Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Elogie o esforço da criança, não a "inteligência"

Enviado por Gilberto Godoy
elogie-o-esforco-da-crianca--nao-a--inteligencia-

      Parabéns a todas as crianças do planeta. Elas são nossa grande esperança! Aproveitando o dia, aqui vai um bom texto e boas dicas aos pais e educadores. Interessante!

     Carol Dweck, psicóloga de Stanford, dedicou anos a demonstrar que um dos elementos fundamentais da educação satisfatória é a capacidade de aprender com os erros. No entanto, costumamos a ensinar bem o contrário. Se uma criança cometer erros, é porque não é muito esperta. O esperto não comete erros, e ademais lhe elogiamos precisamente por isso, por ser esperto. Poucas pessoas elogiam aos demais por seu esforço e não por sua capacidade inata.

     Dweck realizou um experimento com mais de 400 crianças  de doze escolas de Nova Iorque: submeteu-os a um teste muito fácil  consistente em um puzzle não verbal. Uma vez terminado, o experimentador dizia a nota à criança, seguida de uma frase de elogio. A metade das crianças eram elogiadas por sua inteligência; a outra metade, por seu esforço.

     A seguir, permitiam que escolhessem entre duas provas diferentes. A primeira opção era descrita como uma série de puzzles mais difíceis, mas diziam aos pequenos que se tentassem, aprenderiam muito. A outra opção era um teste fácil, parecido ao que já tinham feito.

     Ao criar o experimento, Dweck tinha imaginado que as diferentes formas de elogio teriam um efeito bem moderado. Afinal de contas, era só uma frase. No entanto, logo ficou claro que o tipo de elogio que se fazia aos alunos influía espetacularmente em sua posterior escolha das provas. Do grupo de crianças felicitadas por seu esforço, 99% escolheu o conjunto de puzzles difíceis. Por sua vez, a maioria dos garotos elogiados por sua inteligência decidiram-se pelo teste mais fácil.
 
     Quando elogiamos a inteligência de um criança, em realidade estamos transmitindo a mensagem: você está pronto, não vá se arriscar a cometer erros.

     Os seguintes experimentos de Dweck também sugerem que este medo ao fracasso também inibe a aprendizagem. O mesmo grupo de crianças foi submetido a outro teste, desta vez muito difícil, para comprovar como respondiam ao desafio. Os que foram elogiados por seu esforço na primeira prova, trabalharam com denodo para resolver o problema, se implicando com grande entusiasmo. No entanto, aqueles que foram louvados por sua inteligência desanimaram logo em seguida, porque consideravam seus inevitáveis erros como sinais de fracasso: talvez, no fundo, pensavam, que não eram tão espertos.
 
     A série final de testes apresentava o mesmo nível de dificuldade que a primeira. Em todo caso, os alunos elogiados por seu esforço mostraram uma melhora significativa: aumentaram sua pontuação média em 30%. Como essas crianças estavam dispostos a aceitar desafios, ainda que a princípio isso significasse falhar, acabaram rendendo em um nível muito superior. Este resultado foi ainda mais digno de admiração ao fazer a comparação com os alunos que tinham sido atribuídos a esmo ao grupo dos "espertos": suas pontuações baixaram uma média de quase 20 %. Para os garotos "preparados", a experiência do fracasso foi tão desalentadora que em realidade experimentaram um retrocesso.

     Via http://www.jonahlehrer.com/

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    A história do comportamento humano, se considerarmos o início com a origem da vida na terra, é possivelmente superada em amplitude apenas pela história do universo. Assim como o astrônomo e o cosmologista, o historiador trabalha apenas com a reconstrução do que pode ter acontecido, ao invés de revisar os fatos registrados.   (continua)


  •    Muita gente ensinou… Muita gente aprendeu… que as sessões de terapia têm uma lógica. Como uma história que tem começo, se desenvolve e avança para um desfecho. Dentro dessa perspectiva, o terapeuta deve conduzir o enredo, dar-lhe coerência e significado e manter o curso encadeado da vida...   (continua)


  •    Lista de duzentos filmes com temas e histórias relacionados a psicologia.

       10 horas até o Paraíso:
       O fisiculturista Dennis, de 38 anos, gostaria de encontrar o verdadeiro amor. Ele nunca teve uma namorada e vive sozinho com sua mãe em um subúrbio de Copenhagen. Quando seu tio casa com uma moça da Tailândia...   (continua)


  •    O Homem sempre se esforçou para explicar seu comportamento procurando suas causas. Os historiadores e biógrafos buscaram as origens das conquistas humanas nas condições de nascimento, clima, cultura e contatos pessoais, e alguns deles incluíram filósofos e ensaístas em generalizações mais amplas. A ciência naturalmente trabalhou na mesma direção.   (continua)


  •    De modo genérico, o termo comportamento refere-se à atividade dos organismos (animais, incluindo o homem), que mantêm intercâmbio com o ambiente. Essa atividade inclui os movimentos dos músculos estriados e dos músculos lisos, e a secreção das glândulas. Na linguagem cotidiana, frequentemente nos referimos aos comportamentos que envolvem a musculatura estriada como comportamentos voluntários...  (continua)


  •    Construímos o que chamamos de autoconceito baseados em uma aprendizagem social-familiar nem sempre muito "conscientes" e, geralmente, recheada de controle avesivo. A autopercepção negativa não é fácil ser mudada mas é preciso se comportar na direção de ampliar nosso conhecimento de nós mesmos e do mundo. Autoconhecimento é a chave da muitas portas, entre elas a da autonomia e da 'liberdade'.   (continua)


  •    Os terapeutas comportamentais geralmente consideram que a grande maioria dos comportamentos infantis é controlada pelas contingências ambientais familiares. Nessa medida, ao tentarem auxiliar uma criança emocionalmente desajustada, tais profissionais buscam a alteração dessas contingências, atuando sobre a família. A proposta do...   (continua)


  •    O texto pretende alcançar dois objetivos principais, a saber: 1) esclarecer o significado de algumas intervenções comportamentais, abrangidas pelo modelo triádico no qual há no mínimo três pessoas envolvidas no trabalho terapêutico de uma criança (psicólogo, mediador e alvo); 2) mostrar como a maior compreensão da Terapia Comportamental familiar levou a ampliação do modelo de modo a incluir uma diversidade intervenções.   (continua)


Copyright 2011-2018
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília