Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 

Elogie o esforço da criança, não a "inteligência"

Enviado por Gilberto Godoy
elogie-o-esforco-da-crianca--nao-a--inteligencia-

      Parabéns a todas as crianças do planeta. Elas são nossa grande esperança! Aproveitando o dia, aqui vai um bom texto e boas dicas aos pais e educadores. Interessante!

     Carol Dweck, psicóloga de Stanford, dedicou anos a demonstrar que um dos elementos fundamentais da educação satisfatória é a capacidade de aprender com os erros. No entanto, costumamos a ensinar bem o contrário. Se uma criança cometer erros, é porque não é muito esperta. O esperto não comete erros, e ademais lhe elogiamos precisamente por isso, por ser esperto. Poucas pessoas elogiam aos demais por seu esforço e não por sua capacidade inata.

     Dweck realizou um experimento com mais de 400 crianças  de doze escolas de Nova Iorque: submeteu-os a um teste muito fácil  consistente em um puzzle não verbal. Uma vez terminado, o experimentador dizia a nota à criança, seguida de uma frase de elogio. A metade das crianças eram elogiadas por sua inteligência; a outra metade, por seu esforço.

     A seguir, permitiam que escolhessem entre duas provas diferentes. A primeira opção era descrita como uma série de puzzles mais difíceis, mas diziam aos pequenos que se tentassem, aprenderiam muito. A outra opção era um teste fácil, parecido ao que já tinham feito.

     Ao criar o experimento, Dweck tinha imaginado que as diferentes formas de elogio teriam um efeito bem moderado. Afinal de contas, era só uma frase. No entanto, logo ficou claro que o tipo de elogio que se fazia aos alunos influía espetacularmente em sua posterior escolha das provas. Do grupo de crianças felicitadas por seu esforço, 99% escolheu o conjunto de puzzles difíceis. Por sua vez, a maioria dos garotos elogiados por sua inteligência decidiram-se pelo teste mais fácil.
 
     Quando elogiamos a inteligência de um criança, em realidade estamos transmitindo a mensagem: você está pronto, não vá se arriscar a cometer erros.

     Os seguintes experimentos de Dweck também sugerem que este medo ao fracasso também inibe a aprendizagem. O mesmo grupo de crianças foi submetido a outro teste, desta vez muito difícil, para comprovar como respondiam ao desafio. Os que foram elogiados por seu esforço na primeira prova, trabalharam com denodo para resolver o problema, se implicando com grande entusiasmo. No entanto, aqueles que foram louvados por sua inteligência desanimaram logo em seguida, porque consideravam seus inevitáveis erros como sinais de fracasso: talvez, no fundo, pensavam, que não eram tão espertos.
 
     A série final de testes apresentava o mesmo nível de dificuldade que a primeira. Em todo caso, os alunos elogiados por seu esforço mostraram uma melhora significativa: aumentaram sua pontuação média em 30%. Como essas crianças estavam dispostos a aceitar desafios, ainda que a princípio isso significasse falhar, acabaram rendendo em um nível muito superior. Este resultado foi ainda mais digno de admiração ao fazer a comparação com os alunos que tinham sido atribuídos a esmo ao grupo dos "espertos": suas pontuações baixaram uma média de quase 20 %. Para os garotos "preparados", a experiência do fracasso foi tão desalentadora que em realidade experimentaram um retrocesso.

     Via http://www.jonahlehrer.com/

Comentários

Comente aqui este post!
Clique aqui!

 

Também recomendo

  •    Em contraposição aos estudos desenvolvidos segundo pressupostos mentalistas – que atribuem as causas da depressão a processos mentais inferidos, baseados em classificações de sintomas – os estudos realizados sob o prisma da Análise do Comportamento consideram...   (continua)


  •      O modelo do desamparo aprendido foi proposto por Seligman em 1975. Alunos do curso de psicologia devem dar atenção especial a este experimento pois sua relação com a vida cotidiana pode ser bem identificada. Uma coisa que às vezes poupa as pessoas de depressão ou impotência é um sentimento de controle sobre os seus imediatos ou a longo prazo circunstâncias.    (continua)


  •    O psicólogo americano Steven Hayes, em seu livro, "Saia de Sua Mente e Entre em Sua Vida", publicado em 2005 nos Estados Unidos, rompe com um método em voga na psicologia há trinta anos: a terapia cognitiva, que instrui pacientes a se livrar de seus pensamentos e sentimentos negativos. Hayes diz que...   (continua)


  •    "Uma cliente, após a morte de um amigo muito querido, disse numa sessão: tenho sonhado demais com M. eu que não costumava sonhar... O que está acontecendo comigo? Respondi que ela tem pensado muito no M, tem sentido muito sua falta, tem falado muito sobre ele, tem lido suas cartas...   (continua)


  • "- Quantas bromélias juntas! Formam um canteiro natural sobre a rocha.
    - Olhe essa teia de aranha entre as folhas...
    - Nem a tinha notado... Interessante: olhei e não a vi...faltou alguma contingência para me fazer vê-la.
    - Minha frase criou a contingência. Agora você a vê.   (continua)


  •    Podemos falar de poder de uma visão individualista, que é o poder visto nas relações individuais, e de uma visão holista, ou seja, o poder visto na totalidade, na relação entre a comunidade e os indivíduos, entre o todo e a parte.   (continua)


  •    Embora o que se denomina de Psicologia Positiva possa ser bem compreendido por um bom analista do comportamento como dar ênfase ao reforçamento positivo em detrimento da punição, ela não deixa de ser, descritivamente interessante. Neste vídeo gravado no Kripalu Center, um anexo de Harvard, Sofia Bauer, Psiquiatra...   (continua)


  •    Foi só um erro honesto, diz ele, e tira duas conclusões: deveríamos ser epistemologicamente humildes e reconhecer que não conhecemos tudo sobre o mundo, e, além disso, boa parte do que sabemos está errada.   (continua)


Copyright 2011-2017
Todos os direitos reservados

Até o momento,  1 visitas.
Desenvolvimento: iDev Web