Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Suicídio: dados e análises por Gilberto Godoy

Enviado por Gilberto Godoy

   O professor e psicólogo Gilberto Godoy levanta reflexões sobre uma questão existencial de extrema importância: porque algumas pessoas desejam o seu próprio fim? O que leva uma pessoa a buscar a sua própria morte? São trazidos alguns dados epidemiológicos estratégicos para se compreender o fenômeno. Intervir nos casos suicídio pode evitar uma grande parte deles, falar sobre o assunto ainda é uma das melhores formas de prevenção e atuação.

   Para atuar de forma efetiva é necessário ter conhecimento sobre fatores de risco e proteção, é necessário também conhecer alguns princípios do comportamento, pois vários aspectos do contexto em que a pessoa está inserida podem potencializar ou minimizar ações direcionadas ao autoextermínio.

   Como cada pessoa lida com frustrações, perdas e danos tem impacto direto na decisão de dar cabo à própria vida. O valor que é atribuído à felicidade plena, constante e interminável cria um contexto utópico e inalcançável, levando o indivíduo a não se sentir parte ou capaz de ser tão feliz quanto o meio lhe exige, esse e outros aspectos culturais são analisados pelo professor Gilberto Godoy, que fornece algumas dicas úteis sobre como identificar sinais e atenuar situações de risco.

Conheça nosso Canal no Youtube:

http://youtube.com/user/gilbertohgodoy?sub_confirmation=1

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    A distinção entre reforçadores naturais e arbitrários é problemática em Análise do Comportamento e não há conformidade nos uso desses conceitos dentre os analistas do comportamento. Goldiamond, Ferster, Kohlenberg, Tsai entre outros defendem o uso de reforçadores naturais em detrimento dos arbitrários no contexto aplicado pelos...   (continua)


  •    Terapia comportamental pode ajudar pessoas em momentos especiais em que estão sentindo necessidade de solucionar problemas ou questões pessoais, e tem a necessidade de ajuda profissional efetiva.  Geralmente procuram o profissional por meio de indicações de amigos, colegas ou parentes. A procura na internet hoje também é muito comum.   (continua)


  •      Terapia Comportamental: quando, como e para quê?
      A vida é udinâmica e exige de nós uma constante adaptação às circunstâncias por meio de nossos comportamentos. Dificuldades e problemas são parte do nosso cotidiano, em diversos níveis. Muitas vezes, damos conta de lidar com nossas questões sem ajuda profissional, porém, quando nos deparamos com uma condição na qual não temos as respostas...   (continua)


  •    Bons questionamentos de Seiiti Arata Jr.  Ele fundou a Arata Academy em 2007, prestando serviços de treinamento online para jovens empresários e profissionais que procuram alcançar resultados de excelência. Atualmente...   (continua)


  •   Depressão é a denominação atribuída a um transtorno de humor que se caracteriza por um conjunto de somatizações e alterações de comportamentos, sentimentos, percepção, emoções entre outros e que podem comprometer a adaptação da pessoa à vida pessoal e social. Pode comprometer além da saúde, trabalho, família, estudos e relacionamentos.  (continua)

    Assista o VÍDEO sobre DEPRESSÃO  AQUI.


  •    Que tipo de ciência é a análise do comportamento? Ora descrita como parte da biologia, ora como parte da psicologia, ainda hoje permanece controversa sua posição no cenário científico. B. F. Skinner, talvez o principal epígono (se não prógono) dessa ciência no século XX sustentou diferentes posições sobre...   (continua)


  •    Três artigos recentes na seção Tendências/Debates da Folha de São Paulo tratam de abordagens para o tratamento de crianças autistas. Nilde Franch escreveu “Autismo e Psicanálise”, Del Rey, Vilas Boas e Ilo escreveram “Análise do Comportamento e Autismo” e...   (continua)


  •    Para muitos gerentes, colaboradores altamente motivados fazem o que são pagos para fazer, apenas o que está escrito em sua descrição de trabalho. Mas para mim, colaboradores altamente motivados fazem mais do que eles são pagos para fazer – eles fazem o que precisa ser feito para...   (continua)


  •    Nesse vídeo podemos observar como um paradigma é formado e como os seres seguem ele, seja animal ou seja o homem. Há aprendizagens que não entendemos de onde vem e replicamos comportamentos o resto da vida. A humanidade na sua maioria faz a mesma coisa, seguem...   (continua)


  •    Carol Dweck, psicóloga de Stanford, dedicou anos a demonstrar que um dos elementos fundamentais da educação satisfatória é a capacidade de aprender com os erros. No entanto, costumamos a ensinar bem o contrário. Se uma criança cometer erros, é porque...   (continua)


  •      O modelo do desamparo aprendido foi proposto por Seligman em 1975. Alunos do curso de psicologia devem dar atenção especial a este experimento pois sua relação com a vida cotidiana pode ser bem identificada. Uma coisa que às vezes poupa as pessoas de depressão ou impotência é um sentimento de controle sobre os seus imediatos ou a longo prazo circunstâncias.    (continua)


  •     Neste vídeo são apresentadas reflexões sobre o que o psicólogo pode e deve fazer atuando profissionalmente, quais as normas objetivas e padrões éticos devem ser seguidos e esperados na atuação do profissional da psicologia. (Continua)


Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília