Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns minutos...

 
Filtro:
texto [x]
  •       Homenagem de Chico Buarque a Oscar Niemeyer

         "A casa do Oscar era o sonho da família. Havia um terreno para os lados da Iguatemi, havia o anteprojeto, presente do próprio, havia a promessa de que um belo dia iríamos morar na casa do Oscar. Cresci cheio de impaciência porque meu pai, embora fosse dono do Museu do Ipiranga, nunca juntava dinheiro para construir a casa do Oscar.   (continua)

  •    Alguém já disse que o homem é o mais ingrato dos animais, e Shakespeare nos diz que “Monstruoso é o homem quando assume a forma da ingratidão”. Ele chama a ingratidão de “Demônio do coração de mármore”. Acho que todos nós concordamos com essas afirmações, até porque “Nenhum homem vai para o túmulo sem levar no corpo a marca de um ponta pé dado por um amigo”.   (continua)

  •    “O mundo está torto e cabe a mim endireitá-lo”. Preciso dessa fala de Hamlet para poder suportar a estupidez do mundo, e esse pensamento de Shakespeare me consola. Mas, quando somos informados que apenas oitenta indivíduos têm mais dinheiro que 3,4 bilhões de pessoas, metade da população mundial...   (continua)

  •      Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüíferos, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüentas anos. Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora.   (continua)

  •    Segundo Elias Canetti: ”Para dizer algo sobre este mundo que tenha algum valor, o escritor não pode afastá-lo de si ou evitá-lo. Tem de carregá-lo enquanto caos”. Pois o escritor tem “A vontade de responsabilizar-se por tudo aquilo que é apreensível em palavras”. Ele acha que “Num mundo onde importam a especialização e a produtividade o múltiplo e o autêntico estão embaciados”. Quanta verdade há nessas palavras! Porque o caos é injustiça, e é contra ela que lutamos.   (continua)

  •    Me perguntei algumas vezes se deveria escrever este texto. Porque o principal que tenho a dizer sobre Ariano Suassuna é que ele era um velho burro e chato. E o homem, como se sabe, acabou de morrer – o que o eleva automaticamente aos píncaros da genialidade e da infalibilidade nos textos que se espalham pela imprensa. Mau momento para lembrar o seu principal defeito: a profunda e total incompreensão da natureza da cultura pop. Eu tinha desistido de escrever. Mas eis que a televisão de domingo o mostra numa entrevista, atacando, com volúpia e deboche, Michael Jackson e Madonna, além da réplica da estátua da Liberdade na Barra da Tijuca.   (continua)

  •       Em 2012 fui apresentado a um Projeto muito interessante. Trata-se do "Livros Abertos", da minha amiga e Professora Eileen Flores, coordenadora. O Projeto compartilha livros, histórias e encantamento com crianças e jovens de Brasília, DF. Eles trabalham com a leitura dialógica, forma diferenciada de leitura compartilhada em que os participantes são constantemente encorajados a ter voz ativa: lá todos contam! Vale a pena conferir.   (continua)
         http://livrosabertosaquitodoscontam.blogspot.com/

     
  •    Sob o lema “ferro e sangue”, em 1871, Oto Von Bismarck chanceler da poderosa Prússia consolidou a nação alemã. Outrora um monte de cidades, condados, ducados, principados o sonho centenário de unir os povos de língua alemã em um único país tornou-se realidade. Brigando com a Áustria, da família Habsburgo, a Prússia levou a melhor e coroou Guilherme como primeiro imperador da Alemanha unificada. Enfim, uma nação, chegou a hora de trabalhar e enriquecer, já que, para eles, “a Alemanha está destinada a dominar o mundo”.   (continua)

  •   Hoje chega ao fim uma jornada de sete anos, iniciada quando o Brasil venceu a disputa para sediar a Copa de 2014. Foi uma viagem cheia de percalços, com altos e baixos, e um desfecho muito ruim para o futebol brasileiro. A seleção não chegou ao hexa, e assim não pôde exorcizar 1950 no mesmo Maracanã da derrota histórica de há 64 anos. E os sete gols sofridos na semifinal com a Alemanha ficarão como dolorosa marca nos cem anos de seleção brasileira.   (continua)

  •    O que vimos hoje no Mineirão tem explicação. Aliás, nada acontece mesmo por acaso. Foi uma vitória da competência sobre a malandragem. O que vimos hoje foi uma lição, uma aula de futebol que deve servir pra vida, para a sociedade, para o povo. Serve de exemplo para gerações de crianças que saberão que para vencer na vida tem que estudar, treinar, repetir e evoluir. Temos que acabar com a noção de que brasileiro é sempre melhor, especial, esperto, tem gingado como ninguém. A Pátria tem que ensinar aos seus filhos que futebol não é tudo, futebol é um jogo, um esporte que merece respeito mas que a sociedade é muito maior que isto.

  •    Quando, em artigo anterior, chamei a Copa do Mundo de futebol de guerra moderna, alguém me disse que exagerei, que “futebol não tem nada a ver com guerra”. Tem.  Quem conhece história sabe o que estou falando. Em cinco mil anos de civilização, o mundo não viveu mais do que duzentos anos sem que uma guerra estivesse acontecendo em algum lugar do planeta. Basta ver os últimos cem anos, da Primeira Guerra Mundial aos dias de hoje, quando foi que vimos o mundo sem uma guerra?   (continua)

  •    No século XXI, onde impera a robótica e a informática, o mundo entra em nossas casas, através da telinha da televisão e da internet. O planeta torna-se uma aldeia global. Desaparecem as cartas. Em seu lugar ficaram os telefones celulares, que se multiplicam aos milhões. Hoje, através da internet: dos e-mails, dos sites, dos orkuts, dos  twitter podemos inteirar-nos de todas as notícias e por meio das redes sociais: facebook e outras conquistamos quantos amigos virtuais quisermos.   (continua)

  •     Título original: Vamos ganhar sem trapaça, de Carlos Maranhão via revista Veja

       Torça sem culpa? O importante é ganhar, não importa como? A malandragem faz parte do jogo? A “mão de Deus” pode ser uma forma de fazer justiça por linhas tortas? Mais vale vencer com um gol de impedimento, depois dos 45 minutos do segundo tempo, do que perder jogando limpo? Se não foi pênalti, azar deles? Morreu, morreu – antes ele do que eu?...   (continua)

  •      As mais antigas celebrações do Dia da Mãe remontam às comemorações primaveris da Grécia Antiga, em honra de Rhea, mulher de Cronos e Mãe dos Deuses. Em Roma, as festas comemorativas do Dia da Mãe eram dedicadas a Cybele, a Mãe dos Deuses romanos, e as cerimônias em sua homenagem começaram por volta de 250 anos antes do nascimento de Cristo.   (continua)

  •    “Shakespeare é o mestre de cerimônias da humanidade”. Esse é mais um entre os milhares de elogios dirigidos ao dramaturgo inglês William Shakespeare, nascido em 23 de abril de 1564, em Stratford-Upon-Avon, uma pequena cidade a cento e sessenta quilômetros  de Londres. Escolhi essa sentença por achar que ele condensa muito bem uma das capacidades do bardo de Straford: a de apresentar a todos nós, com riqueza incomparável,  o papel que representamos nesse imenso palco que é o mundo.   (continua)

  •      As páginas da história de nosso país são manchadas por longos perídos de ditaduras civis e militares. O Brasil como os demais países da América Latina passou a maioria dos anos governados por ditadores. Apenas em alguns curtos espaços de tempo vivemos uma débil democracia. A sociedade brasileira traz nas entranhas de seu ventre uma cultura de autoritarismo, machismo, opressão e pendores ditatoriais. Após cinquenta anos de uma cruel ditadura vivemos uma jovem democracia ainda marcada por resquícios de uma estrutura vinda da ditadura anterior. Quem tem medo da democracia?   (continua)

  •      A compra do aplicativo Whats App pelo Facebook,  por 19 bilhões de dólares, algo em torno de 45 bilhões de reais, é um escândalo. Trata-se de número pavoroso,  assustador e perigoso. Não sou inimigo do dinheiro, de negócios, ou do que chamam capital, livre iniciativa, mas é que o valor é tão astronômico, tão “galático”, tão gigantesco que fico me perguntando de onde sai tanto dinheiro para realizar uma compra dessas? Se o valor pago fosse um décimo disso seria espantoso, mas “dezenove bi”... Convenhamos!    (continua)

  •      Uma sentença não poderia demonstrar melhor o que estou sentindo ultimamente do que essa fala de Hamlet: “Sinto-me com uma disposição de espírito tão sombria que este glorioso recinto, a terra, até está me parecendo um promontório estéril; esse magnífico dossel, o ar, esse esplêndido firmamento que estamos vendo suspenso, essa majestosa abóbada salpicada de pontos dourados, tudo isso nada mais me parece do que uma pestilenta aglomeração de vapores”    (continua)

  •      Com a morte de Mandela (Madiba), o mundo aprende a essência da palavra UBUNTU.  Ubuntu é uma ética ou ideologia do idioma 'Banto Ngúni'. É uma filosofia africana que existe em vários países de África que foca nas alianças e relacionamento das pessoas umas com as outras. A palavra vem das línguas dos povos Bantos; na África do Sul nas línguasZulu e Xhosa. Ubuntu é tido como um conceito tradicional africano.   (continua)

  •      Costumo dizer para meus amigos aqui em Brasília que, se houver uma corrida de Jumentos na Esplanada dos Ministérios em que o vencedor seja aquele que mais produza estrume, dezenas de milhares de pessoas se deslocarão para assistir o grotesco “evento”. Tal é a quantidade de gente besta, desocupada e preguiçosa que existe por aí. Esse público é o mesmo que abraça causas estúpidas mundo afora.    (continua)

Copyright 2011-2020
Todos os direitos reservados

Até o momento,  18264534 visitas.
Desenvolvimento: Criação de Sites em Brasília