Porque entre o sim e o não é só um sopro,
    entre o bom e o mau apenas um pensamento,
    entre a vida e a morte só um leve sacudir de panos -
    e a poeira do tempo, com todo o tempo que eu perdi,
    tudo recobre, tudo apaga, tudo torna simples
    e tão indiferente."


Copyright 2011-2021
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília